Capítulo treze

83.8K 6.2K 4.5K
                                    

Milena🌸

Instagram📱

@milenafernandes: do nada

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

@milenafernandes: do nada.

Carregar mais comentários...

Instagram📱

Coringa tinha ido comprar as pipocas, e eu estava sentada junto com a filha dele, que mexia na bolsa tirando várias coisas.

Mi: Você tem quantos anos?

Beatriz: Eu tenho sete, você é a namorada do meu pai?

Mi: Não, seu pai é feio...- Fiz careta.

Beatriz: Eu gostei que você veio no cinema com a gente. Minha mãe diz que eu não posso falar com gente que ela não conhece, mas você é legal.

Ela voltou a olhar a bolsa, e eu olhei pra fila da pipoca, vendo que o Coringa já tava sendo atendido.

Em poucos minutos ele voltou, com dois baldes, um grande e o outro menor.

Coringa: Não tenho paciência pra essa porra de filme, mas vamo lá.

Beatriz levantou animada saindo na frente, e a gente logo achou a sala, sentamos nas poltronas do meio, e antes mesmo do filme começar o Coringa já fazia cara de tédio.

Mi: Você é chato assim sempre, ou só as vezes?

Coringa: Eu só vim porque eu quase não saio com ela, mas eu não curto essas parada de filme.- Olhou pra filha, que olhava pra frente concentrada.

Mi: Faz um esforço pelo menos.

Ele concordou com a cabeça olhando pra frente, e logo o filme começou.

Em pouco tempo depois ele dava risada com as cenas engraçadas, e eu também ria, só que da cara dele.

Ele se mexeu olhando pra frente, mas depois virou o rosto pra mim, colocando a mão na minha coxa.

Mi: Sem mão boba, por favor.

Coringa: Foi sem querer.

Mi: Uhum, tá.

....

O filme já tinha acabado, e eu tava morta de sono, quase caindo pro lado. Beatriz tava no banheiro, e nós estávamos na frente, esperando ela.

Mi: Percebi que você tem uma ótima relação com a Beatriz.- Comentei, olhando pro lado.- e como é com a mãe dela?

Coringa: Na maioria das vezes é de boa, mas tem vezes que a doida se joga pra cima de mim.- Riu.- sabe como é mulher né? Não aguenta ver um cara com carro, moto, e dinheiro que já quer, ela sabe que nós não dá certo, mas ela quer a fama.

Mi: Você fala no modo geral, e isso fica chato. Porque existe mulher que trabalha pra ter o seu, e não fica dependendo de macho.

Coringa: Não é o teu caso né?

Mi: Como assim? - Perguntei, não entendo o que ele falou.

Coringa: Ah, colé. Vai dizer que tu não tava com o outro lá por interesse, por amor que não era né. Mulher é tudo igual pô, só quer status e ser bancada.

Olhei com nojo pra ele, e virei o rosto não acreditando que ele tinha falado aquilo pra mim.

Mi: Você conseguiu estragar a noite que até tava sendo legal.- Olhei pra ele.- isso foi escroto.

Ele deu de ombros virando o rosto, parecendo nem se importar pelo fato de que eu fiquei ofendida, por ele ter me chamado de interesseira.

Mi: Tchau, gatinha.- Falei com a Beatriz que tava saindo do banheiro, e ela sorriu pra mim.

Coringa: Eu te levo.

Mi: Não precisa, eu tenho dinheiro pra pagar um uber.- Respondi grossa, e fui andando, pro lado oposto.

Olhei meu celular que marcava quase meia noite, e vi que tinha chegado mensagem dele, "não foi o que eu quis dizer". Ignorei aquilo, saindo do whats, e fui pedir meu uber, lembrando de tudo e sentindo ranço do Coringa.

▪▪▪
+100

No MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora