Capítulo 5 - A Ordem Mágica dos Românticos

110 5 0
                                    

Molhada, mais do que a primeira vez, Nora se levanta do raso lago. Era dia, o sol brilhava. Os pássaros anunciavam a vida...

Na beira do lago, Nora faz força para deixar a ribanceira e percebe que sua vida nunca mais seria a mesma. Ela se senta na beira do corpo hídrico e segurando os joelhos com os braços, abaixa a cabeça em prantos...

Começa então a elaborar um plano para sair daquele local. E recorda-se quando Dias se apresentou como membro da Ordem dos Românticos. A lembrança impulsiona o pouco ânimo que ainda vive em seu peito. Levanta-se e segue a mesma trilha pela qual havia percorrido com Ari no estranho sonho...

No mundo real, Ari, procura uma forma de reativar o portal. Para isso, volta rapidamente para a sua casa.

*escrito por Pedro 9°C

Já no seu quarto, começa a mexer desesperadamente no celular e percebe uma forma estranha na tela, como se a rachadura da película que protege a tela do aparelho formasse um símbolo, talvez uma figura desconhecida.

*escrito por Guinter 9ºC

E então, na internet, em um buscador qualquer, encontra um e-book que explicava o significados de diversas figuras potencialmente mágicas. E para ver qual o significado da figura estranha que tinha visto na tela do celular, passa página por página, com ajuda do mouse, e ao reconhecer a figura procura-a e chega até um site sobre magia negra. Como uma reação rápida, desliga o computador.

*escrito por Thomas 9ºC

Durante alguns minutos fica refletindo sobre aquela figura que lateja em sua mente. Rapidamente, liga o computador, volta até o site onde tinha visto a figura e sente curiosidade para saber mais sobre aquele macabro e abstrato sinal.

*escrito por Bruna 9ºC

Fazendo mais algumas buscas, descobre um site oculto, na deep web, que dizia que a tal figura misteriosa fazia parte de uma sociedade cujo líder se chamava Aleister Crowley. Ari não sabia quem era esse cara e que tipo de sociedade era essa, mas uma coisa tinha certeza: magia e bruxaria.

Então, Ari chamou seu amigo que mexia com bruxaria para lhe ajudar...

* escrito por Kahuan 9ºC

Ari Stocco pega o celular com uma das mãos e com a outra começa a trocar de roupa. O destino da saída de casa era encontrar seu amigo Guit, o bruxo. Ao trocar de camisa, vê que um de seus antebraços já estava com a marca impregnada e visivelmente anexa a seu sistema vital. Com as duas mãos no rosto se olha no espelho e grita:

-Estou amaldiçoado!

*escrito por Tiago 9ºC

Ao refletir sobre o bizarro fato, Ari lembra-se que a pouco tempo havia visto esse mesmo símbolo na biblioteca na sua cidade: Rio Claro. Uma misteriosa cidade do interior de São Paulo, que vangloriava-se de seus misteriosos túneis secretos e por ter sido fundada por uma tal de Sociedade do Bem Comum...

Esse símbolo estava em um livro antigo no Gabinete de Leitura, localizado em uma avenida par ( sim, a cidade era divida em ruas e avenidas numeradas). Ele já sabia que tradução daquele símbolo significava "aquele que porta magia" conforme o site. No momento Ari se assusta e corre para encontrar Guit em uma área abandonada na Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade.

* escrito por Renan Rodrigues 9ºF

O encontro foi marcado às 17:17. Ari não parava de pensar em Nora e aquele sentimento o agoniava enquanto esperava o bruxo.

Guit chega em uma Harley Davidson, roupas de couro pretas, cavanhaque preto, cabelo comprido preto, pele branca, tatuagens e símbolos contornam seus antebraços. Ele para a motocicleta e caminha até o local do encontro. Ari observava tudo a distância, já que estava encostado em uma cancela que era a entrada para uma pequena vila abandonada.

Poemas: Sociedade dos poetas uivantesOnde as histórias ganham vida. Descobre agora