Capítulo 56

229 56 14

Depois de comunicar ao duque sua decisão, Elizabeth precisava romper definitivamente com James Hodges. O homem era bom demais para ser enganado por ela por mais tempo. No que estava pensando quando aceitou ser cortejada por ele? Ela sempre soube que não seria capaz de corresponder ao que ele precisava, nem seria capaz de se casar com um homem sem estar apaixonada.

— Foi bom encontrar a senhora. — Ele disse, assim que se viram nos estábulos. — Gostaria de convidá-la para um passeio no litoral.

Oh, ele tornava as coisas mais difíceis sendo gentil. Elizabeth tinha sorte em ter James em sua vida, mas ela estava cansada de passar necessidades e de impor aos filhos uma vida miserável. Casar-se com o cavalariço era digno, porém não resolvia os problemas de dinheiro. Quase perder Patrick a fez enxergar tudo em outra perspectiva. Seu filho nunca mais seria humilhado.

— Eu terei que recusar, Sr. Hodges. — Ela disse, esperando não magoá-lo de alguma forma. Sabia que o cavalariço não nutria sentimento algum por ela. Apenas vira nela uma mulher disponível. — Vim aqui porque preciso conversar com o senhor. Eu não posso mais aceitar seu cortejo.

Hodges sorriu. Amarrou o cavalo em uma estaca e começou a escová-lo. A conversa acontecia nos fundos dos estábulos, onde os animais eram lavados e cuidados.

— Acredito que entenda seus motivos. Mas, Sra. Collingworth, a senhora sabe que ele não irá assumi-la, não sabe?

— Sim, eu sei. Estou trilhando caminhos sinuosos, Sr. Hodges, mas eu preciso ser honesta ainda assim. O senhor merece coisa melhor.

Como não tinha mais nada para dizer, Elizabeth fez um movimento com a cabeça e se retirou. Ela podia ter perdido parte da sua dignidade ao aceitar ser amante do duque, mas não precisava arrastar ninguém para o inferno com ela.

**********

Quando John entrou no salão de jantar e convidou os homens para uma apresentação musical, o duque pediu que o visconde o seguisse até o segundo andar. Foram até a sala privativa que dava para o salão de baile. Assim, podiam conversar com privacidade sobre assuntos de negócios.

— Espero que tenha me chamado até aqui para dizer que tem interesse em casar-se com minha filha. — O visconde se sentou em uma poltrona de tecido estampado. — Depois da conversa lá em baixo, estou preocupado com você.

— Não há motivo para preocupação, Miles. — Aiden serviu brandy em dois copos e entregou um para o amigo. — Eu tenho uma amante, mas você também tem. Isso não afetará em nada meus planos de casamento.

— Certo, digamos que isso seja verdade. Por que me chamou, Alteza?

— Para dizer que eu não pretendo me casar, agora. Sei que minha mãe anda espalhando boatos, mas eu pretendo esperar um pouco mais. Assumi o ducado há pouco tempo e tenho muito o que fazer antes de me dedicar ao matrimônio.

O visconde encarou o copo de bebida por instantes. Aiden sabia que suas palavras impactavam negativamente as expectativas de Miles Westphallen. Todas as mulheres solteiras de Londres queriam ser a próxima Duquesa de Shaftesbury. Todos os homens gostariam de casar suas filhas com o duque. A prosperidade do ducado que ele comandava era motivo de inveja.

Mas casar-se com Madeline Westphallen não manteria as fofocas sob controle. Faria com que ele precisasse se dedicar a uma esposa e ele não queria nada daquilo. Não naquele momento.

— Não precisava de formalidade para me informar que não deseja se casar, Alteza.

— Gosto de deixar meus negócios às claras. — Aiden levantou e colocou o copo vazio sobre a bandeja. — Não tenho como impedir que falem sobre mim ou cobicem uma posição ao meu lado, mas não quero que meus amigos e parceiros comerciais pensem que estou agindo como um patife.

Um Duque para chamar de meuOnde as histórias ganham vida. Descobre agora