um

4.1K 299 76
                                    

Garcia

Inclinei meu corpo pra frente e peguei meu copo que estava em cima da mesa , senti o copo gelar meus dedos e o levei até a boca sentindo o gosto amargo do whisky.

Na minha mão esquerda eu mantinha o baseado em mãos que queimava fazendo uma fumaça absurda. Dei aquele trago maneira e logo soprei fumaça.

Encarei geral se divertindo no meu aniversário e não me surpreende minha falta de animação. Me sinto feliz em saber que o maior presente que ganhei foi á cinco anos atrás quando mataram e tiraram aquele desgraçado da minha vida.

Deco: coé tu inventa de comemorar teu aniversário pra que  ? Tá com essa cara de viado _ se sentou ao meu lado __ da um tapa aí

Passei o baseado pra ele observando meu padrinho Bené entrar pela porta da minha laje com a mulher. Máxima consideração a todos dois.

Me perguntou qual era meu nome e me estendeu a mão , Bené matou minha fome durante muito tempo devo muita coisa a esse cara.

Naila__ amor da mamãe , vinte e três aninhos __ sorriu e abriu os braços me fazendo ficar de pé pra abraça-la

Odeio abraços , mais pra ela não nego nunca!

Deco: qual foi mãe ? __ disse todo enciumado

Naila: o que garoto ? Ele é meu filho também

Danike: aí tia me abraça também __ sorriu de lado

Bené : papo é esse Danike ? Se faz de cego , surdo e mudo quando vê minha mulher jaé?

Danike: tô brincando patrão __ disse se sentando com um prato em mãos

Garcia : cadê a Beatriz?__ perguntei pela minha irmã

Naila: tá em casa , se preucupe não _ assenti

Fui até o freezer peguei uma cerveja , caminhei pela laje e cumprimentei alguns colegas. O churrasco foi invenção do Deco , qualquer motivo pra beber ele inventa uma festa.

Garcia : fiquei sabendo que já trouxe um gerente Bené, quem é?

Bené : um antigo amigo , chamei ele pra aparecer aqui até com a família __ assenti quando vi que ele não quis da seguimento na conversa

Quem come quieto almoça e janta , esse é o ditado. Nunca quis que ninguém soubesse que o Bené me ajudou em nada e também nunca quis surfar no dinheiro dele. Sei da consideração máxima que ele tem por mim e me trata como se fosse filho desde o dia que me tirou daquela casa.

Me entregou nas mãos a dignidade de comer quantas vezes quisesse no dia e de querer estudar caso eu quisesse. Entrei na vida do crime um ano depois de conhecer ele , nem pensei duas vezes até porque não dava pra viver pra sempre na aba dele.

Tenho tido suporte com a minha irmã Beatriz , a Naila da maior força nos bagulhos de mulher que eu não tenho jeito..

Deco: comprei um bagulho pra tu irmão __ me entregou

Abrir o pequeno embrulho e tinha uma corrente de ouro com meu vulgo..

Garcia ... Veio de Vitor Garcia. Apelidaram e já era. Quase ninguém sabe que meu nome é Vitor.

DestinadosOnde histórias criam vida. Descubra agora