Capítulo 1 e 2

Começar do início

Um dia o Joca, atual empresário da banda, entrou em contato conosco convidando para participar de um festival de música nos Estados Unidos. Desse dia em diante a banda passou a ganhar o mundo.

Infelizmente o Tavinho, não quis seguir a carreira de músico. Segundo ele, não era a vida que queria.

Já que está de volta, que tal irmos à um novo Pub que abriu recentemente aqui perto de casa para tomarmos uma cerveja e colocar a conversa em dia? Tenho trabalhado demais esses últimos dias e estou precisar relaxar um pouco.

— Acho uma excelente ideia. Pode deixar que falo com Tony. Que horas?

— Pode ser às vinte horas.

— Ok! Até mais tarde.

Encerrei a ligação e fui terminar de ajeitar as minhas coisas, mas antes enviei uma mensagem para o Tony.

R: E ai, já descansou esse corpo magrelo? Rs

T: Muito engraçadinho você. Acabei de acordar com bip de sua mensagem. O que você quer? Já está com saudade? Rs

R: Hahaha. O Tavinho acabou de me ligar chamando para sairmos para tomar umas. E ai anima?

T: Claro. Tem muito tempo que não vejo aquele paspalho. Eu passo em sua casa, porque te conhecendo como conheço vai encher a cara hoje.

R: Até parece. Mas aceito sua carona. Kkkk. Combinei as 20h na casa dele.

T: Ok! Passo em seu apartamento umas sete e meia. Até mais tarde.

R: Beleza.

Aproveitei que tinha terminado de colocar tudo em ordem e fui descansar um pouco. Acordei com meu telefone tocando. Atendi meio que dormindo ainda. Era umas dessas ligações que sua operadora te liga e fica te oferecendo um tanto merda, mesmo você falando que não está afim. Desliguei antes da moça completar sua frase. Sei que foi grosseria, mas foda-se. Quem mandou ela me acordar. Uma coisa que me deixava puto da vida era ser acordado quando estava em um sono bom.

Como ainda faltava duas horas para o Tony chegar e eu não conseguia mais dormir, aproveitei para tomar meu banho, fazer a barba e comer alguma coisa. Beber sem nada no estômago era problema na certa.

Na hora marcada Tony passou aqui em casa e seguimos para o apartamento do Tavinho. Quarenta minutos depois estávamos apertando sua campainha.

— E ai caras, quanto tempo. — Cumprimentou-nos com um abraço.

— Nossa, você continua feio como sempre. — Soltei uma gargalhada e levei em troca um soco no ombro de brincadeira.

— Como você aguenta esse idiota Tony? — Perguntou rindo.

— Também não sei. Acho que é porque ele fica falando que quer ser lindo igual eu. — Nós três rimos.

— Meu Deus, vocês não mudam, não é? Um palhaço e o outro convencido. — Falou rindo. — Querem beber alguma coisa antes de irmos?

— Para mim um whisky. — Pedi.

— E para mim apenas uma água com gás. Sou o motorista da vez. — Tony falou rindo.

— Como se você não fosse sempre. — Falei dando um tapa em sua cabeça igual fazia quando éramos adolescentes.

Ficamos conversando durante um tempo e depois seguimos a pé para o Black Label. Um pub que a Mari tinha indicado para o Tavinho que ficava perto da sua casa. Ele tinha sido aberto há menos de um mês atrás.

Ao chegarmos no local, fiquei admirado com o lugar. Era bem bacana. Tinha dois ambientes. Uma pista de dança com DJ e um pequeno palco e outro mais reservado com algumas mesas e cadeiras para quem quisesse conversar sem precisar ficar gritando. Como queríamos evitar a multidão e os ataques das fãs decidimos pelo o segundo, até mesmo porque seria melhor para podermos conversarmos com tranquilidade.

Pedimos uma garrafa de Black Label e iniciamos a nossa noite, colocando o papo em dia.

Por volta das quatro da madrugada fomos embora os três rindo igual bobos como nos velhos tempos. Não sabia quem estava mais bêbado. O Tavinho ou eu. O Tony mesmo não tendo bebido parecia que estava mais tonto que nós. Ou eu estava mais ruim do que imaginava.

Eram momentos bons como esse que me perguntava se tinha tomado a decisão certa. Se a vida louca de rockstar era melhor do que o anonimato. 

*************************************************************************************

O capítulo de hoje é dedicado a todas vocês que adoram nossas estórias e que sempre participam.  

Meninas, vamos sair do outro lado da vida e vir a tona!!!! Deixem de ser fantasminhas e sejam camaradas!!!! 

Apareçam, comentem , curtam...

Deixem seus recados, críticas, sugestões. Esse feedback nos ajuda a melhorar e nos motiva a continuar.

Beijos

Bmr Arbeit

P.S.: Se você ainda não faz parte do nosso grupo no Facebook, me adicione no face e solicite para ser adicionado ao grupo. É só procurar por Bmr Arbeit

 Adicione o Rafa e Manu no skoob:

http://www.skoob.com.br/livro/412870-eletricidade-do-amor

 Postagens todo domingo

  *************************************************************************************

Eletricidade do Amor - Série Artimanhas do Destino #3 #wattys2015Where stories live. Discover now