-SEB!!! ACORDA!- oiço a minha irmã a gritar ao meu ouvido.

-Deixa-me dormir Ali!- tapei a cabeça com a almofada.

-Levanta-te! Ahhhhhh porquê és tão preguiçoso?- ela tira me a almofada.

-Só mais cinco minutos!- tapei a cabeça desta vez com os lençóis.

-Não não! Sabes que dia é hoje?-ela puxou os lençóis para trás.

-Dia de me deixares dormir?-perguntei com esperança que ela saísse do meu quarto.

-Não! Hoje é véspera de Natal! Vamos receber presentes!- saltou em cima de mim e da minha cama.

-Mas isso é só à noite…

-Pois é! Ihhhh tou tão ansiosa! Levanta-te!- disse ela tentando ser autoritária.

-Ok ok eu vou levantar-me, mas primeiro tens de dizer que eu sou o melhor irmão do mundo!

-Quanto pagas?

-Ahahah deixa-me pensar.. hum.. NADA!

-Então não digo- disse ela cruzando os braços.

-Então não me levanto!- voltei a tapar-me e a fingir que estava a dormir.

-Seb! Eu sei que não estás a dormir! Seb? Responde-me!Pronto… és o melhor irmão do mundo.

Levantei-me e fui abraça-la. Com aqueles abraços super fortes e super apertados que ela odeia.

O dia passou-se comigo e com a Ali a ajudarmos a nossa mãe a fazer o jantar e a embrulhar algumas prendas. E como esperava o meu pai não apareceu.

-Filha come devagar, ainda te engasgas amor.- Falou a minha mãe para a minha irmã.

-Não te preocupes mãe! Quanto mais rápido eu comer mais rápido nós vamos abrir os presentes todos juntos!- falou de boca cheia.

Eu queria dizer alguma coisa à minha irmã mas a única coisa que eu consegui fazer foi rir, ela é uma criança tão apressada, cheia de energia, cheia de alegria. Faz-me lembrar quando eu era mais novo, eu e o Barry, eramos tão irrequietos. Não consigo deixar de olhar para ela com amor, com orgulho, ela é a melhor parte de mim.

-Já acabaram de jantar?- perguntou pela milésima vez.

-Sim.- eu e a minha mãe respondemos ao mesmo tempo.

-Yey! – correu até à arvore de Natal.

Já estávamos os três sentados à roda da árvore e dos presentes.

-Então Ali, porque não abres nenhum presente?- perguntou-lhe a minha mãe.

-Porque falta o pai.- falou a minha irmã triste a olhar para a porta.

-oh querida, o pai deve estar a trabalhar, ele não deve conseguir vir.

-Mesmo que conseguisse ele não vinha…-falei baixo sem que ninguém tivesse ouvido.

-Mas o pai tem de vir! É Natal mãe…- falou desiludida.

-O pai deve chegar mais tarde… vamos mas é abrir os presentes!- fiz-lhe uma cócega tentando anima-la.

Peguei em dois embrulhos e dei um à minha mãe e outro a minha irmã.

-Espero que gostem. Não tinha muito dinheiro para comprar muita coisa por isso comprei só uma lembrança.

A minha irmã rasgou logo o papel de embrulho vendo o que estava lá dentro.

-NÃO ACREDITO! Olha mãe a boneca que eu queria, obrigada mano!- saltou para cima de mim abraçando-me.

A minha mãe abriu o dela em seguida mostrando o presente.

-Obrigada Sebastian, os brincos são lindos. Não era preciso gastares tanto dinheiro filho.

-Eu tenho andado a poupar à uns meses .

Depois foi a vez da minha mãe dar os presentes. À Ali ofereceu um vestido cor-de-rosa que ela tanto amava e a mim uma camisola de lã.

A Ali agradeceu e foi para o seu quarto. Reparei que ela não estava muito bem, aquela criança cheia de energia e de alegria tinha desaparecido e tenho a certeza que foi por causa do meu pai. Subi as escadas e decidi ir lá falar com ela.

-Ali posso entrar?- perguntei abrindo a porta.

-Sim…- falou ela com voz de choro.

-Ali! Estás a chorar? o que se passa princesa?-sentei-me ao lado dela na cama.

-O pai já não me ama mais?

-O quê? Que pergunta é essa Ali, claro que ama.- disse mexendo-lhe no cabelo.

-Então porquê ele não apareceu hoje ao jantar? Eu pensava que ele vinha, era por isso que estava ansiosa. Também era pelos presentes mas era mais por estarmos todos juntos. -desabafou chorando ainda mais.

-Por ele não ter aparecido não quer dizer que ele não te ama Ali. Não tenho a certeza o porquê de ele não ter vindo, mas sabes do que eu tenho a certeza?

-Não.. do quê?-olho para mim com aqueles olhos cheios de lágrimas.

-Que eu te amo muito. Mas não é muito pouco é muito muito. E que o pai e a mãe te amam muito também. –limpei-lhe algumas lágrimas.

-Também te amo muito Seb.

-E sabes que mais? Ele é que perdeu esta linda noite, ele é que devia estar triste, não tu. Por isso quero ver um sorriso nessa carinha!-fiz-lhe cócegas.

-Ahahah cócegas não vale!

Não acredito como o meu pai foi capaz de fazer isto. Não o vou perdoar, a Ali não merece. Ela acabou por adormecer agarrada a mim e eu como não queria acorda-la fiquei com ela perdido nos meus pensamentos.

Olá!  Está aqui mais um capitulo :) espero que gostem! Agora que a escola começou vai ser mais complicado publicar mas vou fazer os possíveis e os impossíveis para publicar mais capítulos. beijinhos :p

Don't let me goLeia esta história GRATUITAMENTE!