Capítulo Trinta e Seis

3.1K 555 335

Adrian D'Ávila

Alguns meses depois...

Observo a imagem de Castiel com nosso afilhado Otávio em seus braços e um sorriso involuntário se abre em meu rosto. Evan está sentadinho ao lado do papa dele e olha encantado para o pequeno bebê.

Quando chegamos ontem a cidade para o chá de bebê surpresa dos gêmeos, não imaginamos que eles estariam conosco em tão pouco tempo. E muito menos que Angie e Enzo iriam nos convidar para sermos padrinhos de Otávio. Foi uma surpresa para todos quando Angie entrou em trabalho de parto do meio da festa, mas agora só há sorrisos bobos nos rostos de todos que vêem os gêmeos.

É incrível ver como cada um deles puxou características de um dos pais. Otávio tem a mesma cor de Angie, os olhos castanhos iguais aos da avó materna e os cabelos também acastanhado. Já Giovani, tem a pele clara, os olhos azuis idênticos aos pais e os cabelos loiros. Mas mesmos não sendo iguais na aparência, já se pode ver que há uma conexão incrível entre os dois bebês.

- Amor? Quer segurar ele também? - A voz de Castiel me desperta dos meus pensamentos e me aproximo dele, que está sentado em uma poltrona no quarto de hospital.

- Tenho medo de machucar ele. - Confesso e ele sorri pra mim.

- Você não vai. - Ele diz com convicção e se levanta em seguida com o bebê em seus braços.

E tenho que confessar uma coisa, a imagem de Castiel com um bebê nos braços é a coisa mais linda que existe. E a vontade de poder ter mais filhos com ele, só aumenta em meu peito. Evan já é uma parte importante da minha vida, meu primogênito. Mas ainda há um desejo enorme em mim de ser pai mais vezes. Poder acompanhar todas as fases de uma gravidez que seja de um fruto cheio de amor.

- Faça com os seus braços, o mesmo que estou fazendo com os meus. - Cas fala suavemente e eu faço o que ele me pede. Em seguida ele passa o pequeno corpo frágil para meus braços e mesmo com muito medo de machucar Otávio, eu acabo o pegando com o máximo de cuidado, o ajeitando em meus braços.

Me sento na poltrona que ele estava antes e logo sinto um peso em minha perna. Sorrio ao ver Evan com o rostinho encostado em minha coxa, enquanto olha fixamente para o bebê em meus braços.

- Nené me? - Ele pergunta e isso me faz rir.

- Não ruivinho, o bebê é seu priminho, mas não é seu. - Falo ainda rindo e escuto mais algumas risadas no quarto.

- Quem sabe no futuro, foguinho?! - Angie provoca e vejo Enzo formar uma careta, enquanto segura Giovani em seus braços, sentado ao lado de Angie na cama hospitalar.

- Nosso filho acabou de nascer, anjo... não me faça perder os cabelos desde já. - Enzo resmunga e isso nos faz rir ainda mais.

- Nené du Eva! - Evan resmunga e faz um bico nos lábios, o que deixa ele ainda mais fofo.

Levanto uma sobrancelha enquanto olho para meu filho já todo apaixonado pelo primo e volto a olhar o bebê em seguida, que ainda dorme tranqüilamente em meus braços.

- Calma filho, cresça primeiro e enfrente seu tio depois. - Entro na onda e ouço Enzo bufar.

- Vocês são impossíveis, hein! - Castiel fala rindo baixo e sorrio para ele.

- Deixando esse assunto de futuro casal de lado, só para lembrar... os padrinhos tem a obrigação de ficar com os afilhados quando os papais deles quiserem privacidade. - Ângelo fala e é impossível não rir.

- Angie! - Enzo o repreende, mas ele nem liga e apenas continua sorrindo.

- Estou falando sério, já avisei o Lucio e a Maju também. - Ele diz e Enzo até tapa o rosto com a mão livre, balançando a cabeça em negação.

Cowboy Indomável (Mpreg) - Duologia "Indomável" - Livro 02Onde as histórias ganham vida. Descobre agora