Capítulo 73

1.1K 218 210

Look up, call to the sky
Look up and don't ask why

Olhe para cima, clame aos céus
Olhe para cima e não pergunte por quê

— Vocês viram o Vitor — Kyle pergunta caminhando apressado na nossa direção.

— Pronto, perfeito! O Vitor também sumiu? — Matt pergunta irritado.

— Como assim sumiu? O que aconteceu? — A voz do Kyle sai nervosa e o Matt se vira de costa para nós dois colocando as mãos entrelaçadas na parte de trás da cabeça. — Matt, cadê o Vitor? — ele toca no ombro dele, mas Matt não volta a se virar. Kyle olha para mim assustado.

— Ele provavelmente deve ter ido com o Nathan — respondo lentamente e começo a caminhar em direção aos quartos, talvez encontre algo lá, ele não pode ter feito isso comigo. Ouço os passos dos dois atrás de mim.

— Para onde? — Kyle parece realmente assustado. — Vocês podem falar comigo? — pede, mas mesmo sabendo do desespero dele, não tenho mais forças para dizer nada.

— Ainda não sabemos, Kyle — Matt responde. — Ele não falou nada para você? Ele ou o Nathan?

— Não. Eu achava que o Vitor ainda estava dormindo, achei estranho e fui procurá-lo, mas não o encontrei em lugar nenhum.

Entro no quarto do Nathan e olho para a mesa de canto. A mochila dele continua no mesmo lugar de antes.

Sinto meu coração pulsando na garganta quando me lembro dele há algumas horas, da forma como me abraçou, do pouco de tranquilidade que ele me trouxe quando encostei a cabeça no peito dele e adormeci.

Ele sempre foi meu caos, mas não hoje. Hoje ele foi a paz que eu precisava.

Enxugo as lágrimas que as lembranças trouxeram junto com uma dor forte no peito.

Como eu não notei nada? Eu achei que ele tinha pedido perdão por não ter conseguido. Achei que quando ele disse que tudo ficaria bem, era porque ele ficaria ao meu lado como prometeu para o Lucas.

Eu deveria ter perguntado o que tinha acontecido, com quem ele tinha falado... mas achei que isso faria mal para nós dois.

Respiro fundo e vejo o Matt ir até o banheiro. Meus olhos se desviam para o criado-mudo e noto que a arma já não está lá. Kyle apena nos observa da porta com uma expressão confusa. Então reparo que a gaveta do criado-mudo está um pouco aberta e, ao me aproximar mais, vejo um pedaço de papel lá dentro. Mas não consigo pegá-lo, apenas me sento na cama.

— Você está bem? — Matt pergunta preocupado. Após eu confirmar que sim, ele abre a gaveta e desdobra rapidamente o papel. Observo os seus olhos passando pelas frases e uma ruga de preocupação se forma na sua testa.

Droga! — grita depois de ler o que está escrito e me entrega.

O papel treme na minha mão e limpo as lágrimas para conseguir focar as letras.

Estou cumprindo a promessa que te fiz. A promessa que fiz ao Lucas não vou precisar cumprir, ele vai ficar bem! Confia em mim, amor, tenho tudo sob controle! O Vitor vai voltar em breve. Não me procurem! Por favor, Em!
Eu te amo! N.

Abaixo a cabeça e solto o bilhete devagar. Tudo parece em câmera lenta e o observo a cair no chão. Não, eu não vou aguentar isso! Eu não vou conseguir suportar o medo de perder o Nathan também.

Vejo o Kyle se aproximar e pegar o bilhete do chão depois de discutir com o Matt. Ele chama um palavrão quando termina de ler.

— O que ele fez ontem, Matt? — pergunto enquanto as palavras do bilhete ficam passando na minha cabeça. Não me procurem. O Nathan não tem o direito de pedir isso.

— Ele passou o dia falando com alguém! Como não tínhamos o bloqueio de localização, saímos de uma base para a outra para não sermos apanhados se descobrissem onde estávamos. Ele nunca me deixou ficar durante as chamadas, apenas pediu para eu confiar nele.

— Ele mentiu para mim, Matt — digo. — Eu não tinha como saber que ele faria isso, eu teria impedido. — Sinto culpa e raiva de mim por não ter previsto isso. — Você sabe disso, não sabe? Eu não permitiria que ele fizesse isso, mas ele mentiu...

— Ele nunca faria isso, Emily — Matt o defende. — Ele pode ter omitido, mas não mentiu para você. O Nathan não é assim. E não se torture, você não tinha como saber. Eu sabia que ele estava fazendo e mesmo assim não imaginei que chegaria a este ponto.

Forço-me a lembrar da nossa última conversa e percebo que ele não disse que foi falar com a Mad. Ele disse que poderia precisar falar com ela, mas, na noite antes de sair com o Matt, ele falou que iria falar com algumas pessoas na Matriz. Eu estava tão sedada que nem percebi como ele foi vago em tudo o que me disse.

— Eles foram fazer o que? — Kyle pergunta impaciente. Não consigo saber se há mais preocupação ou raiva na voz dele.

— Encontrar o Gabe, provavelmente. — Ouvir isso com todas as letras faz um arrepio passar pelo meu corpo. O Matt sempre disso que isso seria suicídio. A Mad pediu para o Nathan não ir para a Matriz.

— O que? — Kyle não contém o espanto. — O Gabe vai matar os dois.

— Cala a boca, Kyle — Matt grita chateado. — Você não está ajudando.

Levanto-me quando não consigo respirar.

— Desculpa, Em — Kyle pede quando tento passar por ele e então me abraça. Sinto as lágrimas caírem sem conseguir controlar.

— O Vitor vai voltar — digo quando me acalmo um pouco e saio do abraço. Não posso culpá-lo, ele está tão nervoso quanto eu ou o Matt.

— Nossa, gente, procurei vocês em todos os lugares. Emily, você pode vir comigo? — Mere pergunta aparecendo na porta do quarto. — O que está acontecendo? — Nenhum de nós tem coragem de responder, até porque, antes de ela ver as nossas expressões, ela já parecia muito preocupada.

— O que foi, Mere? — Matt pergunta.

— Precisamos baixar a febre do Lucas — passo por ela e ando rápido para a enfermaria. Vejo que o Lucas não está acordando e está tremendo. — Isso é normal, Emily? Os seus pacientes tinham febre?

— Não é normal. Minha mãe nunca teve febre... — Tento me lembrar de algum paciente com este sintoma, mas nada me vem à mente.

Vejo no monitor que os batimentos do Lucas estão muito acelerados. Armon está do lado da maca e Matt para ele se afastar. Troco a água para uma mais fria e volto a refazer as compressas com ajuda da Mere.

Por que isso está acontecendo? Eu não posso perder nem um dos dois. Eu não posso perder os dois.

But hold on, head up, be strong
Oh hold on, hold on until you hear them come
Here they come, oh
Take an angel by the wings
Beg her now for anything
Beg her now for one more day

Mas espere, levante a cabeça, seja forte
Oh, aguente, aguente até ouvi-los vindo
Aí vêm eles
Pegue um anjo pelas asas
Implore por qualquer coisa agora
Implore agora por mais um dia
(Angel By The Wings | Sia)

Vou dizer só uma coisa: estou sofrendo junto com vocês!

Vou dizer só uma coisa: estou sofrendo junto com vocês!

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.
A Resistência | Contra o Tempo (Livro 2)Leia esta história GRATUITAMENTE!