05 - UM NOVO RUMO

7 2 0
                                                  

É muito difícil lidar com essa coisa toda que está acontecendo. Parece até que o mundo virou de cabeça pra baixo. Ontem estava tudo bem, estava com minha família, meu jogo e meu tédio. Hoje, estou com uma mão quebrada, remendado, andando com dois estranhos e com duas espadas penduradas na minha cintura. Como se tudo isso não bastasse, ainda carrego um certo do peso das duas vidas que tirei.

"Espero que tenha pego coisa o suficiente. A caminhada até Girassol é um pouco longa. Coisa de dois dias, se pararmos apenas para refeições e de noite." – Falou Claire.

"É, acho que peguei o suficiente." – Afirmei.

Eles acharam melhor começar a caminhada logo. Ainda não estava claro, mas também não era mais noite. Eram por volta das 5h30 da manhã.

"Você ainda tá machucado, não quer uma gema da vida? Tenho algumas comigo aqui ainda. Sua mão não parece muito boa. Talvez a gema sirva para ossos também." – Marcus falou.

"Eu não sei se devo. Após comer aquelas gemas, me senti um pouco enfadado. Meio cansado mesmo. Eu havia acabado de acordar, estava até me sentindo bem, mas depois delas, me senti um pouco mais pesado. É possível que elas tenham tido alguma relação com isso." – Falei.

"Que elas geram algum efeito no organismo, é inegável. Não tem como algo melhorar um ferimento tão rápido assim sem afetar tanto o corpo." – Falou Claire com uma expressão pensativa.

Conversamos por um tempo, falando sobre as gemas e tudo que havia acontecido. Não chegamos a nada muito conclusivo. Eis que então, perguntei como eles souberam do que estava acontecendo e da relação disso tudo com o jogo. E como eles tinham armas, se as caixas com armas chegaram nas casas dos jogadores e eles mesmo haviam afirmado não estar em casa. Que saíram em peregrinação por todas as zonas. Não faz sentido eles estarem aqui em Lírio, sendo moradores de Petúnia e terem armas.

"Pensei que você nunca iria notar isso" – Falou Marcus com uma risadinha de canto de rosto.

"Como já havíamos dito antes, participamos de um grupo no Blade Master e treinamos também na vida real. Essas armas são simplesmente, nossas. Já tínhamos elas conosco enquanto andávamos por aí. Claramente possuímos licença para portá-las. Dessa forma, poderíamos praticar enquanto viajávamos." – Claire explicou enquanto mostrava sua pequena carteirinha de licença.

"Somos os líderes, como já dissemos, temos que estar sempre melhorando, não podemos deixar que os outros evoluam mais do que nós enquanto damos uma voltinha por aí." – Dessa vez, Marcus sorriu mais abertamente.

Aos poucos eu ia decifrando um pouco mais deles. O cara, parecia um verdadeiro samurai. Só que usava roupas mais modernas. Um grande sobretudo, sem capuz e de cor cinza. Uma camiseta preta. Calça de couro e uma bota. É consideravelmente alto, loiro e de boa aparência. Além disso, parece ser bastante descontraído. Ele aparenta ser um cara cativante, um bom amigo, provavelmente. Parece ter atingido a fase a adulta recentemente. Tem um rosto relativamente jovem, mas tem uma presença forte.

Já a garota parece ser um pouco diferente. Ela é muito bonita também, e igualmente loira. Pele bem branca. Se veste como ele, praticamente. Uma blusa preta colada, mas nada muito apertado. Parece o ponto certo entre estilo e conforto. Calça de couro, também junta ao corpo, com leves rasgos na perna direita. Parece ser do estilo da roupa mesmo. Olhos verdes, que parecem estar devorando quem os olha por muito tempo. Ela parece muito com ele, apesar de parecer mais nova um pouco. Só acho ela um pouco mais séria.

"Apesar de serem irmãos e muito parecidos fisicamente, não parecem ter muitas semelhanças no jeito de agir. Ele aparenta ser mais descontraído e solto que você." – Falei para Claire.

Blade MasterOnde as histórias ganham vida. Descobre agora