Capítulo 42

214 56 80

E Elizabeth vai ter uma noite de Cinderela.

A primeira coisa que Aiden viu, ao chegar a Greenwood Park, foram as damas casadoiras

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

A primeira coisa que Aiden viu, ao chegar a Greenwood Park, foram as damas casadoiras. Elas o perseguiam, era como se estivessem ali esperando os nobres solteiros para fisgá-los. O duque sabia que era um dos melhores partidos para aquelas jovens já próximas da solteirice, mas ele não podia se obrigar a querer nenhuma delas.

Sua educação não permitia que fosse deselegante com elas, mas ele também não era gentil. Desceu da carruagem, ofereceu a mão para a irmã, e caminhou carrancudo para a entrada principal da residência dos McFadden. Várias pessoas se aglomeravam ali enquanto aguardavam para serem anunciadas e entrar, algumas apenas queriam esperar um pouco antes de enfrentarem as formalidades da noite.

— Vamos entrar logo e sair desse formigueiro. — Aiden sussurrou para Agatha. Ela segurava a dobra do cotovelo dele e acenava para algumas ladies que conhecia. — Suas amigas estão doidas para me pegarem sozinho.

— Não podemos entrar agora. — Ela murmurou de volta. — Tenho uma surpresa e ela deve estar chegando.

O duque olhou para baixo e viu os olhos grandes e úmidos da irmã, que se assemelhavam aos olhos dos filhotinhos pidões.

Céus, a irmã tinha aprontado alguma. Aquela era a certeza que emanava das palavras "eu tenho uma surpresa" emanadas de Agatha, porque ela sempre estava por trás das mais profanas armações. Tinha a quem puxar, afinal, porque a mãe também era bem engenhosa.

— Que surpresa, Agatha? Por Deus, não me faça passar nenhum constrangimento hoje. Essa é a casa do meu melhor amigo.

Ela riu, uma risadinha tímida que representava uma ingenuidade que ela não tinha. Agatha era pura engenhosidade perversa e Aiden tinha medo do que ela planejava.

— Vamos apenas aguardar, aí você decide se eu vou te constranger ou não.

Aiden entregou a cartola e a bengala para um criado e colocou dois dedos no colarinho justo da camisa. O lenço não estava apertado, nem a roupa, ele tinha começado a suar por receito do que o esperava. Como a irmã olhava fixamente para a entrada, ele também fez aquilo e aguardou. Minutos e mais minutos se passaram até que um cabriolet parou na porta de Greenwood Park.

Não era comum que os nobres chegassem em transportes como aqueles e por isso muitos dos presentes pararam para ver quem era o convidado inusitado. O queixo de Aiden Trowsdale tocou o chão e seu coração deu um salto pela boca quando de dentro do veículo saiu Elizabeth Collingworth vestida como uma rainha.

Não. Ele conhecia a realeza e nenhuma dama real era tão bela, tão elegante, tão angelical como aquela que caminhava em sua direção. Ela vinha sozinha, o que era também incomum, e segurava o vestido com uma mão enluvada. Tudo nela reluzia como ouro e ela irradiava tanta luz quanto qualquer lamparina daquele jardim.

Aiden deveria ir até ela, mas seus pés estavam colados no chão. Agatha o cutucou nas costelas e fez com que ele se movesse - era adequado que ele a recebesse. Com alguns passos vacilantes o duque parou à frente de Elizabeth e precisou de muitos segundos para estabelecer um raciocínio coerente.

Um Duque para chamar de meuOnde as histórias ganham vida. Descobre agora