Sina dormiu no meu peito depois de conversarmos muito sobre tudo e mais um pouco. A peguei no colo e a deixei em sua cama, mas antes que eu pudesse me afastar ela segurou minha mão.

- Você prometeu- sussurrou sem ao menos abrir os olhos.

Deitei cuidadosamente em cima dela e beijei seu rosto, seu ombro, seu braço, seu pescoço.

Eu estava viciado.

- Quando você começa a trabalhar?- me joguei ao seu lado e ela deitou com a barriga para cima.

- Na segunda. Temos o fim de semana para aproveitar- ela tinha planos para nós, não parecia mais ter medo de mim- podemos comprar uma vitrola...

- Ainda não- sorri- sei a hora certa de fazer isso, e estamos quase lá.

- O que vamos fazer amanhã?- ela estava lutando para ficar acordada, ri fraco ao perceber.

- Pode dormir baby- virei para ela e puxei sua cabeça para o meu peito- vou ficar aqui.

- Tudo bem- Sina suspirou.

"Eu te amo". Falei mentalmente, eu não queria que nada atrapalhasse aquele momento, então me segurei para não falar em voz alta. Mas aquilo tinha que mudar, se Sina tinha confiado em mim para me beijar, ela também teria que acreditar que o meu amor é diferente do antigo amor dela.

S I N A  D E I N E R T

Acordei no meu quarto e sozinha, Noah não estava em lugar nenhum. Era sábado, e ainda estava cedo. Saí do meu quarto e, morrendo de medo, abri devagar a porta do quarto da Any e do Josh só para ter certeza que eles haviam chegado. Depois que confirmei, passei no quarto de Alicia para ver se estava tudo bem.

Me arrumei rapidamente, peguei minha bolsa e saí de casa. Um Uber nunca demorou tanto para chegar, cada minuto que passava meu coração batia mais forte. Eu odiava me sentir daquele jeito, mas era inevitável. Quando cheguei no meu destino, bati na porta dele três vezes.

Eu estava ansiosa para vê-lo, para beijá-lo, para ouvir ele dizer qualquer coisa que fosse no meu ouvido.

Eu estava ferrada.

Então Noah abriu a porta, sem camisa, com o mesmo short do dia anterior e a carinha de sono. Eu definitivamente estava ferrada.

- Você disse que ia ficar- abracei meus próprios braços.

Noah riu, me puxou para dentro e saiu correndo. Poucos minutos depois ele voltou e me deu um beijo, segurando minha nuca me deixando mais perto dele. Ah, meu Deus, eu estou tão ferrada...

- Bom dia- ele sorriu contra os meus lábios, me afastei um pouco para poder ver seu rosto.

Era o sorriso mais bonito que eu já vi.

- Fiquei até você dormir, só fui embora quando meu irmão chegou, achei que você ia preferir ter seu espaço.

Sorri e o beijei de novo, eu não queria falar nada, mas eu queria que ele falasse. Sobre tudo, sobre seus sonhos, seus medos, seus planos, seus anseios, qualquer coisa.

Sem permissão, lágrimas começaram a correr pelo meu rosto, eu estava sentindo a dor antecipadamente, mas eu não queria parar. Noah tentou se afastar, mas eu não deixei. Quando ele conseguiu fazer o que queria, olhou no fundo dos meus olhos e sorriu.

Isso, sorria para mim.

- Ei, eu estou aqui, você não precisa carregar isso sozinha.

Ri fraco e limpei meu rosto, Noah passou o polegar por debaixo do meu olho e segurou meu rosto.

Behind the lights |HIATUS|Onde as histórias ganham vida. Descobre agora