Capítulo Cinquenta e Um

2.1K 463 102

Castiel Almeida

Passo pelo portão da faculdade e balanço a cabeça em negação ao ver Angie parado na calçada com um carrinho de bebê duplo. Vejo que muitas pessoas olham para meu amigo maluquinho, mas ele nem liga e assim que me vê, começa a acenar loucamente. Solto uma risada e sigo até meu amigo.

- Você é maluquinho, tadinho dos meus sobrinhos. - Falo rindo e abraço meu amigo apertado, mesmo que minha barriga me impeça um pouco.

- Ei, meus filhos me amam assim. - Ele diz fingindo indignação e solta um gritinho em seguida. - Sua barriga está tão linda! - Sorrio e sinto ele fazer uma leve carícia em minha barriga.

- Eles são bebês, né! - Implico e ele me mostra língua.

Me abaixo de frente ao carrinho e admiro que os gêmeos ainda estejam dormindo tranquilamente. Deixo um beijinho em cada um, apreciando o cheirinho maravilhoso de bebê.

- Veio com quem? - Me viro em direção à Angie novamente.

- Ah, o segurança me trouxe. - Ele diz e acena para uma SUV do outro lado da rua.

Solta uma risada e seguro minha barriga, quando sinto Helena se agitar.

- Me espera aqui, meu carro está no estacionamento. - Aviso e ele assente.

Ainda incrédulo, entro novamente na faculdade e sigo até o estacionamento. Entro no carro e coloco minha bolsa no banco de trás, logo dando partida no veículo. Encontro Angie no mesmo lugar e saio do carro para ajudá-lo. O segurança que o trouxe traz os bebês conforto dos gêmeos e acomodamos os dorminhocos no banco de trás. Ajudo Angie a desmontar o carrinho e o colocamos no porta-malas espaçoso do carro.

E com todos acomodados, seguimos até a escola de Evan.

- Enzo sabe que você está aqui? - Pergunto e olho rapidamente para Ângelo, que está agitado no banco do carona.

- Então... - Ele começa e olho incrédulo para meu amigo. - ... é claro que sabe, bobão. - Ele ri e respiro aliviado.

- Sério, Angie... você me mata às vezes. - Suspiro.

- Que exagero! Anda logo vai, temos que pegar meu futuro genro e terminar de organizar seu casamento. Daqui uns dias você vai estar parindo e não casou. - Ele fala e balanço a cabeça em negação.

- Deixa só seu marido ouvir isso. - Aviso e ele apenas ri.

- Enzo é ciumento demais, meu Deus! Tadinho dos meus bebês quando crescerem. - Ele diz em falsa tristeza e isso me faz rir do meu amigo.

O resto do caminho até a creche de Evan é feito entre conversas bem produtivas com meu doidinho favorito. Assim que estaciono o carro, Angie permanece no mesmo com os bebês, enquanto eu saio e vou buscar meu pequeno.

Passo pelo porteiro, acenando para o mesmo e sigo até a sala de Evan. E não demora muito, estou abraçando meu foguinho.

- Papa! - Ele diz animado e seus bracinhos apertam ao redor do meu pescoço.

- Oi meu bebê. - Sorrio e deixo beijos em sua bochecha, arrancando risadas dele.

Pego ele em meus braços, aproveitando enquanto posso e me despeço da cuidadora dele, seguindo até a saída.

- Adivinha quem veio te ver, amor? - Falo com um sorriso e Evan bate palmas com as pequenas mãos.

- Ninha? - Ele pergunta e rio, balançando a cabeça em negação.

- Ainda não, bebê. - Deixo mais um beijo em seus cabelos e passo pela portaria.

Sigo até meu carro e solto uma risada quando sinto Evan se agitar em meu colo.

Cowboy Indomável (Mpreg) - Duologia "Indomável" - Livro 02Onde as histórias ganham vida. Descobre agora