MINHA GAROTA DE PROGRAMA

65K 695 373
                                    

Num dia quente de verão, enquanto eu e meu marido estávamos vendo um vídeo pornô, ele comentou no momento em que duas mulheres faziam sexo com um homem:

— Que delícia! Meu sonho é fazer um ménage com você e outra mulher, amor!

— Acho excitante assistir, mas não sei se teria coragem...

— Acho que você teria sim, Elisa! Você bem que poderia pensar sobre isso!

— Não sei... Além do mais, eu ficaria com ciúmes de ver você transando com outra mulher!

— Então, eu poderia ficar de voyer! Já ficaria satisfeito em vê-la com uma mulher... Ou então poderia transar só com você!

Na ocasião, eu apenas ri e continuamos vendo o vídeo que inspirou um sexo quente entre nós.

Passaram-se os dias e a vontade de realizar a fantasia do meu marido, mistura à curiosidade de ficar com uma mulher, não me saiu da cabeça. Numa sexta-feira qualquer, cheguei em casa mais cedo e corri para ligar meu notebook. Finalmente, tomei coragem para pesquisar sites de garotas de programas, porque se fosse colocar outra pessoa dentro da relação íntima com meu marido, teria quer uma completa desconhecida.

Após muita procura, de repente, me deparei com a única garota que me interessou. Seu nome era Esther e ela era simplesmente maravilhosa! Tinha longos cabelos castanhos com discretas mechas loiras, olhos azuis, uma sobrancelha bem desenhada, um nariz pequeno e afilado e os lábios carnudos. Além de linda, era muito gostosa: pernas torneadas, seios médios sem silicone, barriga quase formando um tanquinho e, para completar, tinha uma pele bronzeada de sol.

Quando meu marido chegou, eu estava deitada na cama com o notebook em cima das pernas, lendo alguns e-mails de trabalho, mas tinha deixado aberta a página do site de acompanhantes. Depois que ele terminou o banho, falei:

— Amor, vem aqui. Quero te mostrar uma coisa.

Ele se aproximou e olhou para a tela. Lá estava a foto de Esther de biquíni. Observando sua reação, perguntei maliciosa:

— Você gostou dela?

A fisionomia dele estava incrédula. Então, repeti a pergunta:

— Você gostou dela, amor? Fala!

Encarando-me com o semblante empolgado, ele finalmente indagou:

— Jura que você vai fazer isso?

— Estou pensando ainda... não se empolgue! Se rolar mesmo, você será apenas voyer!

— Sem problemas! Gostei muito dela! E parece que você também, né?

— Foi a que mais me interessou... Se eu for realmente transar com uma mulher, vai ter que ser ela!

— Faça como você quiser, meu amor! Você quem manda!

Dois dias se passaram até eu criar coragem de enviar um e-mail para Esther, perguntando como se realizava o programa. Especifiquei que era um programa com uma mulher, no entanto, o marido iria assistir. Menos de uma hora depois, ela me respondeu dizendo que o valor do programa era R$800,00 a hora. Informou que tinha local próprio, mas poderia ser em lugar diverso, se assim o cliente desejasse, mas o custo seria por conta do contratante. Sexta, sábado e domingo eram os dias em que ela trabalhava. E, por fim, ela informou que não beijava na boca.

Sem pensar muito, contratei-a para o sábado seguinte e pedi que ela nos encontrasse no nosso apartamento às 20h. Estando em um ambiente familiar, talvez eu me sentiria mais à vontade. Assim que cheguei em casa, falei sobre a novidade para meu marido, que ficou simplesmente em êxtase e passamos o resto da semana ansiosos!

CONTOS ERÓTICOS LÉSBICOS - Livro IIIOnde as histórias ganham vida. Descobre agora