Capítulo Setenta e Um

425 69 79

Algo suave fazia cócegas contra as pernas de Elisa. Aquele carinho foi tirando-a, lentamente, do torpor do sono. Ela piscou algumas vezes, tentando entender onde estava.

Dedos macios e firmes continuavam as carícias para cima e para baixo, contornando sua bunda e massageando suas costas de leve.

Aquilo sim era vida.

– Finalmente acordou, dorminhoca?

Ela olhou para o lado. Marco estava deitado, observando-a com ar divertido, e sua mão permanecia tocando-a com extremo cuidado.

A luz do abajur era tênue no ambiente, e ela pôde observar o brilho dos cabelos loiros e curtos refletindo nela. Ele estava de camiseta e calça de moletom, os pés descalços, focado no trabalho que tinha em mãos: ela.

Elisa sorriu, ajeitou-se melhor contra o travesseiro e se deixou massagear.

Instantes – ou minutos – depois, um hálito quente soprou em sua orelha juntamente com as palavras:

– Vai dormir de novo?

Ela se arrepiou toda. O que era aquela voz rouca?

– Depende. Como pretende me convencer a ficar acordada?

Elisa ainda não havia voltado a abrir os olhos, então não viu o sorriso de Marco. Também não fazia ideia do que se passava na mente dele.

Sendo assim, foi uma agradável surpresa quando sentiu seus lábios seguirem para seu pescoço. Um beijo quente e cheio de vontade a fez gemer.

Isso sim é argumento.

Ela ergueu as mãos, prestes a segurá-lo pelos ombros, mas ele logo se afastou.

– É tarde. O que você vai querer fazer hoje?

Elisa piscou, tentando entender a pergunta.

– Quero fazer isso que já estávamos fazendo, ué.

– E estávamos fazendo o quê? – Ele arqueou uma sobrancelha, e o brilho nos olhos cinzentos era de diversão.

– Sexo. – Um assunto com o qual ninguém deveria brincar.

– Que eu saiba, estava só lhe fazendo uma massagem. – Marco voltou a se acomodar perto de seus pés, pegando um deles e pressionando-o, o que a fez gemer de satisfação.

Aquilo era bom demais. Porém, não era sexo. E ela precisava se satisfazer em outras áreas.

– Sorvete e sexo, Marco Greier. Esse foi o combinado.

Ele fez um movimento firme com os dedos no tornozelo dela e Elisa quase perdeu as forças.

Esse homem é bom mesmo com as mãos.

– Vamos ver...

Que tipo de resposta era aquela?

Ela o observou novamente.

– Está acordado há muito tempo?

Marco largou o pé que esfregava e pegou o outro, o que a fez soltar uma pequena lamúria antes de suspirar com aquela massagem.

Que não era sexo, mas era boa demais.

– Mais ou menos. Havia dormido um pouco com você, mas depois me levantei. Estava esperando, porém tive que dar um incentivo para a senhorita voltar do mundo dos sonhos.

– Esse incentivo está é me dando sono novamente.

Marco depositou o pé que massageava sobre seu pênis. Ela sentiu o quanto ele estava excitado.

Meu Adorável AdvogadoWhere stories live. Discover now