Capítulo dez

96.1K 6.7K 6.1K
                                    

Milena🌸

Mensagens💗

021xx: Eai, loira. (18h23)

Mi: quando ia me contar que tem mulher? (18h24)

021xx: Se eu tivesse uma, eu contaria menó. (18h24)

Mi: E a menina que tava se esfregando no seu colo ontem? (18h25)

021xx: Uma doida ai. (18h25)

Mi: hm. (18h25)

021xx: ae, bora dar um rolê comigo? Pra nós se conhecer e pá. (18h26)

Mi: posso confiar? (18h26)

021xx: Se eu quisesse te matar ou fazer qualquer merda, eu já tinha feito, com bandido não tem vez, princesa. (Áudio) (18h27)

Mi: vou te mandar a localização. (18h27)

021xx: De boa.✌ (18h27)

Mensagens💗

Escutei o áudio dele me chamando de princesa mais uma vez, e deu risada comigo mesmo.

Ok, talvez eu poderia estar me arriscando demais, confiando nesse homem, mas se eu tivesse que me lamentar depois, seria por não ter feito o que eu tive vontade.

Em menos de trinta minutos, ele apareceu, eu já estava vestida, tava um pouco frio, então eu fui pegar uma blusa.

Ele tava de calça, e uma camisa, e nem parecia sentir frio nos braços.

Coringa: Tu come hot dog, ou é enjoada?

Mi: Eu sou enjoada só porque moro em apartamento? - Perguntei, passando a chave na porta.

Coringa: É pô.

Mi: Então eu seria totalmente hipócrita, se falasse que todos que moram em favela, são bandidos.

Coringa: Você tá errada, e eu tô certo, aceita que dói menos.- Eu ri, da cara dele.

Descemos de elevador, eu desejei boa noite pro porteiro, e nós andamos até a moto dele, que tava na calçada.

Coringa: Tem medo de moto não né?

Mi: Não, mas eu também não sou acostumada.

Coringa: É de boa, normalmente as pessoas caem, quebra um braço, uma perna. Ou até os dois junto, mas é tudo suave, isso quando você não morre.

Mi: Agora vou ter que chamar um uber.- Ele riu, ligando a moto, e eu subi na garupa.

Ele parou em um lugar bem próximo a praia.

Minha boca já salivou quando eu senti o cheiro do hot dog.

Descemos da moto, eu fui caminhando de braços cruzados por causa do vento, e a gente sentou em uma das mesas que tinha ali.

Mi: Você vem sempre pra cá? Mesmo sabendo que é arriscado?

Coringa: Hoje por exemplo, eu tô me arriscando pra caralho. Fugi do presídio tem nem três dias, e tô aqui, com uma loira chatinha, fé.

Mi: Era pra eu me sentir ofendida? Porque não funcionou...- Dei língua pra ele.

A mulher veio atender a nossa mesa, eu pedi um sem mostarda, e ele um completo, junto com duas latinhas de coca.

Eu não sei se o Coringa tava forçando simpatia, pra me fazer confiar e gostar dele. Ou se realmente ele fosse essa pessoa que faz piada, e as vezes fica com cara de cu do nada.

Tentei puxar assunto, mas ele nem rendeu muito, só ficava com a cara no celular, então fiz o mesmo.

Depois de um tempo tirei o olhar do celular, e percebi que ele me olhava, mas depois virou o rosto, semicerrei os olhos ainda encarando, e foi o suficiente pra gente começar a rir igual dois idiotas.

▪▪▪
+100

No MorroOnde as histórias ganham vida. Descobre agora