30. Repair

New York, Brooklyn, The Bronx — West — 2014, 17h45

Point Of View Justin Bieber

Estar debaixo daquelas luzes novamente me fez se sentir em casa. Nós colocamos toda a conversa em dia, sobre como andava o Bronx, as nossas paradas e, bem, eu mantive de fora a parte em que pergunto como está a garota que bagunçou minha cabeça até mesmo dentro da cadeia.

Também contei sobre Raymond, e suas conversas camuflando as propostas das quais eu já havia entendido. Pensei em quanto eu poderia ganhar com isso, não era uma má ideia, e talvez eles também aceitassem, porém eu sabia da única pessoa que não toparia essa ideia de cara.

Como se fizesse alguma diferença.

— Lucy deve estar reclamando por você não ter passado em casa primeiro. — disse Xavier ao meu lado naquele balcão.

— Eu passo lá amanhã. — dei de ombros.

— Aí, que tal uma festinha? — Khalil sugeriu. — Lucy tem ido a aquele apartamento varias vezes para cuidar, então dá para levar umas gatinhas lá hoje, uh?

Eu dei de ombros, como se assentisse.

Porém, Khalil estreitou os olhos confusos para mim, e eu desviei para outro canto.

Que porra eu estava fazendo?

Aquela merda de ressentimento dentro de mim tinha que ser jogado fora. Não era nem mesmo eu quem tinha feito toda a merda agora. Era a vadia da Brooke. Minhas sobrancelhas se uniram apenas por lembrar. Eu poderia enchê-la de tapas agora.

E depois, mataria aquele filho da puta.

Eu não consegui ficar completamente calmo depois que Brooke foi embora, na sua última visita ao presídio, eu sabia que tinha alguma coisa acontecendo, e o que me deixava inquieto era não saber se eu deveria me preocupar ou não.

Ela não diria na minha cara que não estava saindo com Andrew, não depois de eu xingá-la, eu até mesmo tentei ser "doce" para conseguir as respostas, mas estava se tratando de Brooke.

Ela é um caso muito complicado.

E ainda foi embora sem me dar as satisfações, tendo os policiais me impedindo de segurá-la. Eu me meti em brigas com presidiários depois, descontando a raiva, acabei ficando na solitária outra vez, e quando sai, Raymond tentou conversar comigo.

Eu não quis ouvi-lo também.

— Bem, eu não sei cara. — disse Lil Za em resposta.

Khalil franziu as sobrancelhas, curioso.

— Aí, que porra tá acontecendo com vocês? — exigiu. — Justin, por acaso te foderam na cadeia e você gostou?

Enruguei o cenho.

— Como é que é?

— Tem um bando de putas deliciosas querendo matar a saudade e você vai recuar? — continuou.

— Eu não disse que iria recuar.

— Eu também não, é só que... — Za se interrompeu, olhando para baixo. Depois estalou a língua. — Esquece, cadê as garotas? — sorriu.

— Essa incerteza é só porque Atifa voltou?

— Atifa voltou? — eu perguntei.

Khalil assentiu.

Wild LifeLeia esta história GRATUITAMENTE!