Capítulo 09

255 77 27

The gods may throw a dice
Their minds as cold as ice
And someone way down here
Loses someone dear
The winner takes it all
The loser has to fall
It's simple and it's plain
Why should I complain

The Winner Takes It All - ABBA 


Assim que o conde saiu do terraço, Agatha soube que o tinha magoado. Ela vinha fazendo aquilo com frequência, magoando as pessoas que se importavam com ela. Mas não havia nada que pudesse fazer. Estava aceitando se casar para fugir de um escândalo, mas isso significava que ela tinha que ficar longe do seu marido.

Antes, acreditava que podia enrolar o irmão e o noivo. Podia segurar o noivado por alguns anos. Isso poderia fazer com que Edward desistisse dela. Ele poderia se apaixonar por alguém e liberá-la do compromisso. Talvez aquele casamento nunca se concretizasse e ela tivesse sorte. Mas o irmão tinha determinado duas semanas. E o conde não havia contestado aquele prazo. Ela tinha duas semanas para fazer com que nada desse certo ou nunca deixar seu marido tocá-la.

Se ele descobrisse que ela não era mais virgem, ela estaria desonrada.

Talvez ela pudesse contar a ele. Edward era um homem de compaixão. Sempre fora bondoso, fizera caridade, recebera todos em sua casa. Desde que assumira o condado ele demonstrara sua capacidade de aceitar as pessoas como elas eram. Ele poderia entendê-la. Mas ela não conseguia nem mesmo pensar no que aconteceu, como poderia fazê-lo compreender?

Deitada em sua cama, ela não conseguia dormir nem pensar em um plano satisfatório. Não havia muito a fazer que não rezar. Talvez Deus a perdoasse pelos pecados e a ajudasse.

Mas não teve muita sorte em suas orações. Ao menos, Deus parecia um pouco mais devagar em atendê-la do que os planos casamenteiros de seu irmão e sua cunhada. No dia seguinte ao jantar, uma equipe chegava à Trowsdale House para discutir os preparativos da festa. Confeiteiros, modistas, decoradoras, floristas. Gente para decidir sobre o bolo, os doces, o vestido, a decoração, o buquê. E estavam acompanhados de Lady Sarah, Lady Madeline e Lady Anne.

— O que veio fazer em minha casa? — Agatha recebeu a irmã Westphallen mais velha com desprezo. — Depois do que aprontou ontem, não acha que já me causou problemas o suficiente?

— Minha querida Agatha, o que eu fiz foi ajudá-la. — Lady Madeline demonstrou estar ofendida com a recepção. — Com a sua idade, você dificilmente se casaria. Eu dei um empurrãozinho, até porque você e o conde não estavam muito preocupados em se esconder, mesmo.

A expressão autêntica na face de Lady Madeline indicava que ela acreditava sinceramente em suas boas intenções. Que ela achava que a interferência foi positiva. Afinal, a dama Westphallen não acreditava em casamento por amor, só queria fisgar um marido com bom título e riqueza. Tendo perdido a chance de se casar com Aiden Trowsdale, ela tivera sua reputação destruída, mas acreditava que estava ajudando uma amiga.

Como era tola. Mas Agatha sabia que aquele era o pensamento da maioria das damas. O que importava era um marido rico, com título e, de preferência, uma aparência física que encorajasse a consumação do casamento.

E não havia nada de desencorajador na aparência de Edward.

— Diga-nos, Agatha... vocês estão apaixonados? — Lady Anne estava bastante empolgada. — Edward é um sonho, tão lindo como um anjo, educado e rico. Absurdamente rico.

— Meu irmão é rico. — Agatha esbravejou. — E não estamos apaixonados. Casamento por amor é coisa de burgueses.

— Seu irmão se casou por amor. — Lady Madeline desdenhou.

Um Conde para Curar meu CoraçãoWhere stories live. Discover now