4 - Encontro

11 2 47
                                                  

ALERTA: neste capítulo, há um episódio de inundação. se isto te causa ansiedade, proceda com cautela

_______________

_______________

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Daniel

Teve uma manhã de março em que fomos pra escola debaixo de um tempo horroroso. Desde o começo do ano, o clima estava meio doido, com chuvas torrenciais de vez em quando que davam medo às vezes, mas naquela manhã, só estava cinza, ainda não tinha chovido apesar dos alertas de ciclone vindo do sul. A gente meio que não deu confiança que chegaria em SP, mas estava tão cinza que ainda parecia noite, como quando aconteceram as queimadas, as pessoas diziam. Eu não era capaz de opinar, porque foi quando a gente ainda não tinha voltado pro Brasil, só vi as fotos, mas era a principal suspeita, inclusive, como insistiam os radialistas que ouvimos a caminho da escola, especulando sobre algo maior.

Surpreendentemente, mesmo com aquele céu de meia noite, até tinha bastante gente na escola. Era terça e minha turma tinha aula de inglês no segundo período. Eu tinha decorado a grade do meu pai também, um hábito de outros verões, e sabia que ele estaria com uma turma do 6° ano naquele horário, mas do jeito que o céu estava, não acho que ele levaria os alunos pro campo.

A cada minuto que passava, parecia que a tempestade estava mais e mais próxima.

— Daniel, Wanessa. — O professor chamou, me fazendo desviar a atenção que estava para o mundo lá fora. Eu tinha escolhido este lugar à janela só por causa da vista. O teacher estava segurando duas canetas de quadro como se oferecesse para nós. — Vocês podem escrever como se apresentariam aqui no quadro? Mencionem todos os pontos que eu marquei aqui.

Fiz que sim com a cabeça e levantei, Wanessa fez o mesmo. Fomos para a frente da sala e cada um pegou uma das canetas que o professor oferecia. Olhei a lista que ele tinha posto no canto do quadro de novo antes de começar a escrever. Nome, idade, aniversário, nome dos pais; série, matéria preferida, o que quer ser quando crescer.

— Qual o contexto desta apresentação? — Perguntei, só pra saber qual tom deveria usar.

— Hm... — Respondeu o professor, como se não tivesse pensado naquele detalhe. — Como se tivesse acabado de mudar de escola e precisasse se apresentar para novos colegas, ou como se estivesse escrevendo uma carta pra alguém da sua idade. É com gente assim que vocês mais conversariam, não?

Isso nem era coisa que se fazia em escola do Brasil, mas como era aula de inglês eu até entendia que isso fosse exercício. Ele queria nos preparar para um futuro hipotético talvez, sei lá, a intenção era boa. Nessa e eu trocamos um olhar e depois aquiescemos para o professor. Comecei a escrever.

Hi, my name is Daniel Lacerda and I'm 15. I was born on August 31 and my dad's name is Hugo. I don't have a mom, but dad's family is big and it's alright. I'm in 10th grade, and my favorite normal subject is math, but what I truly like to learn is music. When I grow up, I want t

As coisas que nos escolhemOnde as histórias ganham vida. Descobre agora