Capítulo 9

100 18 20

Sabe quando você não tem certeza do que fazer? É assim que estou, ao mesmo tempo que sempre quis ir para a Europa, agora eu não quero tanto. Sempre sonhei em ir para lá, mas não para fazer algo que eu não gosto ou que não me pertença.

Quero poder sair com meus amigos para comemorar o final de semestre, concluir minha faculdade sem pressa e trabalhar em uma empresa de jogos para ter uma certa noção de como as coisas funcionam nesse mundo de design de games e quem sabe abrir minha própria empresa em um futuro, após adquirir experiências?!! Quero ser uma jovem normal, onde tenho sonhos e luto para eles tornarem realidade.

É isso que quero falar para os meus pais, fazem apenas dois dias que liguei para eles falando que tinha algo de importante para anunciar, mas não sei se fiz o certo, não tenho coragem, lógico que não, nunca fiz isso: contrariar os meus pais.

— Se você continuar andando de um lado para o outro desse jeito, vai acabar no dormitório do andar de baixo. Tenho certeza que isso não vai ser uma experiência muito legal. – Ruby diz pausando sua série em seu computador.

— Não consigo, estou nervosa. Não sei o que falar, fazer ou pensar. Estou uma completa confusão.

— Quer falar o que está te preocupando ?

Depois dessa brecha apenas me sento de frente para Ruby e desabafo todo a minha incerteza – acho que posso chamar assim –, sobre não saber o que fazer em relação a minha viagem para Europa.

Ela escuta atenta todo o meu falatório, apenas me deixa falar tudo de uma vez e só quando finalizo que ela começa a dar o seus melhores concelhos.

— Não acha que já está na hora de sair debaixo das asas dos seus pais?
— Sabe, eu realmente acho que você deve fazer o que você mesma falou o que quer. Sair com os amigos, terminar a faculdade de forma "tranquila" e pegar experiências na profissão escolhida e quem sabe em algum futuro abrir sua própria empresa.
— Então a pergunta que você ainda não fez a si mesma. O que você quer? Sem as opiniões dos seus pais e do seu irmão, apenas a sua opinião.
— Você já deu o primeiro passo, escolhendo um curso que você quis e não administração, o que sua família queria.
— Apenas escolha o que você apenas você quer, só isso. Sem interferência da minha parte, da sua mãe, do seu pai, do seu irmão, avó, avô, tio, tia.

Depois do concelho que recebo, fico pensando: o que eu quero? O que  eu realmente quero?

[...]

Meus pais me olham esperando eu falar o que é de tamanha importância para eles terem que desmarcar seus compromissos – que eu achei desnecessário esse ato deles, pois não falei que era urgente, apenas que é importante –, ainda não sei como contar o que decidi, o medo continua me consumindo aos poucos. Olho para eles e finalmente resolvo soltar a bomba.

— Não quero ir mais para a Europa! - falo rápido e assim que termino solto o ar que nem percebi que estava segurando.

— Podemos escolher out... - Meu pai começa a falar mas falo antes dele concluir sua frase.

— Não é isso! Eu não quero administrar a empresa da família, em nenhum lugar, em nenhuma época, apenas quero seguir com o que escolhi fazer. Programar jogos.

— Mas você estava tão empolgada para ir. – mamãe fala com sua voz calma.

— Estava empolgada para ir a Europa, não para trabalhar em uma empresa que não quero. Realmente, sempre sonhei em ir para a Europa, mais não para fazer algo que estou sendo obrigada, mas sim para me divertir.

— Eu realmente não quero ir e acredito que isso seja o melhor a ser feito. – completo minha fala esperando eles falarem algo mais.

O silêncio reina depois que termino de falar, aquele silêncio incômodo onde ninguém sabe o que falar e evitam o olhar um do outro, ou no meu caso se encaram vendo através de seus olhos mais não obtendo nenhuma resposta, até que escuto a frase que nunca pensei em escutar.

Love and Game | Kim TaehyungOnde as histórias ganham vida. Descobre agora