Capítulo II

2.8K 238 38
                                              

   Depois de comer alguma coisa, Sirius decide iniciar uma conversa.

_ Quantos anos você tem?

_13, faço aniversário 31 de julho.

_ No mesmo dia que meu afilhado, Harry Potter, ele e a amiga dele me salvaram de levar um beijo dos dementadores.

_ Dementadores!? _ Ela iria perguntar sobre Harry mas a última informação a havia chocado.

_ Sim _ diz Sirius num tom envergonhado _ Fiquei preso em Azkaban durante todos esses 12 anos por um crime que não cometi.

_ Do que foi acusado?

_ Entregar meu melhor amigo ao Lorde das Trevas e matar 13 pessoas.

_ E quem fez isso com o senhor?_ diz Lizzie com a curiosidade desperta.

_ Me chame de “você”, ajuda a imaginar que ainda sou jovem. E quem fez isso comigo foi um homem que pensei que fosse um amigo, Pedro...

_ Pettigrew.

_ É, como sabia ?

   Então, Lizzie faz sinal para ele esperar onde estava e subiu as escadas com rapidez. Voltou com uns 3 cadernos na mão.

_ Sempre achei a lealdade dele desesperada, esse tipo de gente não é confiável. _disse entregando-os a Sirius.

_ “O diário de aventura dos marotos”_ Ele leu em voz alta _ Todos os três _ seus olhos brilhavam enquanto folheava as páginas de um dos diários.

_ Tudo que sei sobre o senho—você, li aí. _ Ela aponta para os cadernos surrados no qual Sirius, James, Remo e Pedro escreviam suas peripécias vividas em Hogwarts.

_ Eu achei que eles estavam com James... Mas estou feliz que ficou aqui e que você sabe da minha melhor versão. _ Ele diz sorrindo, ainda com os olhos fixos no caderno .

_ Tem mais alguma coisa que você quer saber _ Diz Lizzie bocejando e tentando desfaçar o cansaço.

_ Tem... Sua mãe, Josie, onde ela está?

_ Ela morreu a muito tempo.

_ Há quanto tempo? _ Sirius fala tentando desfaçar a tristeza no rosto olhando pra baixo.

_ Bem... Eu só a conheço pelas coisas que me deixou, ela morreu quando eu tinha 1 ano.

_ Mas quem te criou? Como veio parar aqui? O que ela te deixou?

_ Uma coisa de cada vez, por favor. _diz Lizzie repreendendo a ansiedade de seu pai _ Monstro me trouxe pra cá e me criou. Ela me deixou cartas, fotos e um vídeo cassete, vou pegar pra você.

   Mas dessa vez Sirius quis ir com ela e ficou contente em perceber que o quarto de sua filha era o seu antigo quarto. Elizabeth foi até o armário e pegou uma caixa de cor amarelo-canário e colocou sobre a cama enquanto seu pai a observava na porta.

_ Entre! Eu vou ligar o vídeo para passar a fita pra você. Aqui sempre fica bagunçado, não repare _ Para ela poderia parecer desarrumado mas para Sirius parecia um pedaço do paraíso : ferramentas espalhadas pelo quarto, livros de magia sob uma mesa de canto, desenhos e cálculos na escrivaninha, uma vitrola e discos de vinil próximo a cama, um vídeo cassete e uma pequenina televisão ligadas a uma caixa preta.

_ O que é isso? _ Ele diz apontando para a caixa preta.

_ É uma bateria de carro trouxa, ela liga a televisão.

_ Como conseguiu isso ?

_ Eu fiz. _ Nisso, Sirius deixou escapar um “uau” e Lizzie se enche de orgulho.

   Ela colocou o vídeo para rodar, deitou na cama e convidou Sirius a se sentar.

_ Eu já vi esse filme várias vezes, então fique a vontade. _ então seu pai se sentou na beirada da cama e o vídeo começou.

“ Muito bem, parece que está gravando” disse uma mulher muito bonita, com os cabelos dourados e olhos cor de mel que eram tão vibrantes que parecia amarelo, ela estava ajustando a câmera em um lugar para ela ficar em pé. “ Olá Josie e Elizabeth do futuro! hoje é dia 31 de abril de 1991 e você está fazendo 9 meses! ” Josie diz se referindo a um bebê no seu colo. “Mas como você é uma bebê muito dorminhoca, não conseguiu ficar acordada nem pro seu próprio vídeo” e sorrindo coloca a criança no berço do lado do sofá onde estava. “Bem querida, você é uma garotinha muito especial, tem poderes além do que pode imaginar. É muito parecida comigo mas do seu próprio jeito.” Ela diz para a câmera. “ Eu quero que você saiba que é muito amada” os olhos de Josie na filmagem estavam cheios d’água assim como os de Sirius do lado de fora, assistindo. “ E Sirius...” ao ouvir aquilo Sirius aguçou a concentração . “Venha me visitar quando puder... Monstro sabe onde me encontrar...”   

   Então a fita, sem mais nem menos, acaba. Sirius, que não via seu amor de juventude a anos e muito menos ouvia sua voz, estava emocionado, lágrimas grossas escorriam pelo seu rosto e um sorriso jovem deixava evidente o tanto que ele precisava disso.  

   Mas ao olhar Lizzie a procura da sua reação, viu que ela estava dormindo tranquilamente, e ele não fez nada menos que cobri-la com um edredom até o pescoço e ir dormir, já que na manhã seguinte ele iria procurar por Monstro.

Elizabeth Black - A herdeira BlackOnde as histórias ganham vida. Descobre agora