Capítulo 6 (Parte IV) - Eva

1.7K 434 101



Oi, amorecos, mais um capítulo para vocês!

Hoje não vou postar o desafio conforme prometido, porque estou terminando o último capítulo do livro e quero me dedicar a ele, mas prometo fazer na semana que vem, tudo bem?

Lembrando que quinta, 04/07 UMQN estará completinho na Amazon. Estou louca para vocês lerem toda a história... Mas não se preocupem que as postagens daqui continuam até o final, ok?

Então simbora de capítulo! 

Tenho que lembrá-los outra vez: fiquem atentos aos detalhes! Então deliciem-se com nosso Futuro Duque!

^^

ps.: Quero muitos comentários para saber o que vocês acham e mostrarem o quanto estão felizes pela chegada dele. Vai que vem mais em breve? ps.2: Nunca mais avisei isso, mas meu wattpad raramente consegue responder algum comentário, mas isso não me impede de me deliciar com o que vocês escrevem aqui. Leio tudo!

<3

................................................

Em algum momentoacabei cochilando no sofá, estava mesmo cansada das noites mal dormidas. Acordei de súbito, arfando na penumbra, sentindo o coração acelerado e notei que não estava mais deitada na sala e sim na cama do quarto de Taddeo, o que significava que eu tinha sido levada até ali. Meus olhos vagaram pelo ambiente escuro e encontraram os dele, fixos nos meus, sentado na poltrona ao lado de onde eu repousava, como se tivessem me observando enquanto dormia.

— Oi — sussurrei, sentando-me na cama sem deixar de fitá-lo.

Taddeo não disse nada, apenas permaneceu imóvel, calado, o maxilar cerrado, a expressão séria de quem parecia incomodado por algum motivo.

— Aconteceu alguma coisa? — eu quis saber, encarando os olhos que pareciam escuros e sem brilho, quase sombrios. Engoli em seco, um frio estranho tomando conta de mim de repente.

— Nada. — se limitou a dizer e com destreza de um caçador indo em busca da presa, se aproximou devagar e quando o fez, toquei seu rosto e ele estremeceu sob meus dedos.

O sorriso que recebi me lembrou dos nossos primeiros dias de casados, onde ele fazia de tudo para me machucar, infringindo tanta dor quanto possível, mas que no passar dos dias o gélido dera lugar ao cálido. E por algum motivo, aquele homem frio parecia ter retornado. Ainda assim, por alguma razão que me escapava, eu precisava do toque dele... Desesperadamente.

Taddeo também pareceu se sentir da mesma maneira, pois me puxou pelos cabelos da nuca, os olhos duros, encarando-me como se quisesse enxergar tudo que tentava esconder, ainda assim não parecia ser capaz de disfarçar o desejo que era muito maior do que a tempestade que tomara conta dele.

Sem proferir uma palavra, a boca tomou a minha num beijo selvagem, as mãos masculinas deslizando pelo meu corpo com possessividade e rudeza. Despiu-me rapidamente e então deslizou os lábios pelo meu pescoço, sugando em seguida meus seios com avidez e separando-me as pernas, introduziu dois dedos dentro dentro de mim. E depois de me fazer voltar a deitar na cama, arreganhou minhas coxas para em seguida abocanhar o sexo sedento por ele.

Taddeo parecia esfomeado enquanto me chupava e lambia, rosnando como um animal completamente fora de si. Joguei a cabeça para trás quando ele alcançou com os dedos um ponto perfeito dentro de mim, misturado com a eficiência da língua que circulavam meu clitóris.

— Você adora isso, não é, sua diaba? — a voz dele era dura quando perguntou e nem mesmo esperou por uma resposta, voltando a sugar minha carne com força, chupando, devorando-me, como a melhor das sobremesas. Comendo-me com a boca e me enlouquecendo, de uma maneira que lhe era tão peculiar que eu não podia fazer nada além de gritar pelo prazer que me proporcionava.

