Capítulo Quatro

674 125 38

Como prometido dia de segunda tem capítulo novo.

Estou super feliz com as leituras, os comentários, as estrelinhas...

Espero que gostem! E no próximo, vocês irão conhecer o ponto de vista do Enzo.

Preparadas pra descobrir os pensamentos dele?


Nós não nos falamos pelo resto da noite. A todo instante eu sentia os olhos dele em mim, mas ele não se aproximou. Como a noite era dele e eu já tinha terminado o meu trabalho, resolvi ir embora sem me despedir. Eu sei que foi mal educado da minha parte, mas ele estava em um papo muito animado com Michele da contabilidade, que sorria e passava as mãos pelos cabelos mais vezes que o necessário e eu não quis interromper. Vaca!

Na manhã seguinte, eu chego ao escritório muito cedo. O prédio ainda está completamente vazio, mas eu precisava passar no arquivo e pegar algumas pastas antes de começar a trabalhar.

As luzes do corredor vão acendendo à medida que eu me aproximo da porta que dá acesso ao arquivo. Assim que eu pego as pastas que eu preciso no armário, eu ouço uma porta sendo fechada e trancada atrás de mim. Assustada, eu me viro rapidamente, e dou de cara com Enzo.

— Desculpe, eu não queria assustá-la. — Ele diz caminhando em minha direção.

— Você precisa de alguma coisa? — eu questiono enquanto o observo diminuir o espaço.

— Preciso... Eu preciso muito falar com você, Eva.

— Você não poderia esperar até que eu chegasse à minha sala?

— Você sabe que não.

— Não, eu não sei. — Uma pequena mentira.

Muito próximo.

— Se você gostou tanto quanto eu gostei daquele beijo no sábado, eu aposto que você não vê a hora de repetir. Porque eu não paro de pensar nele, desde que você deixou aquela boate.

Eu engulo em seco.

— Olha... Sábado, não tínhamos ideia de quem nós dois éramos. Eu gostei de beijar você, aliás, eu adorei cada toque naquele corredor. Ninguém tem me tocado em um longo tempo — ele franze o cenho — Eu sei é patético, você deve está se perguntando em que mundo eu vivo. — eu encaro os meus pés, e de canto de olho, eu vejo que ele está balançando a cabeça na horizontal e sorrindo. O sorriso mais lindo que eu já vi.

Ele segura o meu queixo e levanta a minha cabeça.

— Deus... Onde você estava? Saber disso, só me deixa ainda mais louco por você. Mas eu não vou te tocar ainda, não aqui, correndo o risco de alguém tentar abrir aquela porta. Você me quer, Eva?

— Eu não posso querer...

— Porque não?

— Você é o meu chefe, e isso pra mim já é motivo suficiente. — Eu suspiro.

Escovando o meu lábio inferior com o polegar, ele ignora o meu comentário.

— Você acha que eu vou conseguir olhar o dia inteiro pra essa sua boca e ficar longe dela? Que se foda o que os outros vão dizer. Eu não era o CEO desta empresa quando nós nos encontramos no sábado. — Ele passa as mãos pelo cabelo.

Em um gesto nervoso eu me afasto e caminho em direção a saída. Ele se aproxima um pouco, coloca as mãos no bolso e aguarda que eu diga alguma coisa.

— Olha, eu realmente não sei mesmo o que dizer, nós poderíamos conversar em outro momento talvez, mas agora eu não quero ter que discutir sobre isso.

Infinito Amor (DEGUSTAÇÃO.DISPONÍVEL NA AMAZON)Leia esta história GRATUITAMENTE!