Capítulo 7

30 6 13
                                          


PARTE 3 – ALINE

Acordo com a luz do sol que entra pelo vidro da varanda. Me espreguiço na cama e sinto o braço de Diego sobre minha cintura. Viro de frente para ele, aconchegando minha cabeça em seu ombro e ele faz carinho em meu cabelo. Sorrio e de repente sento na cama.

— O que você tá fazendo aqui?! — Lembro de ter deitado parta assistir a um filme com Yara. Não lembro do final do filme. Mas o combinado era dormirmos juntas. — Cadê a Yara?

Diego ri sem abrir os olhos e abraça minhas pernas.

— Isso você vai ter que perguntar no quarto do lado.

Meu queixo cai pela segurança com que ele fala.

— Como assim??? — pergunto e Diego dá um gemido de sono. Sacudo meu namorado, que resmunga, incompreensível. — Me explica, amooor!

Diego esfrega os olhos, bocejando e estica os braços acima da cabeça, como se quisesse encostar no teto. Ele se levanta lentamente até ficar sentado na cama, de frente para mim. Coloca o travesseiro no colo e pega minha mão antes de começar a falar.

— Ontem eu tava dormindo na sala. Aí ouvi um barulho de vidro quebrando no corredor e acordei. Quando eu levantei, ouvi a voz da Yara. E a do Bruno. Aí voltei pro sofá. Eles ficaram sussurrando um tempão. Depois, ouvi umas risadas e a porta do quarto dele batendo. Vim aqui conferir e você tava sozinha. Aí deitei na minha cama, né.

— Mentiraaaa?! — cubro a boca aberta com a mão e Diego ri da minha expressão. — Será que eles se acertaram?

— Olha... — Diego levanta as mãos, rindo e eu o acompanho. Torço para que Yara e Bruno tenham realmente conversado para se acertar e não apenas cedido ao desejo reprimido de ambos. Porque a segunda opção só pioraria a guerra fria entre os dois.

Levanto com Diego para começar a preparar um café da manhã. Depois do que aconteceu ontem, não sabemos bem qual será a programação para o dia. Quando abro a porta do quarto, dou de cara com Yara no corredor, andando na ponta do pé, como quem não quer acordar ninguém. Bruno a observa sorrindo, só de cueca, com metade do corpo para fora da porta de seu quarto. Levanto uma sobrancelha, olhando de um para o outro e não consigo evitar uma risada. Yara me censura com o olhar e pede licença. Empurro a porta para que ela entre e ela revira os olhos quando percebe que Diego também está espiando. Fecho a porta e corro até ela, derrubando Yara na cama.

— Pode me contar tudo! — Faço cosquinha e Yara se debate, em meio à gargalhada.

— Contar o que, ué? — Yara faz cara de desentendida e meneia a cabeça.

— Sonsa! — Dou uma batidinha na cama e ela ri. Yara olha de mim para Diego e levanta uma sobrancelha.

— Eu tô sendo expulso do meu próprio quarto?! — Diego se levanta da cama, fingindo estar ofendido. — Você sabe que eu vou fechar a porta aqui e bater na outra ali, né? — Ele aponta na direção do quarto de Bruno e Yara dá de ombros. Sorrio para meu namorado, mandando um beijinho debochado e fazendo "tchau" com a mão. Ele sorri de volta, mexendo a cabeça e sai, fechando a porta atrás de si.

Assim que volto a olhar para Yara, ela abre um sorriso que talvez ocupe metade da área total do rosto.

— O que aconteceu de madrugada, Yara do céu? — Pergunto, sacudindo o travesseiro que ela segura e Yara dá mini pulinhos sentada na cama.

Yara começa a falar e eu escuto atenta a cada detalhe, tentando entender como eu não ouvi nada daquilo durante a noite. A cada ponto da história, Yara parece estar mais feliz com a lembrança. Sorrio observando a forma como seu olho brilha ao me contar tudo o que aconteceu durante a noite. Yara parece genuinamente feliz, de uma maneira que eu não via há muito tempo.

De Volta ao CarnavalWhere stories live. Discover now