Capítulo 34

273 67 37

Vamos para mais um capítulo de fofura? 

Vamos para mais um capítulo de fofura? 

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Aiden não estava acostumado a crianças. Ele conviveu com Agatha, somente, e achava que só precisaria lidar com os pequenos novamente quando tivesse seus próprios filhos. E então, subitamente, ele decidiu levar não apenas um, mas seis moleques para a praia. Os filhos de Elizabeth e quatro meninos filhos dos arrendatários e do cavalariço.

Claro que ninguém entendeu nada e os pais das crianças mal acreditaram quando receberam o criado pessoal do duque a solicitar a autorização deles para levar os filhos em um passeio pelo litoral. Mesmo assim, ele decidiu que iria fazer aquilo tudo apenas para que Elizabeth pudesse ver o mar. Precisou de três carruagens e de entupir uma com meninos bagunceiros para conseguir seu objetivo. Por sorte dele, o litoral não ficava muito distante de Thanet Bay.

— Você está sendo gentil demais. — Agatha observou. O duque não tinha certeza se ela estava zombando de sua atitude ou confusa. Talvez as duas coisas. — A doença deve ter afetado sua cabeça. Ou foi outra coisa.

— Não seja impertinente, Agatha. É triste que pessoas nunca tenham visto o mar. Lembre-se que fomos ensinados a sempre fazer o bem com nossas posses.

A atrevida riu, tentando inutilmente esconder sua risada com a mão. Estavam os dois em uma carruagem, mas Aiden preferia dividir aquele espaço com outra pessoa. Passar algum tempo sozinho com Elizabeth, dentro de uma carruagem, ajudaria-o a aliviar a tensão. Porque ele estava tenso, estava ansioso por alguma coisa que ele sabia que não aconteceria.

Foi uma longa hora até que a carruagem parou em uma via e permitiu que todos descessem. A barulheira das crianças foi imediatamente ouvida, seguida da risada dela. Descendo do transporte com a ajuda de Geoffrey, Elizabeth gargalhava com a algazarra e aquilo fazia seu corpo chacoalhar. Ela não era como uma das damas que Aiden conhecia, ela não refreava as emoções. Assim que o sol tocou os cabelos dela, os raios iluminaram os fios mais claros e a transformaram no vislumbre perfeito de um anjo.

— Patrick! — Gritou para o filho mais velho. — Vigie Peter e só entrem na água até os joelhos.

— Pode deixar, mamãe.

E lá foram os meninos correndo para a areia e, logo, brincando com as ondas que arrebentavam e deixavam rastros de espuma salgada. Havia muita coisa para fazer em uma praia, desde catar conchinhas pelo chão até construir castelos de areia. Aqueles garotos com certeza iriam ser divertir enquanto ele, o duque, passaria mais tempo com Elizabeth.

Isso se Agatha deixasse. A irmã já tinha se juntado a ela e parecia um soldado ao lado da governanta, tagarelando qualquer coisa sobre o quanto eram audaciosos os trajes de banho das Américas. Por um momento, Aiden desejou que estivessem na América apenas para poder ver Elizabeth em roupas menores, mesmo que ele já a tivesse visto praticamente nua.

Sem muita chance de evitar o inevitável, o duque tirou os sapatos, as meias, dobrou as calças até a metade da panturrilha e fez o mesmo com a camisa. Retirou o colete, abriu dois botões no colarinho, dobrou as mangas. Sem chapéu, o sol batia em sua face e fazia com que ficasse difícil enxergar. Depois, sentou-se na areia fofa para observar. E observou por quase meia hora.

Um Duque para chamar de meuOnde as histórias ganham vida. Descobre agora