Capítulo 2

272 21 4

Valentina's POV

A última aula do dia passa lentamente. O professor novo não gasta nem 15 minutos pra se apresentar (tudo bem que eu perdi os primeiros minutos da aula), e já começa a falar sobre a matéria do ano letivo.

Luke acaricia meu cabelo conforme ele dirige. Saímos um tanto que tarde da aula hoje: chegamos atrasados na última aula por conta de um trabalho da aula anterior. O novo professor rabugento fez com que fôssemos à sala de Cláudia. Puta drama não?

- Pois bem, - Luke estacionou o carro. - posso te buscar umas oito e meia?

Bom, sim.

Namoro com Felipe desde meus quatorze anos. Um garoto loiro de pele e olhos lindos. Claro que não era nada sério; mas conforme o tempo foi passando, fomos ganhando intimidade. E honestamente? Eu o amo. Ele me faz feliz, e é isso que importa, certo?

Me despeço de meu namorado com um longo beijo conforme meus dedos entrelaçam em seus cabelos. Suas mãos descem até minha cintura e para completar ele me dá um selinho.

- Tchau, amor. - Ele diz e saio do carro.

A casa de meu pai é bem grande. Logo na entrada se vê uma sala de música à esquerda. Meu pai é um músico, apesar dele levar apenas como um hobby. Seu instrumento de preferência é o contra-baixo. Eu? Bom, eu toco o piano. Como um hobby também. Um pouco mais à frente, tem a sala e a cozinha. No andar de cima ficam os quartos.

Agora, a minha mãe? Eu não a conheço. Parece que ela abandonou eu e meu irmão com meu pai. Não tenho problemas com isso. Meu pai conta como mãe, pai, irmão, tio. Tudo.

- Mas o que fez você decidir ser ginecologista? - Giovana pergunta naturalmente para meu pai.

Giovana!

- Querida! - Meu pai vem me cumprimentar quando chego em casa. Parece até estar aliviado que eu cheguei. - Felipe não vai entrar?

- Não. Não hoje.

Giovana levanta preguiçosamente do balcão da cozinha e vem em minha direção. Me olha e me dá um beijo.

- Com licença, Sr. D'Angelo. - Giovana me puxou escada à cima.

Andando pela casa ela cumprimenta meu irmão, David, chega em meu quarto e se deita na cama.

- Não foi à escola hoje porque? - Pergunto guardando meu material.

- Ah, sabe como é. Volta as aulas sempre é um saco. Os mesmos professores e bla bla bla. - Se ajeitou na cama.

- Você discordaria. Tinha que ver o pedaço de mal caminho que é o novo professor de literatura.

- Você é comprometida, garota. - Balança a cabeça em um sinal de desaprovação.

Reflito no que eu acabei de dizer e sem muito esforço concordo com o que ela disse. Como poderia estar pensando nisso?

- Já acabaste o livro? - Aponta para 'Hamlet' em minha mesa de estudo.

- Quase.

- Uma citação? - Ela pergunta com um tom desafiador.

- Dúvida da luz dos astros; Dúvida de que o sol tenha calor; Dúvida até da verdade; Mas confia em meu amor.

Giovana faz uma expressão engraçada com o rosto. Como um sinal de aprovação.

 Como um sinal de aprovação

Ops! Esta imagem não segue as nossas diretrizes de conteúdo. Para continuar a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.
O ProfessorLeia esta história GRATUITAMENTE!