AMIGA DE INFÂNCIA

6.7K 101 2
                                    

Cai sentada na cadeira.
   - Não pode ser possível. Deve ser uma coincidência, só pode ser uma coincidência.. - pego o celular e mando uma mensagem pra Nanda.
Ela não está online desde ontem quando nos despedimos.

Mensagem on*
   Você: Nanda?
Mensagem off*

A mensagem não foi recebida.
Me levando termino de arrumar minhas coisas e saiu da sala olhando para os lados tentando ver a garota novata.
Deixo as pastas na sala dos professores e vou pra casa.
Chegando deixo minhas coisas no quarto e pego o celular mas nenhuma novidade.
No banho, não consigo parar de pensar naquela menina tentando por em minha cabeça q as duas devem ser pessoas diferentes.
Foi a sexta mais longa q tive. Eu estava ficando cada vez mais neurótica pensando naquilo tudo.
Não posso me apaixonar por uma aluna, não posso me apaixonar por uma aluna, EU NÃO POSSO... Me dou um tapa mais forte do que eu queria mas preciso.

Depois de conseguir relaxar vendo séries tive uma boa noite de sono, já eram 14hrs quando acordei.
Depois de um banho vou pra cozinha, preparo um hambúrguer e um suco e assisto mais um episódio da série que comecei ontem.
Escuto batidas na porta.
    "Ué não me lembro de alguém vir me visitar hoje" - penso enquanto vou atender. Abro e me deparo com um rosto lindo e familiar.
    - Ooi perfeitinha! - a morena fala com um enorme sorriso já entrando me dando um abraço apertado.
    - Glória? Nossa a quanto tempo - abraço forte minha amiga de infância - você ta muito gata!
   - Aaa o que o dinheiro não faz né meu amor? Trabalho duro rende!
Entramos e ficamos conversando no sofá.
Glória foi a primeira amiga que fiz na escola e nossas famílias se conheciam a anos, não podia dar em outra coisa.
   - Caraca, um ano que você foi pra São Paulo e volta mais linda que o normal. - digo reparando em suas roupas,e seu cabelo cacheado e bem arrumado. Reparei mais em sua camisa de botão com tecido leve q estava uns botões abertos mostrando um pouco do seu busto.
   - A eu só me vesti assim pra vir te ver - ela fala se aproximando de mim - Na verdade eu queria saber também... Mudou alguma coisa entre nós?
   - Olha.. Eu gostei muito sim e você sabe que te acho linda de qualquer jeito, mas... - desvio o olhar.
  - Iiii ta namorando de novo? Voltou pra ex? Já sei.. Ta sendo iludida né - faço cara feia e me levando do sofá colocando as mas na cintura e rindo da situação - acertei! Sabia! Quem mandou entrar nessa vida de pegar mulher?
   - Para, não é nada disso ok? Eu só to numa situação complicada...
   - Ooh xiu, não precisa falar mais nada - ela me interrompe se levantando pegando meu copo de suco como se tivesse álcool e levantando - vamos fazer uma festa pra levantar esse astral! Uuuuh.
   - Ei não não não - pego o copo sua mão junto com o prato na mesinha e vou pra cozinha - não vou a baladas a anos, vc sabe.
   - Eu passei um ano fora, longe de você, não quero essa tristeza toda - ela vai atrás de mim.
Me encosto no balcão e ela me prende com seus braços em cada lado da minha cintura me pressionando pra trás e ficando mais perto, nossos corpos se tocam levemente me fazendo sentir seus seios junto dos meus.
   - Ou você chama nossos amigos pra uma festa ou vou te obrigar a fazer uma só eu e você - ela fala com a boca a centímetros da minha e me encarando se uma forma que juntei forças pra não jogar essa mulher na minha cama. - não tava com saudade dessa amizade colorida?
Não aguento isso, sorrio com malícia, entro meus dedos em sua nuca, ela fecha os olhos mordendo o lábios e geme baixinho, sinto um calafrio em meu corpo e explodo lhe dando um beijo intenso. Sinto suas mãos tocando minha barriga por dentro da camisa e subindo até meus seios apertando. Seguro em sua cintura e viro a colocando em meu lugar, ela tira as mãos da minha camisa e põe em volta no meu pescoço, desço as mãos até sua coxa e puxo pra cima a sentando no balcão, coloco as mãos em sua camisa e me afasto.
   - Gosta muito dessa camisa?
   - Tenho mais umas duas, faça o que quiser - ela diz baixinho com uma respiração pesada quase como se estivesse gemendo em cada palavra.
Seguro de cada lado e abro rasgado e tecido escutando o som dos botões caindo pelo chão.
Ela mordo o lábio e sorri daquele jeito que me deixa mais excitada.
Tiro sua camisa jogando em algum lugar e tiro rápido seu sutiã. Estava louca pra chupar aqueles seios e apertar, ela entra os dedos no meu cabelo e fecha os olhos, fecho os meus também só pra ouvir seu corpo reagindo ao meu toque e minha lingua.
Desço uma mão abrindo os botões do seu short e depois o zíper
Ela se afasta apoiando seus cotovelos no balcão curvando seu corpo pra trás levantando sua bunda o bastante pra eu tirar o short junto com a calcinha. Ela volta a se senta ainda curvada um pouco pra trás apoiada nas mãos. Acaricio suas coxas parando um pouco pra olhar aquela delicia toda.
    - Vem cá - me puxa pela gola da camisa e fala no meu ouvido - tava morrendo de saudade dessa sua boca então me chupa bem gostoso.
Sinto um frio na barriga.
   - Vou fazer você derramar essa saudade pela boceta...

MENOR DE 18Onde as histórias ganham vida. Descobre agora