Epílogo

1.9K 439 212

Castiel Almeida D'Ávila

Sinto uma mãozinha completamente babada tocar em meu rosto e solto um pequeno resmungo, podendo ouvir uma risadinha sapeca. Ainda permaneço de olhos fechados, esperando para ver até onde vai a pequena, literalmente, paciência de Helena. E não demora muito, eu sinto dois tapinhas em meu rosto, acompanhados de resmungos nada contentes.

Tinha que ser minha filha mesmo!

- Buu! - Abro meus olhos de uma vez e quase solto uma gargalhada ao ver os olhinhos arregalados da minha filha.

Fico alguns segundos esperando o choro da pequena a minha frente, mas ao invés disso ela ri e bate palminhas. "Muito bom, já se acostumou com o pai que tem".

- Cara, eu estaria me esgoelando de tanto chorar se fosse ela. - Ouço a voz do meu cunhado e só então percebo ele no quarto. - Bom dia, cunhadinho! - Ele acena e sorri com todos os dentes.

Solto uma risada e balanço a cabeça, me colocando sentado na cama em seguida. Pego uma Helena de nove meses em meus braços e encho minha pequena de beijos, ouvindo suas gargalhadas infantis.

- Bom dia meu pequeno raio de sol! - Falo sorrindo e beijo a pontinha de seu nariz, vendo ela fazer um biquinho.

- Nossa, muito obrigado por me ignorar. Eu tive que sair muito cedo de casa hoje, sabia? Pois eu moro a quilômetros de distância daqui. - Ele diz dramaticamente e se senta na poltrona que há no canto do quarto.

- Dramático! - Implico e ele rola os olhos para mim. - Mas, bom dia cunhadinho! E sobre Helena, ela já se acostumou com os pais que tem. - Sorrio para ele, que não consegue ficar muito tempo emburrado.

- Ainda bem, não é? - Ele pergunta e se levanta em seguida. - Vou deixar você se arrumar e dar mamá para ela. O doidinho já deve estar chegando com a turma da cidade. - Maurício diz, se referindo a Ângelo e o olho "indigando".

- Ei, mais respeito com meu maninho! Ele é doidinho? É, mas é um doidinho cheio de amor. - Respondo e ele assente, mesmo rindo.

- Tá! - Ele diz apenas e sai do quarto em seguida, deixando eu e Helena a sós.

- Gaga... bu! - Ouço Helena "falar" e olho para ela, vendo ela entretida com a minha camiseta.

- É, ela é linda, não? - Respondo e ela solta uma risada gostosa, deitando sua cabeça em meu peito.

Abraço minha pequena e deixo mais alguns beijinhos nela, antes de dar de mamar a ela e logo em seguida me arrumar.

* * *

Saio do quarto quase uma hora depois, já que foi uma luta arrumar Helena, que não parava quieta um só minuto. Sinceramente, eu não sei a quem esse projeto de gente puxou.

Assim que chego ao fim das escadas, já posso ouvir uma pequena algazarra do lado de fora e sei que minha família acabou de chegar.

Passo pela porta de entrada e logo recebo o sol da manhã quando piso na varanda de casa. Sorrio ao ver Angie e toda sua família e no mesmo segundo sinto Helena se agitar em meus braços para se juntar a festa.

- Cas! - Angie praticamente grita quando me nota e vem correndo até mim, me abraçando em seguida. - Deus, que saudade! - Ele resmunga e isso me faz rir.

- Angie, nos vimos tem três semanas. - Aviso quando nos afastamos e ele revira os olhos.

- Detalhes! - Diz e faz um gesto de desdém com a mão. - E você foguinha, olha que coisa mais linda. - Ele fala sorrindo e pega Helena nos braços em seguida, que fica toda derretida nos braços do tio.

Cowboy Indomável (Mpreg) - Duologia "Indomável" - Livro 02Onde as histórias ganham vida. Descobre agora