Capítulo 40

250 52 36

A pedidos, Lady Agatha aprontando mais uma das suas!

A pedidos, Lady Agatha aprontando mais uma das suas!

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Ela não estava enganada. O irmão e a Sra. Collingworth tinham um relacionamento estranho. Aiden sempre fora um homem distante e desinteressado pelos criados, Agatha duvidava que ele soubesse o nome de todos eles. Mas a governanta, ele a tinha contratado e ela estava sempre com ele em situações no mínimo inusitadas. Não que Agatha se importasse, ela achava o máximo que o irmão tivesse, afinal, vontade de estar com alguma mulher.

Mas ela era uma plebeia e a lady não sabia o que fazer com aquilo. Se incentivasse Aiden, se ajudasse uma aproximação dos dois, isso poderia ferir Elizabeth porque ele não se casaria com ela. Certo? Bem, e por que não?

A primeira coisa que ela precisava fazer era garantir que as duas fossem à festa de Edward McFadden e aquilo tinha sido providenciado com sucesso. Agatha não gostava muito do conde, ele era pedante e cheiro de regras e manias, mas poderia tê-lo como aliado. Naquele momento ele seria seu único aliado, já que a mãe não suportaria a ideia de aproximar o duque de uma plebeia viúva.

Ela tinha um bom plano. Ele fez mais sentido no instante em que pegou o irmão tocando Elizabeth enquanto pegava um papel das mãos dela. Inventou a necessidade de levar a governanta para acompanhá-la até a estilista porque precisava conseguir um vestido para ela. Não dava para levá-la ao baile sem um vestido adequado.

— Elizabeth, preciso confessar uma coisa. — A lady disse, quando as duas caminhavam na direção da loja de sapatos. Agatha também inventou que precisava de sapatos, claro. — Não estamos aqui para comprar algo para mim.

— Entendo. Será um presente, então? Algo para o duque?

— Não, o duque não é muito fã de presentes desse tipo. Eu pensei em comprar um presente, sim, mas para a senhora.

— Para mim? — Elizabeth parou no meio da via e levou alguns segundos para retomar o passo. — Lady Agatha, eu fico agradecida, mas não posso aceitar. Nem teria onde usar um sapato refinado como os que vendem nessa loja.

As duas entraram e foram recebidas por um vendedor de olhar amistoso. Era um antigo conhecido de Agatha, que tinha uma coleção de sapatos que mal cabia em um quarto.

— Terá, quando for comigo ao jantar do Conde de Cornwall, amanhã.

Milady, eu não vou ao jantar. Não é comum uma dama levar criadas de companhia em um evento social, portanto...

— Elizabeth. — Agatha virou-se e segurou-a pela mão. O vendedor aguardou. — A senhora não irá como minha acompanhante, mas como convidada. Tenho certeza que, quando retornarmos para Thanet Bay, haverá uma mensagem do conde para a senhora. Concordamos que, apesar de seu contrato como governanta, sua situação na casa é bastante atípica. E, bem, eu sei que há algo entre a senhora e meu irmão.

Aquela última parte saiu sussurrada, mas não evitou que Elizabeth enrubescesse e baixasse o olhar.

— Não se preocupe. — A lady prosseguiu. — Seja qual for, seu segredo está seguro. Na verdade, eu estou empolgada não importa o que for que haja. Por isso quero que vá ao jantar, quero que ele tenha a chance de tirá-la para dançar. Você já participou desses eventos quando bem nova. Sabe como se portar neles.

Um Duque para chamar de meuOnde as histórias ganham vida. Descobre agora