Meus quadris se mexiam por vontade própria contra sua boca, querendo, implorando por mais. Meu corpo se sacudiu quando as leves sucções e lambidas perfeitas me levaram à beira do orgasmo, cada pedaço meu se sacudindo violentamente enquanto gozava, chorava, seu nome saindo de minha boca como uma oração.

Quando se levantou, tentei pensar em algo para dizer, mas simplesmente não consegui quando o olhar feroz e cheio de luxúria me paralisou. Em seguida ouvi o barulho do zíper sendo aberto e antes que pudesse sequer retornar por completo do êxtase, senti meu sexo sendo preenchido num golpe vigoroso, esticando-me até o fundo. Um grito me escapou dos lábios, pois ele era muito grande e grosso, não era tão fácil de levar e seria o suficiente para me rasgar totalmente se eu não tivesse completamente encharcada.

Arfei, sentindo-o tirar tudo e enfiar novamente de forma ainda mais bruta e ele não parou, continuou me comendo sem trégua, penetrando-me profundamente com movimentos quase furiosos. Arremetendo contra mim com uma ferocidade e maestria, deixou-me insana, estremecendo e gemendo, quase à beira do orgasmo outra vez.

Uma onda de prazer reverberou pelo meu corpo, intensificando a cada arremetida e logo gozava novamente, chamando seu nome em um grito agudo, tudo em mim vibrando em meio ao delírio. Com uma risada cruel, Taddeo aumentou a velocidade dos golpes precisos, a pélvis se chocando violentamente contra mim e querendo-o louco, apertei seu pau com meu interior e ele soltou um palavrão quando o fiz, ainda assim não parou.

Mole sob o corpo dele, estava como sempre completamente entregue, dominada. Era a submissa dele, a que ele tanto gostava que eu fosse e a que eu tinha prazer em ser por e para ele. Gritei outra vez quando um rosnado animalesco saiu da sua garganta e Taddeo passou a me foder, realmente a me foder em todos os sentidos da palavra. Ele foi impiedoso e não parou, meu corpo todo sacudindo com a violência de seus golpes, o êxtase vindo ao meu encontro outra vez.

Um som estrangulado lhe escapou, antes de grunhir, quase como se estivesse agoniado e de alguma maneira aquilo o tivesse feito sentir dor, então jogou a cabeça para trás, fechando os olhos, estremecendo longamente, entregando-se ao clímax. O corpo grande e musculoso estremecendo, até os movimentos diminuírem a velocidade e então finalmente parar, arfante.

Os olhos azuis ainda estavam escuros, encarando-me tempestuosos. Estava meio zonza ainda e diferente das últimas vezes que prolongava mais nossos momentos juntos, Taddeo soltou-me bruscamente e então levantou-se de uma vez. A expressão fria estava de volta quando começou a se recompor e se vestir com rudeza.

Algo estava acontecendo, eu sentia. Só que não deixaria que nada lhe perturbasse ou o afastasse de mim outra vez. Não quando começava a nos sentir tão próximos e eu amava aquilo. Levantei-me na cama com o intento de ir até ele e quando notou o que eu faria, encarou-me de forma fria.

— Chega! Acabou a mentira, Eva! Eu já sei de tudo! — o tom dele era sombrio de tal modo que me fez sobressaltar e não me atrevi a aproximar-me mais. — Quero que vá embora! Agora, sua mentirosa! 

.........................................

Ui ui ui! O que será hein? Vamos descobrir em breve!!

Quinta tem mais e também tem lançamento na Amazon! Ansiosas?  ;)

Participe você também do nosso grupo no Facebook: "Livros - Mí Meireles", no link abaixo ou deixa seu email aqui que eu add.

https://www.facebook.com/groups/515712805218690/

Curtam a página: Míddian Meireles

Então a gente se vê no grupo e/ou no próximo capítulo!

beijos e cheiros para vocês! ;)

Mí <3

02/07/19

Uma Mentira Quase Nobre - Completo até 08/11Onde as histórias ganham vida. Descobre agora