Os dois lados da moeda.

25 1 0

Capítulo 1 - Parte 1

 “Alguém à espreita”

A Noite cai em Honfleur, Cidade da Normandia ao norte da França.

- Não!!!

 Um grito reprimido na garganta, ele ainda sente a dor física daquela visão macabra, o coração aperta e sofre tão intensamente como se vivesse o horror de ser transpassado, o sono fora interrompido pela viva memória do assassinato. Os olhos arregalados, o coração querendo sair pela boca, o suor escorrendo na testa, mãos espremidas e tensionadas e a nítida sensação de inquietação, ele não poderia nunca mais dormir como antes, os remédios já não respondiam e estar ali naquela casa sozinho tinha passado a ser um teste de sanidade. Adolf se sente sufocado, tenta desacelerar a respiração reorganizando os pensamentos, então repete em voz alta:

 - Apenas um pesadelo Adolf, apenas um pesadelo.

Quem sabe uma volta pela cidade não oxigenasse o cérebro. O bar, bebidas versos amigos, mulheres e papo furado, era tudo o que ele precisava para se sentir seguro novamente, sempre foi assim, porque justo agora tentaria fazer diferente. Para que se manter sóbrio? Para quem? Não havia mais ninguém que pudesse se interessar em reconhecer seu esforço de se tornar um homem melhor.

 Ultrapassando a porta de entrada do bar Adolf avistou Hendi, seu amigo desde pequeno, se existia uma pessoa ali em quem podia confiar era nele, Hendi era um cara bacana, tinha lá seus 50 e poucos anos, corpo gordinho e um belíssimo par de olhos azuis tão cativantes que você poderia lhe contar toda sua vida sem ao menos saber quem ele era, sabe aquela pessoa que a gente gosta logo de cara? Exatamente o velho Hendi, bom em conselhos, as vezes fazia papel de pai de muitos outros homens confusos que frequentavam o local, suas palavras sempre eram sábias, sensatas e reconfortantes, Honfleur não precisaria de psicólogos se todos o conhecessem... Adolf se dirige ao balcão e se escora sobre ele, pede uma dose de uísque e somente acena para o amigo, afinal aquele dia a taverna estava cheia e não seria bom para os negócios o chamar para conversar, após pegar sua bebida ele passeia pelo salão, as mesas estavam alinhadas e milimetricamente arrumadas como sempre, Hendi não gostava de nada fora do lugar e exigia o mínimo de cuidado de seus frequentadores, se houvesse alguma marca de copo em suas mesas de madeira nobre ele faria qualquer um pagar um novo polimento, era carrancudo muitas vezes e sempre os alertava quanto a isso. Depois de passar a mão em seu apoiador ele se dirige ao fundo do bar, talvez ali sozinho teria algum tempo para se embebedar sem ser perturbado. A iluminação era em meia luz, alguns abajures pequenos espalhados em pontos estratégicos e diversas velas aromáticas compunham o ambiente, a música era calma e as pessoas pareciam não fazer tanto barulho como de costume. Era muito acolhedor ficar ali, na verdade a sensação era estranha, sempre que algo o perturbava e ele recorria ao local um tipo de paz o entorpecia mesmo antes dos infinitos copos de bebida que tomava.

  Aquele copo tinha mais pedras de gelo do que de costume e seria quase impossível não começar a rodá-los com os dedos, sua cabeça naquele dia era uma mistura de coisas, doía demais no centro, latejava nas têmporas e pressionava a base do seu pescoço, as vezes permanecer com ela ereta era um desafio e ele virava e mexia apoiava a testa em seu antebraço, em um destes movimentos contínuos, algo aconteceu, seu olho ficou estático e neste momento teve um flash de lembrança, no balcão aquela mulher o havia desconcertado, ele não podia ver seu rosto, mas as curvas do seu corpo estavam o deixando bem “animado”, ultimamente ele não ligava muito para as más línguas que com certeza estavam se movimentando atrás dele, ele queria se separar, não aguentava mais seu casamento e não teria a seu ver problema algum em conquistar alguém em público, afinal ele era o bonitão do pedaço e naquele dia estava com seu ego mais aflorado do que de costume. Verônica ultimamente não lhe despertava interesse então, trai-la não lhe causava remorsos, mesmo se ela implorasse para que as coisas voltassem a ser como antes, acredito que ele não daria ouvidos, a vida de moleque havia retornado e agora fazia parte de seu dia a dia novamente... Uma cadeira é jogada com força do outro lado do salão e Adolf estremece o corpo voltando a realidade, ele se levanta de impulso e tenta entender o que estava acontecendo, as vozes estavam altas demais e as pessoas sobressaltadas, mas pode perceber mesmo através de toda a bagunça que um grupo de homens vestidos de preto estavam colocando seus dedos imundos uns contra os outros. A discussão estava fora do controle e Adolf realmente não sabia o que fazer, sem pensar muito foi até o balcão passando através do pequeno portão que separava os empregados dos clientes, passou a mão em uma em uma faca antiga que fazia parte da decoração e se aproximou do aglomerado de pessoas, Hendi estava atordoado, então Adolf tomou a frente do amigo, ele não sabia o motivo daquilo tudo e nem quem tinha começado a confusão, na verdade isso para ele era o que menos importava, o que ele não queria era que perturbassem sua tentativa de paz. A coisa toda tomou uma proporção que ninguém poderia imaginar, um surto de cólera invadiu Adolf e ele partiu para cima do cara que parceria ter dois metros a mais que ele, com a faca em punho o ameaçou e olhou fundo nos seus olhos, havia algo estranho ali, eles pareciam cintilar e o branco começou a ficar vermelho... Adolf foi empurrado e arremessado sem saber como aquilo tinha acontecido, a situação para ele parecia estar sobre controle, afinal quem em sã consciência reagiria a uma arma em punho? Tudo aconteceu tão de repente que ele permaneceu no chão olhando para cima completamente atônito, muitos correram na direção dele o vendo levantar, não poderiam deixar que a briga se estendesse, após muitos gritos e ameaças de ambos os lados o clima pareceu se acalmar, mas somente após aqueles estranhos se retiraram do salão, porem em nenhum momento Adolf se afastou da faca, não sabia o que poderia vir ainda pela frente...

Marcados, um Negro Recomeço.Leia esta história GRATUITAMENTE!