23º Capitulo

Começar do início

A minha atenção e os meus pensamentos foram de novo voltados para fora do vidro ao meu lado. O caminho era feito de volta a casa e de novo passamos por aqueles campos e campos sem fim.

Minutos se passaram e o silêncio entre nós era constrangedor e nem a rádio se fazia ouvir devido ao sinal

O que é que tinha acabado de acontecer? Se não fosse o meu pai ter ligado, o que é que eventualmente poderia ter acontecido? E a pergunta ainda maior é, porque é que eu fiquei importada de o telemóvel ter tocado? Porque é que eu queria que não tivesse acabado? E porque é que eu estava a gostar?

"No que é que estás a pensar?" a voz do Zayn suou interrompendo os meus pensamentos. Fazendo exatamente a mesma pergunta que tinha feito ao almoço.

E ironicamente a resposta é tal e qual a mesma.

Em ti.

"Em nada" eu disse dando também a mesma resposta que tinha dado antes.

Os meus olhos estavam postos no Zayn esperando que ele disse-se algo. Ele continuava a olhar para a estrada mas por segundos virou a sua atenção para mim olhando-me nos olhos tão intensamente como se me estivesse a ver a alma, e a ler tudo, e todos os segredos dentro de mim

"Não penses demasiado nos meus impulsos" ele disse desviando a sua atenção para a estrada.

Impulsos? Sim eu sei que o que ele fez não passou de um mero impulso. Eu nem sei porque aconteceu, eu e o Zayn estamos sempre a discutir e sempre em desacordo, ele é frio arrogante, mas parece que quando isto acontece ambos esquecemos tudo. Esquecemos o que somos, o que estamos a fazer e o porquê de o fazermos. Mas sempre que isto acontece parece que queremos mais, é um sentimento que eu não sei explicar. É um impulso. Um impulso e um erro. Mas o Zayn é tão diferente, é tão misterioso, à qualquer coisa nele e naqueles olhos castanhos que me despertam a atenção. Que me fazem querer saber tudo o que ele esconde.

Mas a forma de ele pensar, de ele ver o mundo, parece tão escura e negra. A maneira como as palavras frias e arrogantes saem da sua boca de uma forma tão natural como se ele estivesse habituado a ouvir e dizer essas palavras daquela forma rude, como se não soubesse falar de outra maneira sem ser aquela. A maneira como ele guarda tudo para si e se refugia no seu pequeno mundo.  A maneira como ele parece ter medo de sorrir. A maneira como ele é.

Começo a achar que sim foi bom aquele telemóvel ter tocado. Pelo menos é o que eu me quero convencer a mim própria. Eu penso demais. O Zayn têm razão.

E ai está o Zayn isto o Zayn aquilo Zayn Zayn Zayn.

Um barulho da rádio voltou a suar de repente chamando-me a atenção. Finalmente já se começavam a ver casas, carros, pessoas, e apercebo-me que já entramos de novo na nossa região.

Na rua já se começam a ver miúdos a correr, meninas a brincar, jovens em grupos, adultos atarefados, idosos. Mas o meu único desejo agora é chegar a casa. A minha cabeça está a mil. Estou com uma dor de cabeça insuportável e uma dor no peito agoniante depois do meu ataque de asma. Eu tenho mesmo de começar a trazer uma bomba comigo, é horrível esta dor que se sente depois.

O carro parou ao fim de mais alguns minutos e apercebi-me que tínhamos chegado. Olhei em volta mas ainda não estávamos na minha casa. Olhei para o Zayn e este estava a tirar o cinto pronto para se levantar.

"Anda comigo" ele disse saindo do carro.

Tirei o cinto apressadamente e agarrei na minha mala saindo do carro. O meu olhar percorreu todo aquele sitio e estávamos estacionados em frente a uma casa. A casa era enorme, branca e com alguns tons de cinzento. Aparentava ter dois andares e um pequeno quintal do lado de trás. As janelas eram grandes mas não deixavam ver nada para o interior.

Fire || Z.MLeia esta história GRATUITAMENTE!