2 - Conexão

11 2 36
                                                  


Daniel

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Daniel

— Bora, Dani! Bora, Dani! — Wanessa estimulou, passando por mim pela segunda vez enquanto eu ainda estava na primeira volta ao redor do campo. Eu odiava muito correr, vocês não têm ideia. Nunca na minha vida esporte foi meu forte.

Gesticulei de qualquer jeito em resposta pra ela e continuei no meu passo de morto-vivo que eu ganhava mais. Afinal, não estávamos competindo, meu pai só queria ver que tipo de atleticidade nós tínhamos — e ele conhecia muito bem o meu.

— Liga pra ela não. — Nathy falou, passando a correr ao meu lado. Deu pra ver que ela teve que diminuir o ritmo consideravelmente para poder me acompanhar. Pelo que descobri ao longo da semana, ela era uma das atletas da turma. — A Nessa é meio exibida.

— Percebi. — Falei com certa dificuldade. Percebi, mas não me importava, pra ser honesto, porque a Nessa era legal.

Naquele momento, meu único sonho era deitar e tomar água, mas conheço meu pai tão bem quanto ele me conhece, eu não seria capaz de escapar tão facilmente. Era por isso que eu queria cair na turma com outro professor de EF, mas a sorte raramente fica ao meu favor nesse quesito.

— Bora, gente! Mais 5 minutos! — Meu pai anunciou, sua voz potente ecoando pelo campo, e fiz uma careta. Cinco minutos era uma eternidade.

— Eu vou morrer. — Disse. Ou acho que eu disse, porque fôlego era uma coisa que eu não sabia mais se existia. Pelo menos consegui completar a primeira volta na companhia de Nathy e comecei a segunda. Como que tinha um campo de futebol dentro da escola era um absurdo pra mim.

— Vai morrer não, calma. — Nathila respondeu me dando uma cotovelada de leve. Ela era tão miudinha que acabou cotovelando meu quadril. Se eu tivesse alguma força, teria dado uns tapinhas amigáveis na cabeça dela em resposta, mas como eu disse, eu estava morrendo. Já minha parceira de corrida parecia completamente de boa, porque ela continuou conversando. — O que você tá achando da escola? Quando eu mudei pra cá, achei tão estranho... especialmente as aulas de ciências. Você vai pegar alguma extra-curricular? Acho que vou continuar na ginástica.

Isso, ginástica. A coisa que explicava a atleticidade dela e também justificava sua altura. Eu tinha certeza que ela era cotada pra seleção — mesmo que ninguém tenha me dito isso. A melhor parte da Nathila é que ela fazia perguntas sem esperar respostas, então eu não precisava me concentrar em falar e correr ao mesmo tempo com ela por perto.

— Depois a gente pode comparar nossas grades pra ver se vamos ter algum extra-curricular em comum. — Ela continuou, já voltando a acelerar o passo. — As meninas e eu sempre tentamos pegar algo juntas.

Ela acenou gentil e passou a correr na frente de novo, e Hannah passou por mim também, assim como um monte de gente da nossa turma. Pareceu que levou mais ou menos pra sempre até o apito soar anunciando o final do exercício. Eu estava no lado do campo oposto à arquibancada e tinha completado impressionantes uma volta e meia; assim que pude parar de correr, parei, mãos no joelho pra tentar recuperar o fôlego.

As coisas que nos escolhemOnde as histórias ganham vida. Descobre agora