Capítulo 84

1.3K 251 373

It's waiting in shadows
My every turn feels haunted
It hits me like arrows

Está esperando nas sombras
Todas as minhas reviravoltas parecem assombradas
Me atingem como flechas

— Não fazia ideia de que eles viriam pelo outro lado. — Sebastian se justifica para Matt depois de nos fazer parar o carro no meio da floresta. Pego uma das mochilas, mesmo sem saber de quem é, e tiro duas garrafas de água. Abro uma e tomo um pouco para tentar me acalmar um pouco.

— Não tínhamos como saber, não há estradas do outro lado — Matt responde. Claro que não deveríamos ter ignorado este pormenor, mas não adianta pensar nisso agora. O Lucas, o Philip e a garota ainda estão desaparecidos, e é este problema que temos que tentar resolver.

Ignoro o nervosismo e saio do carro mesmo que minhas pernas continuem tremendo.

— Deixa eu ver isso — peço para Matt, forçando-o a andar para trás e se sentar no capô da viatura. Entrego a garrafa para ele que abre e dá um gole parecendo sedento. Pego a lanterna, direciono a luz para a testa dele e vejo mais uma vez o ferimento que realmente não parece fundo. E, então, reparo que ele está com um braço flexionado e junto ao corpo. — O que aconteceu?

— Devo ter caído de mau jeito, mas não é nada — declara, mas foge do meu toque quando tento colocar a mão no ombro dele. — Ele só começou a doer há pouco e consigo movê-lo.

— De qualquer forma, temos que ir — digo, apesar de já ter descartado uma possível luxação no ombro. Conseguir mover é um bom sinal. — Temos que ver isso.

— A Emily tem razão, Matt — Sebastian fala despedindo-se. — Vão rápido e evitem sair nos próximos dias.

— Obrigado pela ajuda, Sebastian — Matt agradece. — O Nathaniel vai saber de tudo o que vocês fizeram por nós.

— Disponha! Espero que o Philip e o Lucas retornem em segurança. — Ele dá a volta ao carro, mas antes de abrir a porta volta a falar. — Vocês precisam ir para um lugar com telefone para nos comunicarmos. De qualquer forma, amanhã, se eles não tiverem voltado, vou colocar todos na rua à procura deles.

Espero que não seja necessário, mas as palavras do Sebastian me fazem sentir um pouco de alívio.

Matt se despede dele com um aperto de mão e voltamos para o carro.

No resto do caminho, eles falam sobre tudo o que aconteceu, o que deu errado, o que deu certo. Não é difícil me abstrair da conversa quando começo a pensar no Lucas. Claro que o meu coração está bem mais calmo, eles conseguiram fugir. Só espero que não demorem muito para retornarem para o hospital, não preciso de mais um motivo para aumentar a minha ansiedade.

Após pegarmos a estrada principal, em poucos minutos estacionarmos em frente ao prédio que tem sido nosso abrigo nos últimos dias. Corremos para dentro do edifício fugindo do frio. Subo no elevador e avanço rápido pelo corredor com esperança de encontrar o Lucas lá. Matt está ao meu lado, Kyle, Vitor e James vêm logo atrás.

— Ele voltou? — pergunto para Mere que caminha na nossa direção com uma expressão de alívio no rosto. — O Lucas voltou, Mere?

— Não — diz e suspira fundo no final olhando para o Matt ao meu lado. Há manchas de sangue por todo rosto dele. — Vocês não conseguiram... — Ela para subitamente quando consegue ver melhor o rosto dele. O alívio que expressava rapidamente se transforma em preocupação. — O que aconteceu? — pergunta nervosa.

Matt conta sobre a explosão e faz um pequeno resumo de tudo o que aconteceu, deixando-a assustada.

Entramos na enfermaria, e Matt se senta em uma das macas. Ela tira o casaco dele, que geme um pouco quando move o braço. Ajudo a tirar o suéter, e o ombro está realmente no lugar, o que me faz soltar um suspiro de alívio.

A Resistência | Contra o Tempo (Livro 2)Where stories live. Discover now