Capítulo 31

228 65 35

— Eu convidei Lady Anne, Lady Sarah e Lady Madeline para o chá das cinco. Elas são divertidas, mas um pouco travessas. Aiden não gosta muito delas, na verdade... ele não liga para Anne, mas acha Sarah e Madeline muito atrevidas. "Não chame essas Westphallen para a casa, elas são irritantes".

A jovem Agatha tagarelava enquanto finalizava seu desjejum, na companhia da governanta. Elizabeth tinha habilidades de tomar notas mentais das tarefas que precisava cumprir, mas precisava que elas fossem ditadas com um pouco menos de rapidez. Frear a irmã do duque, no entanto, parecia uma difícil missão. Agatha tinha a jovialidade dos seus filhos.

— Mas a senhorita as convidou assim mesmo, porque o duque não lhe diz o que fazer. Certo, milady?

— Certíssimo. A senhora compreende as coisas rapidamente, gosto disso. — A dama sorriu. — Quero que mande preparar bolos e biscoitos para o chá. Quando estamos apenas nós, as mulheres, podemos comer sem que critiquem nosso apetite. Ah. E quero que me ajude na organização das brincadeiras para o baile. Sei que Aiden está programando uma caçada, e o baile é quase um evento de negócios. Ele e Edward adoram reunir gente para falar coisas sobre política, investimentos e outros assuntos masculinos, mas eu e as mulheres podemos nos divertir. Pensei em alguns jogos para nos entreter e precisarei de ajuda.

Eram muitos eventos em tão pouco tempo, mas Elizabeth estava acostumada. Chá naquele dia, baile, jantar - e uma casa cheia de convidados. E ela só pensava em um dia na praia ao lado do duque. Pensava que teria paz naquele dia de afazeres, porém não conseguia se desconectar de nenhum dos momentos vividos ao lado de Aiden Trowsdale.

Nem quando alimentou seus filhos, ou mandou que eles fossem para o quarto se lavar depois de um dia inteiro jogando rounders com os vizinhos. Nem quando ajudou as cozinheiras a fazer uma receita nova de biscoitos, ou a arrumadeira a fazer um inventário das almofadas dos quartos de hóspedes, que poderiam ser ocupados em breve. Também não conseguia parar de sentir as mãos dele ao seu redor ou os lábios dele em sua pele nem quando ajudou Granger, o jovem criado que tanto lhes auxiliou na estalagem, a carregar lenha para dentro da casa.

Elizabeth não precisava fazer muitas das coisas que fazia, mas ela tinha que se ocupar para não sucumbir à tentação de procurar o duque. Ou de sonhar com ele enquanto estivesse acordada. Antes do horário do chá ela se lavou e vestiu roupas limpas. Lady Agatha havia solicitado sua presença durante o período em que suas convidadas estivessem na casa, então ela precisava estar apresentável. Colocou sua melhor saia xadrez com sua camisa branca de babados e prendeu os cabelos debaixo da touca de renda.

Não havia ninguém que lhe trançasse os cachos dourados, então pensara em Aiden outra vez. Em como ele segurou seus cabelos entre os dedos e os ajeitou em tranças frouxas durante aqueles dias confinados.

As convidadas de Lady Agatha chegaram por volta das dezesseis e trinta. Uma carruagem preta com ornamentos dourados e dois cavalos também pretos e magníficos trouxe as irmãs Westphallen. Outra carruagem, toda preta e cinza, carregava a Srta. Anne Brighton. Elas eram falantes e animadas e espalharam as enormes saias rodadas e bordadas pelos sofás e poltronas do salão de chá. Elizabeth abriu as portas para o jardim de inverno e permitiu que o sol do final da tarde iluminasse o ambiente.

Mas a surpresa da tarde ainda estava por acontecer. Sem anúncio prévio, a duquesa desceu até o salão de chá e se juntou às damas. Ela era uma mulher pequena, muito magra e de cabelos ralos e prateados, mas ostentava poder e glória. Mesmo que seu corpo demonstrasse sinais de fraqueza, ela exalava força. Seus olhos castanhos capturavam tudo ao seu redor. Quando chegou, as damas fizeram uma reverência.

— Que honra ter a companhia da senhora, Alteza! — Lady Sarah estava entusiasmada.

— Faz tempo que não tomo chá em companhia de jovens damas, nem que tenho a oportunidade de discutir sobre o casamento do meu filho.

As mulheres se entreolharam. Elizabeth sentiu a boca seca e a língua grossa, como se tivesse consumido láudano. Permaneceu impassível e aguardou ser solicitada, mesmo que aquela não fosse sua função. Sua curiosidade se aguçou pelo assunto inusitado.

— O que tem para conversar sobre o casamento de Aiden? — Lady Agatha estranhou.

— Vamos ver seu irmão, Agatha? — Madeline Westphallen perguntou, curiosa. — Ele está na propriedade?

— Duvido que o duque vá aparecer aqui. — Lady Anne bebericou um pouco do chá que lhe fora servido. — Os homens raramente se interessam em conversar com as damas. Eles preferem companhias masculinas.

— Eu espero que ele prefira minha companhia em breve. — Madeline prosseguiu. Elizabeth ouvia a conversa de pé, próxima a um janelão, apoiada no parapeito. — Ouvi dizer que ele pretende escolher sua noiva na próxima temporada.

— Ele vai escolher. — A duquesa interrompeu. — E vai aparecer aqui. E talvez a noiva que ele escolha possa estar nessa sala.

As damas não tentaram segurar o espanto com a fala da duquesa. Olhos arregalados e bocas abertas indicaram que nenhuma delas esperava por aquela revelação.

— Aiden precisa mesmo se casar. — Lady Agatha suspirou. Os olhos dela vagaram até Elizabeth e ela espiou a governanta por sobre a xícara de chá. — Quem sabe uma esposa não resolve aquele mal humor permanente dele?

Aquela conversa aborreceu Elizabeth. Ela se virou para a janela e observou o lado de fora por alguns instantes. A beleza do céu de verão a distraiu por segundos enquanto seus ouvidos se desligavam do assunto Duque de Shaftesbury. Não queria saber com qual das Westphallen ele se casaria nem como uma esposa lhe faria bem.

As coisas pareciam bem ajustadas, de certa forma. A duquesa, que ela não conhecera antes, estava determinada a decidir pelo filho sobre o casamento. Aquela era a prática mais comum dentre a nobreza - quando não eram os pais que escolhiam as noivas e maridos dos filhos, eles tinham grande poder de persuasão naquela decisão.

Por um momento, naquele dia, durante a manhã, ela sonhou que poderia ter algo com o duque. Que ela poderia significar algo para ele. Que os momentos que compartilharam construíram algo entre eles. Mas ela estava se iludindo. O duque se casaria com uma dama da sociedade e a melhor chance que ela teria de se manter próxima a ele seria aceitando uma proposta indecorosa que já havia rejeitado. Era melhor parar de se enganar, mas ela sabia que falharia naquilo, também. 

Myrtle Trowdale não apenas chegou, ela fez uma entrada triunfal já colocando em pratos limpos que o filho vai casar, e vai casar com uma das damas presentes

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

Myrtle Trowdale não apenas chegou, ela fez uma entrada triunfal já colocando em pratos limpos que o filho vai casar, e vai casar com uma das damas presentes. 

Quero ver Aiden sair dessa. 

Beijocas e até amanhã, com mais um capítulo da saga de um duque apaixonado por uma plebeia.

Um Duque para chamar de meuOnde as histórias ganham vida. Descobre agora