Capitulo cinquenta e quatro

58.9K 4.3K 1.8K
                                    

Milena💖

Já tinha se passado dois dias desde que o Thiago tinha tentado se resolver comigo, e eu não dei resposta de nada.

Minha mãe também tinha entrado em contato e a gente ia se encontrar hoje a noite, porque eu tava querendo umas explicações dela.

No dia da conversa com o Coringa, eu não deixei claro se tinha ou não perdoado. Ele ficou todo boladinho e foi embora, depois nem falou mais comigo!

Ele não tá 100% errado, mas também não tá certo o que ele fez, sabendo que fora a minha vó que mora um pouco longe, eu só tenho a minha mãe.

O que me deixou brava, foi o fato de achar que só porque a gente tava junto e que ele me ama, Thiago não iria machucar alguém que eu amo, que fizesse ou fosse uma ameaça pra ele.

Por isso mesmo a Bruna me confirmando, mesmo sabendo que era verdade, de alguma forma eu queria ouvir um não da boca dele, o que ia me aliviar ao extremo.

Mas eu também sabia que se fosse mentira, ele daria alguma forma de me contar, porque ele sabia da confiança que eu tinha. E depois de duas semana de completo sumiço dele, eu já não acreditava mais de que alguma forma fosse mentira.

Até então, eu estava sozinha mas pouco tempo depois a Bruna chegou junto com love dela, e os dois pareciam não estar bem um com o outro.

Bruna: Já estou em casa, Jonas. Pode ir embora, ou ir pra casa da sua amante.- Ele riu, passando a mão no rosto.- tá rindo do que seu cretino? Larguei a minha vida de piranha pra ficar levando corno?

Cabelinho: Quando tu vai colocar na tua cabeça que ela não é a minha amante? Caralho, Bruna.

Bruna: Ela sorriu pra você, e ainda piscou fazendo gesto!

Mi: Se for assim minha cabeça tem mais enfeite que árvore de natal, porque se você ver o tanto de menina que faz a mesma coisa com o Coringa.

Bruna: Ainda acha que eu sou trouxa, tá vendo Milena? Macho não pode ganhar uma confiança que já quer fazer a mina de otária! - Ela saiu bolada pro quarto, e eu ri junto com o Cabelinho que foi pro quarto atrás dela.

Quando deu a hora, eu fui colocar uma outra roupa, e pedi pra um menino da barreira me deixar no apartamento da minha mãe.

O porteiro só de me ver, já liberou a minha entrada, e eu respirei fundo indo até o elevador, quando cheguei no quinto andar, passei pelo corredor e fui até o final.

Fazia tanto tempo que eu não vinha, que quase não lembrava o número.

Eu ia tocar a campanhia, mas vi que a porta tava um pouco aberta, então eu empurrei vendo ela se abrir, em seguida um barulho de coisas quebrando e os gritos da minha mãe.

Lívia: Você é um monstro! Me solta, tá me machucando, minha filha devia saber quem você é de verdade.

Em segundos eu andei até a sala que era enorme, e o meu coração quase parou quando eu vi a minha mãe toda machucada e com as roupas rasgadas, e do lado o Coringa, que não tinha reação de nada.

▪▪▪
+100

No MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora