Essa é a última mesmo

32 9 1
                                          

Cartagena, 8 de novembro de 2010

Hoje eu sonhei com você. Eu sei que é uma frase clichê, uma desculpa perfeita para iniciar uma conversa fadada ao fracasso, mas é verdade.

Hoje eu sonhei com você. Não me lembro bem do sonho, sei que a gente se encontrava e voltava a se falar. É a única coisa que não esqueci. Acordei com uma sensação estranha, com aquele vazio familiar, sem saber de onde ele tinha vindo dessa vez. Então, me lembrei.

Hoje eu sonhei com você. E foi como se um oceano daquele aperto estranho me invadisse, me sufocasse. Em penso em você a cada segundo, sentindo aquela vontade incontrolável de saber como está sua vida, mesmo você sendo a pessoa que me causou mais dano.

Hoje eu sonhei com você. Meu subconsciente deve saber de algo que minha consciência e minha lucidez fingem ignorar, ele deve saber que eu sinto falta de nós.

Porque algo se quebrou, eu sei. Nessa altura do campeonato, acho que todo mundo já sabe.

Ontem eu ouvi alguém que tinha a voz como a sua. Meu coração quase foi parar no chão. Olhei para trás e não era você. Claro que não. Estou a quilômetros de distância de você. A quilômetros de distância de um pedaço meu.

Hoje eu lia esse livro e, por um momento, vi você entre as páginas: na conversa da personagem, na história, do jeito de agir. Eu sorri, porque imaginei, na hora, que você nunca leria aquele livro.

Abri o Orkut e lá estava você, sorrindo na foto que tiramos juntas. Sorrindo com os lábios e não com os olhos. Fico me perguntando se agora eles brilham por alguma razão. Espero que sim.

Já comecei milhões de e-mails, já escrevi cartas que nunca vou enviar. Ontem a noite, sonhei que batia à sua porta, sonhei que eu me desculpava por ter deixado você ir embora, por não ter parado e descido do ônibus

Penso todos os dias em procurar você, imagino como seria se tudo voltasse a ser como era antes. E eu sinto tanto a sua falta. Por favor não me odeie, não odeie o que sou, o que me tornei. Por favor, eu estava errada. Quero que se lembre de mim pelos dias bons, por quem eu era quando estava perto de você.

Estou longe agora, mas eu sei que um dia vou voltar.

Eu sei.

Eu só sei.

Talvez nós sejamos outras pessoas, talvez nosso lugar não seja mais o mesmo, talvez tudo esteja mudado.

Mas eu vou voltar pra casa

Cartas para LuísaOnde as histórias ganham vida. Descobre agora