3-ELA TE BATEU?

3.8K 199 109
                                    

Ja havia se passado 2 semanas, eu e jojo começamos a ficar, ela vinha todas as noite na minha casa, não pensávamos em namorar, estava cedo demais e além disso, eu gostava da ideia de ter alguém e não ter ninguém ao mesmo tempo.
Meu pai me acordou cedo hoje, vai me apresentar as faculdades que tem aqui perto, para eu escolher qual me matricular, sinceramente eu odeio, tantas regras me deixam zonza, as de Tokyo eram insuportáveis de tanta doutrina, ainda bem que era meu último semestre.

- coma tudo! - dizia meu pai me vendo separar as ervilhas do prato

- PAI?! pelo amor, eu não sou mais criança e não gosto de ervilhas - bati com força o garfo na mesa e cruzei os braços

ele soltou uma risadinha
- você quem diga né? por que ainda não me apresentou a garota? - olhou pra mim com cara de quem observava todos os meus passos e minha reação

gelei completamente "como ele sabia??" pensei pra mim mesma, minha garganta deu um nó e nem consegui olhar nos olhos dele

- ah... pai, como?...
- como eu sei? ah garota, eu ja tive a sua idade e bom, vcs são pouco barulhentas né? principalmente na hora da musica

Ai meu deus! meu pai ouvia tudo? que vergonha, bom, agora não tenho mais o que fazer ou esconder...

- ela... ela não é minha namorada, se é o que você esta pensando, só estamos ficando - sem olhar pra cara dele, peguei o garfo e enfiei a maior quantidade de ervilhas na boca, odiando o gosto mas eu faria de tudo pra acabar com aquela conversa

meu pai muito sarcástico, riu da minha cara como se não ligasse de eu esconder uma garota em casa todas as noites, pegou seu prato vazio da mesa e foi lavar

- termine logo isso campeã, temos uma ótima escola pra você ver hoje

revirei os olhos, com a ânsia mas engoli seco aquilo, logo tomei o resto do suco de laranja que estava em meu copo, levei até a pia e fui calçar meu all star amarelo, enquanto isso meu pai secava suas mãos no pano de louça e pegava uma pasta na mesa da cozinha
saímos em direção ao carro e meu celular vibra

* Lili...*
não demorei e logo respondi, era jojo

* bom dia, doidinha*

* bom dia! tenho uma notícia meio
chata*

me preocupei mas as vezes jojo fazia drama pra nada

* pode contar, estou no carro com meu pai, indo ver a facul grr*

*minha mãe descobriu, bom... ela ME descobriu...*

fiquei sem reação, não sabia o que fazer

*e o que aconteceu?!*

*bom, ela gritou, jogou pratos e copos na parede, me xingou, até disse que eu era uma vergonha pra família, disse que não me expulsaria de casa porque eu ajudo a pagar o aluguel, eu não quero mais continuar aqui Lilith, eu me sinto vigiada e completamente desconfortável, me ajuda a encontrar alguma coisa?*

li tudo e fiquei martelando tanto na minha cabeça aquela cena, que parecia que eu estava presente na hora, me doeu o coração porque lembrei de como a minha mãe agiu em relação a minha sexualidade e também... bom, aos meus brinquedos, rapidamente olhei para o meu pai

- pai? poderia mudar a rota? vai demorar só mais 5 min, tem algo que temos que fazer

meu pai ficou com um olhar confuso, mas ja ajeitou o gps

- coloque o endereço e por favor! me conte o que esta havendo

peguei o celular dele e adicionei o endereço, eu nunca fui a casa de joany mas eu sabia o endereço porque eu pedia sempre um uber pra ela, coloquei o celular no suporte grudado no vidro do carro e contei toda a história para o meu pai, ele ficou apreensivo, perguntou se a mãe de joany havia batido nela, eu não sabia então decidi negar
Chegamos a casa de joany, não era grande mas era uma casa bonita, o quintal era cheio de violetas, meu pai buzinou e joany sai mancando, pulei do carro com ódio e meu pai gritou de dentro

o lado escuro do sexoOnde as histórias ganham vida. Descobre agora