Chapter 4 : Emma Smith vs A melhor cafeteira do mundo

5.5K 721 98

Eram duas mensagens de texto de um número desconhecido.

Abri a primeira mensagem, quando comecei a lê-la até me sentei de novo em minha cadeira. Estava pronta para ir embora, pois era quase a hora do meu encontro. Já havia arrumado todos os documentos, os colocado na mesa do senhor Maxon e do senhor Dickens, e consegui tempo até de adiantar o trabalho do dia seguinte. Mas o que estava escrito nas mensagens fez com que minha pressa fosse embora.

Desconhecido: Esqueça nossos planos para hoje à noite, isso foi um erro. 

Desconhecido: Vou com Kate.

Fui do céu ao inferno em cinco segundos, maldito Joe Davys.

Sabia que era ele, pois hoje à tarde nós trocamos algumas mensagens, mas me esqueci de adiciona-lo a agenda do meu celular. Sua primeira mensagem chegou ás 16h00...

Desconhecido: Ansiosa para hoje à noite?

Nem precisei pensar para respondê-lo..

Emma Smith: Claro que estou, nunca fui a uma festa no Granni's.

Óbvio que isso não era verdade, o que mais me deixava (excitada) ansiosa era sair com Joe. Ficaria feliz até se ele me convidasse para ir ao lixão, mas não ia deixar isso na cara. Após alguns minutos ele me respondeu.

Desconhecido: Ai, essa doeu. Então você só esta me usando, senhorita Smith?

Ri discretamente de sua resposta, olhei para os lados para ter certeza de que meu chefe não estava por perto e o respondi.

Emma Smith: Bem, se isso significar café e muffins de graça por toda vida acho que estou sim, senhor Davys.

Imediatamente ele me respondeu.

Desconhecido: Hmm.. mas você só quer isso de mim, senhorita Smith? 

Claro que não, estava querendo outras coisas meio indevidas para se escrever por mensagem de texto. Então me fiz de inocente e respondi.

Emma Smith: Não tenho culpa se o seu café e seus bolinhos são os melhores da região! Tenho que me aproveitar disso.

Desconhecido: Sim, mas eu possuo outras coisas que são as melhores da região. Você pode se aproveitar delas também se quiser ...

Ai ai, Joe, Joe..

Pode ter certeza que eu sei meu querido. Ele era bem simpático e discreto, mas já "corriam" boatos pelo bairro sobre seus relacionamentos e paqueras. Diziam que na adolescência era mais agitado, mas que Joe nunca foi um canalha com suas parceiras, sempre era muito carinhoso e cavalheiro. Também tinham outros boatos por ai que falavam de sua GRANDE pessoa, se é que você me entende...

Emma Smith: Hmm.. esta tentando me seduzir, senhor Davys?

Desconhecido: Você que me diz senhorita Smith, esta funcionando?

Essa tinha sido sua última mensagem, antes é claro de eu receber esta agora. Ele não só me deu um bolo como me trocou pela Kate?! QUAL É O PROBLEMA DOS HOMENS?

O que mais me irrita não é nem não poder sair com Joe, ter a chance de usar pela primeira vez minha perseguida (que até então nunca foi devidamente "perseguida"), ser abraçada por aqueles braços fortes, pele bronzeada, arranhar aquelas costas firmes e largas, ai e aquele cabelo.. 

TUDO BEM, ESSA PARTE ME DEIXA MUITO, MUITO PUTA! Mas Kate? Sério?! Esperava mais de você Joe Davys.

Depois disso acho que vou ficar mais um tempo aqui na empresa. Ainda não quero voltar para o lar  e José, o porteiro, sempre me avisa quando vai fechar tudo. Algumas vezes ele até me acompanha até o ponto, diz que é perigoso uma moça como eu andar por ai a noite. 

Sei que não sou horrorosa, mas também não sou uma deusa. Meus cabelos são da cor castanho escuro, quase preto. Meus olhos são da cor verde escuro estranha, próximo ao verde musgo. Por fim tenho 1.70 de altura e peitos demais, isso não é um ponto positivo considerando que isso faz com que meu corpo seja totalmente desproporcional.

Já que não iria sair com Joe e estava cedo para ir embora decidi ir ao 12º andar, onde fica a melhor máquina de café do mundo que falei. Deixei minhas coisas em minha mesa e subi. Quando o elevador abriu me surpreendi com o que vi. O andar inteiro estava aceso como se todos os funcionários estivessem trabalhando ainda. Fui direto á cozinha, peguei um copo e apertei o botão cappuccino.

Sem sucesso.

A máquina parecia estática, não mexia e nem fazia nenhum som. Nada.

Juntei toda a minha raiva acumulada do dia como ter me atrasado (de novo) para o trabalho, ter rasgado minha meia preferida no caminho (caminho este que eu fiz, só para frisar, A PÉ E DE SALTO ALTO!), receber o esporro do Senhor Maxon, o toco que recebi do Joe sendo trocada por Kate, e comecei a dar tapas na máquina.

Dar tapas é eufemismo comparado ao que eu estava fazendo, depois de uns segundos comecei a espanca-la mesmo. Estava dando uma boa lição naquela maldita, escrota e estupida máquina de café quando ouvi alguém parar atrás de mim.

- O que a que a máquina lhe fez para trata-la tão mal assim?  - disse um homem com voz grave atrás de mim.

E como se estivesse sido pega em flagrante fazendo algo estúpido, o que eu estava fazendo mesmo, gelei. 

Obrigada por ler meu livro! Agradeço do fundo do coração :D

Sempre sua Luce  (COMPLETO)Leia esta história GRATUITAMENTE!