Capítulo Quarenta e Um

2.7K 513 389

Adrian D'Ávila

Acompanho o momento exato em que Castiel perde a consciência e seu corpo vai de encontro ao chão. Sem pensar em nada mais, deixo a caixinha cair da minha mão e vou de encontro a ele, impedindo que ele bata a cabeça na cadeira logo atrás. Sinto meu coração acelerado no peito e tudo piora ao ver a palidez em seu rosto.

Ouço vozes preocupadas ao meu redor, mas não presto muita atenção nisso e procuro por meu irmão em meio a todos.

- Leve ele para o quarto, já estou indo. - Marcos avisa e eu assinto com a cabeça, ainda agindo no automático.

Escuto o choro de Evan e sinto meu peito se apertar ainda mais, mas não posso fazer muita coisa pelo meu filho nesse momento. Subo as escadas com pressa e chego até meu quarto, colocando Castiel com cuidado na cama.

Olho para seu rosto pálido e tento entender o que acabou de acontecer. Eu estava o pedindo em casamento em um segundo, e no outro ele estava indo rumo ao chão. Deus, só com a gente para acontecer essas coisas.

Escuto barulho de passos e quando olho em direção à porta, vejo meu irmão Marcos, carregando sua maleta em uma das mãos.

- Eu não entendo o que aconteceu, ele estava bem. - Falo e me levanto da cama, deixando espaço para ele o examinar.

- Calma, não deve ser nada grave. - Marcos tenta me acalmar, mas isso não funciona.

Ele se senta ao lado de Cas na cama e abre sua maleta, tirando um estetoscópio de lá. Ele escuta seus batimentos cardíacos e logo em seguida mede a pressão dele.

- Ele reclamou de algo? - Ele pergunta e estou pronto para negar, quando lembro de algumas coisas.

- Tem alguns dias que ele está vomitando e reclamando de dores de cabeça. Ele teve também algumas tonturas. Insisti para ele ir ao médico, mas sabe como ele é. - Respondo e solto um suspiro frustrado.

- Isso diz muita coisa. - Marcos fala com um sorriso pequeno e olho para ele confuso. Sério que meu irmão está rindo da desgraça alheia?

- Por que está rindo? Isso não tem graça. - Falo com raiva e meu irmão somente me ignora.

Observo ele levantar a blusa que Castiel veste e pressionar sua barriga algumas vezes. E se dando por satisfeito, ele abaixa a peça de roupa e se levanta logo em seguida, indo até o banheiro do quarto.

Fico em silêncio, ainda tentando entender tudo e vejo meu irmão voltando com um vidro de álcool e uma toalha de rosto nas mãos. Ele volta a se sentar na beirada da cama e molha o pano com um pouco de álcool, levando até o nariz de Castiel em seguida.

Demora alguns segundos, mas logo vejo que Castiel começa a voltar a si e abre seus olhos devagar. Um alívio enorme toma conta de mim e me aproximo dele, me abaixando ao lado da cama e pego em sua mão.

- Como se sente, Castiel? - Marcos pergunta com a voz calma e mantém seus olhos nele, o observando.

- Um pouco tonto e enjoado. - Ele responde com a voz um pouco baixa demais.

Os olhos dele se encontram com os meus em seguida e abro um sorriso calmo em sua direção, querendo dizer que está tudo bem.

Percebo que ele quer se sentar, e o ajudo a se ajeitar melhor na cama, apoiando suas costas na cabeceira do móvel. Me sento ao seu lado e sinto quando ele me abraça e deita a cabeça em meu peito, fechando seus olhos em seguida.

- O que aconteceu? - Ele pergunta baixo e olho em direção ao meu irmão.

- Você teve uma queda de pressão. Posso te fazer algumas perguntas? - Marcos questiona e Cas abre os olhos, o olhando em seguida e assentando com a cabeça.

Cowboy Indomável (Mpreg) - Duologia "Indomável" - Livro 02Onde as histórias ganham vida. Descobre agora