Prólogo

1.9K 180 117
                                    

Dando-se impulso, príncipe Louis Tomlinson alteou vagamente o tronco e transpos  sua perna direita por cima do cavalo,  desmontando do animal e saltando no chão com seus dois pés firmes. As botas se chocaram contra o gramado e vagamente seus olhos azuis percorreram o local aberto em busca de uma bela moça com cabelos escuros e longos.

Ao longe pode deslumbrar a presença da garota em meio ao bosque. Lily corria entre as árvores e os arbustos ao mesmo tempo em que segurava firme seu longo vestido e sua capa em um tom forte de azul com o desígnio de não tropeçar com seus pés ágeis no tecido caro de suas vestes.

Seu extenso cabelo esvoaçante havia se desenlaçado do coque impecável visto no topo de sua cabeça minutos atrás pelo primo que a repreendia em sua mente.

Agarrando firme as rédeas do seu cavalo, Louis reorientou sua atenção para o equino e balançou a cabeça em um sinal negativo.

— Lily terá problemas. — comunicou a Bruce que  balbuciava algo incompreendido por sua pessoa — E nós também, meu caro. — sua atenção se desprendeu do animal, voltando-se para sua prima que se aproximava com cautela do lago, mergulhando seus pés na água escura e fria — Eu deveria estar cuidando dela. — um suspiro sofrêgo escapou lentamente por entre seus lábios finos e avermelhados — Como eu poderia? Lily possui um espírito livre, incapaz de ser domado.

Seu olhar capturou um movimento estranho e suspeito próximo aos arbustos e imediatamente o príncipe amarrou a corda em volta de um galho de árvore, pegando seu arco, carregando-o consigo. Acariciou o pelo macio e preto de Bruce, antes de se afastar do animal, forçando seus pés a se moverem na direção de Lily que permanecia na beira do lago, arremessando pedrinhas dentro do mesmo.

Um figura desconhecida surge acercado a princesa, trajando roupas escuras e mundanas.
Louis aligeirou seus passos conforme o corpo esguio e seguramente perigoso se aproxima da futura rainha.

Em alerta, levou uma das mãos até a parte de trás do seu corpo, agarrando firme uma das flechas e a posicionando entre o arco, mirando na perna do desordeiro.

Príncipe Louis lançou a flecha com firmeza, resmungando ao notar que a mesma atingiu um amontoado de terra próximo as botas do desconhecido que imediatamente direcionou seu olhar a ele.

— Maldição! — resmungou o de olhos azuis, disparando-me na direção da princesa no intuito de protegê-la do marginal — Afaste-se! — ordenou posicionando-se entre os dois.

— Vossa alteza. — uma voz rouca e grave ressoou do desconhecido. Os olhos de Louis se estreitaram quando o desordeiro se inclinou, reverenciando — Devo dizer que o senhor tem uma péssima mira.

— Mas sei bem como usar uma espada. — retirou o objeto cortante da bainha em sua cintura, apontando para o o homem desconhecido que retirava seu capuz, revelando cabelos castanhos com cachos perfeitos que deslizam por sua nuca em uma bagunça estranhamente cativante — Não tenho medo de usá-la.

O rapaz de cachos suspirou e passou uma das mãos pelo cabelo, logo antes de seus olhos, muito verdes, lançarem um olhar em direção a Tomlinson.

— Acalme-se, isso não será necessário. — um gesto de rendição é feito por suas mãos cobertas por luvas pretas. O tecido que cobre boa parte do seu rosto é retirado e um vinco se forma entre as sobrancelhas do de olhos azuis. Ele nunca havia visto bandidos como esse durante seus dezenove anos — Estava apenas me aproximando da princesa para conversar.

— Louis, esse rapaz é um velho conhecido. — a voz doce e aveludada de Lily soa baixinha. Seus olhos castanhos observam a situação em que se encontra — Fique calmo!

— Está se envolvendo com mundanos agora? — esbraveja o príncipe irritado pela insolência da prima — Não vê? Esse delinquente iria roubar suas jóias.

— Com todo respeito vossa alteza, está me ofendendo. — um sorriso ladino curva os lábios cheios e úmidos do mais alto — Não sabia que se tratava da princesa. Eu jamais a roubaria.

— Isso não o faz menos sujo. — segura firme o cabo da espada, mantendo-a apontada para o peito do rapaz de olhos verdes — Um ladrão nunca deixará de ser ladrão.

— Quanto ódio direcionado a minha pessoa. — sua expressão de falsa chateação deixa o de olhos azuis ainda mais irritado — Eu já lhe disse, estou em paz. — suspira pesadamente no intuito de o convencer — Estava apenas observando aos arredores. E devo lhe alertar que o senhor está indo muito mal no tiro ao alvo.

— Estava me observando? — o rapaz de olhos verdes assente como se fosse uma revelação irrelevante, causando um estímulo nos nervos do mais baixo — Irei comunicar aos guardas agora mesmo. Isso é inadmissível!

— Louis, não é necessário esse alarde todo. — Lily intervém — Harry é um amigo.

— Amigo? — abaixa a espada, virando-se para a princesa sem desfazer sua expressão incrédula — Ele rouba pessoas, é um bêbado imundo e desprezível. Deve ser julgado por tais atos profanos e pecados mortais. Está a corrompendo.

— Vossa alteza possui um vocabulário excêntrico. — a voz rouca e lenta do rebelde soa novamente — Bom, notei que monta muito bem.

— Como é?

— Podemos fazer uma troca, vossa alteza me ensina a montar e eu lhe ensino como usar um arco e flecha de maneira correta.

Louis entreabre sua boca, sem saber ao certo o que dizer. A verdade é que o príncipe não acredita na petulância do desordeiro.

— Não careço da ajuda de um ladrão. — Tomlinson volta sua atenção para a futura rainha — Vamos entrar, Lily. Não é seguro ficar por aqui quando se têm ladrões aos arredores do castelo.

— Pelo visto o que discursam pelo povoado sobre o príncipe ser hospitaleiro, gentil e educado não passa de calúnias. — o desordeiro Harry profere devagar, atraindo a atenção do príncipe para si novamente — Devo dizer que esperava mais do senhor, vossa alteza.

— Chamarei os guardas para que o prenda nas masmorras. — Tomlinson caminha na direção de Harry, avaliando-o de cima a baixo com uma expressão descontente — Desejo não vislumbrar seu rosto outra vez.

— Uma pena! — o rebelde balança sua cabeça em sinal de descontentamento — Ao contrário do senhor, eu desejaria observá-lo montar mais algumas vezes. Eu diria que é uma bela cena para se apreciar com devotamento.

Beyond this life (l.s)Onde histórias criam vida. Descubra agora