16. Gentileza

1.2K 168 66
                                                  

Quando a vida te destinar as trevas, aja como o girassol que procura a luz. Minha tia disse essa frase quando tive a primeira paixão de verão aos oito anos e ele me decepcionou tanto que fui obrigada a socar seu rosto, até quebrar aquele nariz de doninha. A falta da positividade, a capacidade em encontrar o lado bom nas piores situações, sempre esteve presente na minha personalidade, mas estou aprendendo a moderar.

É difícil não se prender a momentos ruins, achando que a culpa do mundo está sob seus ombros e fiquei refletindo quando cheguei no dormitório, passando a noite acordada debaixo das cobertas. Cristal e Plin devem ter me ouvido, entrei em devaneios sobre cada dia desde a entrega do convite, mas por bondade não comentaram nada.

No domingo, logo cedo, consegui colocar na cabeça que não havia dado intimidade para Ethan fazer aquilo. Mesmo se tivesse, o desrespeito naquele ato foi mais do que eu poderia suportar e a marca roxa no meu braço é a prova.

Pelo menos, me deu força de vontade para criar um novo vestido, amarelo com pregas na saia e rendas ao redor da base, que remete a alegria.

A mais elegante farsa, talvez um pedido de atenção. Como nos semáforos luminosos que vi em Baviera. Esse reino onde o conto da minha família foi realizado, se tornou grandioso, ganhando reconhecimento pelo domínio dos melhores festivais.

Elizabeth contou que na data do nascimento de cada um dos herdeiros ao trono, os eventos duram no mínimo uma semana. Acho que a escolha desse tecido de cor vibrante, também fez referência aos meus pensamentos sobre os Enchanted.

Levanto da escrivaninha, aonde estava costurando os últimos detalhes de pedrarias e a fadinha continua dormindo em cima da almofada dos alfinetes, giro segurando o vestido rente ao meu corpo.

— Não sabia que era tão talentosa. — fala Cristal, sem a arrogância habitual, apenas sendo sincera com brilho no olhar, impressionada pela peça — Ficou lindo.

— Obrigada, quer experimentar?

— Sério? — confirmo balançando a cabeça animada.

Faz tempo que não tenho um modelo criado por mim sendo usado. Mais prazeroso do que ver algo ficando pronto pelas suas próprias mãos, é saber que outras pessoas também gostaram.

A princesa correu com o vestido para o banheiro, deito no colchão imaginando como a minha família está agora. Lembro do papai fazendo panquecas e queimando as bordas, enquanto minha mãe reclama de que o cheiro vai impregnar as roupas da loja no andar superior, mesmo assim depois todos nós estaríamos nos deliciando com o melado.

Contenho a saudade que me abateu, apertando as pálpebras fechadas para não permitir nenhuma lágrima teimosa.

Cristal saí rodopiando pelo cômodo, a saia flutuando como luzes de verão favorecendo as madeixas douradas, e paralisa em frente ao espelho se admirando, tocando as diferentes texturas entre seda e tule.

— Está fabuloso. — digo me sentando na cama, escondendo a tristeza com um sorriso.

— Sim, você é incrível. — elogia risonha, depois pensamentos parecem lhe atingir e sua feição muda — Por que está sendo tão legal?

— Como?

— Eu nunca tentei ser simpática contigo, menos ainda com suas amigas. — explica envergonhada.

— Gentileza gera gentileza. — respondo sem nem precisar pensar — Foi o que sua mãe falou para a Anastácia, assim tudo mudou e agora as duas têm seus finais felizes impecáveis.

A maior das surpresas aconteceu quando ela se aproximou e me abraçou de forma afável, fico comovida pelo gesto inesperado logo retribuindo.

— Desculpa, por ter te julgado sem conhecer. — expressa se afastando um pouco, as mãos pousadas em meus ombros.

— Tudo bem, posso dizer o mesmo. — nós duas rimos delicadas.

— Não ia comentar, mas eu vi como chegou ontem, quer desabafar..? — fala insegura, enrolando o cabelo no dedo indicador.

— Estou bem. — minto, ela nota a mancha aparente e agradeço mentalmente por não insistir — Mas se quiser mostrar os seus sapatos.

— Sim! — a princesa pula da cama indo até a sapateira amontoada — Pedi para Ruchella um feitiço que faz tudo caber aqui dentro, não poderia deixar os meus queridinhos serem mandados de volta.

Solto gargalhadas, apesar de achar meio fútil esse pedido, consigo entender a vontade de ter os objetos ao alcance. Sendo invocada, a fada jade de bochechas arredondadas surge tão entusiasmada que acaba batendo a cara na parede.

— O que deseja, senhorita? — pergunta meio tonta, estrelinhas saindo da cabeça.

— Pode trazer duas xícaras com chá de camomila, por favor? — pede Cristal ainda hipnotizada pelos calçados — Os passarinhos acham que é a melhor solução para qualquer problema.

A fada serve o bule fumegante no chão, além do prato cheio de biscoitos com gotas de chocolate que estão deliciosos. Me sento próxima, cruzando as pernas, e Ruchella aproveita dando mordidas gulosas no doce.

Ficamos conversando por algum tempo sobre moda, ela já foi em desfiles de estilistas famosos que fizeram os vestidos do casamento para rainhas. Até Cristal tocar num assunto sensível, quebrando o encanto de termos coisas em comum.

— Você está apaixonada pelo Nathan? — indaga balançando um dos saltos no alto.

Seria mais fácil perguntar quem nesse castelo não estaria.

— De jeito nenhum.

— Ah. — abre a boca mastigando mais chocolate, sem parecer estar convencida — A Evelyn é minha melhor amiga e eu conheço meu irmão desde que nasci, entende?

— Depende, onde está querendo chegar?

— Ele nunca se apaixonou de verdade. — conta parecendo um segredo mortal — As vezes imaginava que era apenas uma tática para não precisar revelar os sentimentos, contudo acho que está esperando o amor verdadeiro.

— E o que eu teria a ver com isso? — estava ficando mais confusa ainda, mesmo sem desejar me meter em mais inconvenientes.

— Não quero que acabe com o coração partido.

Olá, tudo bem? Mais um capítulo sem planejamento, escrevi a primeira frase e o resto desatou de forma imprevista.

No meu entendimento, significa que nos momentos ruins, deveríamos esquecer as diferenças e apoiar a colega visivelmente triste. Enfim, podem interpretar de outros jeitos também.

Votem, comentem, compartilhem! Beijos de amor verdadeiro.

Escola dos Felizes para SempreOnde as histórias ganham vida. Descobre agora