Capítulo 10

1K 237 21

Se antes Bernardo estava nervoso, naquele momento não saberia mais que nome dar a seu infortúnio. As carruagens não paravam de chegar, e cada pessoa que entrava em sua casa o deixava mais desconfortável.

Não havia conseguido encontrar nas lojas da vila, máscaras que dessem para todos. Por isso decidiu que apenas as mulheres as usariam. Pediu que os seus criados distribuíssem as máscaras para as senhoras e senhoritas, antes mesmo que elas descessem das suas carruagens. Apesar de algumas reclamarem que não combinava com o vestido, ou que iria bagunçar o penteado, todas as mulheres portavam máscaras em seus rostos, impedindo assim que ele as reconhecesse. Aquilo dificultaria saber quem deveria convidar para a temporada de campo depois, entretanto, não se importava.

Bernardo a viu de longe descendo as escadas, em um porte áureo que faria muitas moças se empertigarem de inveja. O vestido tinha lhe caído perfeitamente deixava suas curvas perfeitamente evidenciadas. Estava deslumbrante. Por um momento, o barão esqueceu-se de seu próprio desconforto, hipnotizado pela mulher que vinha ao seu encontro.

― Eu sabia que ficaria bonita no vestido quando eu o vi na loja, mas não esperava que ficasse tão linda.

― Obrigada. Eu amei o vestido. ― Samantha sorriu, realmente agradecida e encantada. Se sentia linda e saber que ele também achava, a aqueceu por dentro. ― Mas por que a máscara?

― Apenas assim poderia tê-la a meu lado. ― Bernardo sorriu e estendeu o braço para ela. ― Se importa de receber os convidados comigo?

― Não acredito que seja adequado, como irá me apresentar para as pessoas? ― Samantha sabia que ele não iria apresentá-la com o nome verdadeiro.

― Posso lhe apresentar como Srta. S.? ― O barão sugeriu ― Como todas as mulheres estão mascaradas, acho que revelar o nome diminuiria consideravelmente o mistério.

― Isso dificultará que eu saiba quem é quem. Como saberei quem escolher para a temporada?

― Eu estava ocupado em encontrar o máximo de máscaras possíveis para me preocupar com as consequências que isso causaria, mas devo dizer, não me arrependo.

― Lógico que não, serei eu a adivinhar quem são as damas por trás das máscaras. ― Samantha alfinetou.

― Não seja tão negativa. Veja pelo lado bom, você está aqui comigo. E poderá participar do baile.

― Obrigada por isso, mas me convidar não muda o fato de que dificultou imensamente o meu objetivo. Quer saber? O senhor fez isso, então o senhor resolve. Eu quero os nomes das damas que devo convidar para a temporada. Encontre um jeito de descobrir o nome delas.

― Está me dando ordens, Srta. S? ― Bernardo ergueu uma sobrancelha.

Samantha ficou um pouco envergonhada, não havia percebido que tinha falado em tom imperativo e já estava pronta para se desculpar, até que percebeu que havia deboche no olhar de Montress.

― Peço desculpas. - Respondeu irônica - Permita-me reformular a frase: O senhor poderia fazer a gentileza de me informar, ao final do baile, o nome das damas que lhe despertaram o interesse?

Bernardo segurou-se para não gargalhar em meio a tanta gente.

― Você é uma caixinha de surpresas, mas já devia imaginar que não se acovardaria .

Samantha sorriu com aquele elogio. Percebeu que gostava de provocá-lo, assim como ele parecia ter adquirido o habito de fazer o mesmo com ela.

Seguiram ambos para a entrada. Os convidados continuaram chegando, e Bernardo voltou a ficar tenso. Samantha percebeu quase de imediato aquela situação, que confirmou a suspeita que ela tinha sobre ele ter medo de multidões.

― Por que os homens estão sem máscaras e as mulheres com? ― Samantha perguntou assim notou aquela estranha situação.

― Eu não encontrei máscaras suficientes nas lojas. ― Confidenciou fazendo Samantha segurar a risada. ― Então, ao final, só tinha máscaras para as mulheres.

― Foi muito inteligente ao encontrar essa saída. Porém não direi que foi uma ótima deia, pois a finalidade inicial do baile era apenas selecionar as mulheres que convidará para o baile.

― Eu sei, eu sei, vai ficar sempre repetindo isso?

― Obviamente.

Bernardo revirou os olhos e voltou a recepcionar os convidados que se aproximavam.

Samantha notou que, enquanto conversavam, Bernardo se acalmava. Então decidiu que tentaria distrai-lo o máximo que pudesse, afinal, queria que aquele fosse um momento tão agradável para ele, quanto estava sendo para ela.

Os convidados foram se amontoando no salão de dança, os músicos estavam prontos para tocar seus instrumentos e a mesa de comida estava repleta de quitutes e petiscos, e havia ponche e vinho para quem quisesse. A multidão parecia se divertir e estavam mais que curiosos para conhecer a mansão Greenmount.

― Está na hora de iniciar o baile, escolha uma dama para que comece dançando com você. A primeira dança é uma quadrilha.

― Tudo bem, vamos iniciar então. Me daria a honra dessa dança? ― Bernardo pediu se inclinando galantemente e estendendo a mão na direção da dama. Ele não queria se afastar de Samantha tão rapidamente.

― Quando sugeri que escolhece uma moça, estava me referindo as outras moças no salão. ― Ela sussurrou para que ninguém além de Bernardo ouvisse.

― Pretende negar-me essa dança?

Samantha olhou ao redor e percebeu que a demora em aceitar o convite do barão estava chamando a atenção.

― Claro que não. ― Ela tomou a mão dele na sua e seguiram juntos para o centro do salão.

Assim que se posicionaram, outros casais fizeram o mesmo, e a banda começou a tocar. Bernardo e Samantha dançavam em silêncio, ela tentando não errar nenhum passo, uma vez que fazia muito tempo que não dançava, e ele tentando ignorar todas as pessoas a sua volta.

― Você está gastando uma de suas danças comigo. ― Ela informou a Bernardo quando pegou o ritmo e teve certeza que não mais havia risco de pisar no pé do barão.

― Não tem problema.

― Montress, o senhor terá que escolher moças para a temporada, e não poderá fazê-lo se passar a noite inteira comigo. Terá que conhecer um pouco das outras moças para ver qual irá agradá-lo.

Bernardo suspirou desgostoso, estava cansado de ouvir Samantha falar que ele tinha que escolher as mulheres. Não queria conversar com outras mulheres, e muito menos escolher ninguém.

- Se a senhorita tocar novamente nesse assunto, eu cancelarei a temporada.

- Mas.. - Samantha tentou argumentar, entretanto foi silenciada pelo olhar firme do Barão. - Está bem, o senhor sabe o que tem que fazer, não vou mais ficat relembrando de seu dever.

- Agradeço.

Bernardo conduziu Samantha habilmente no ritmo da música, mas não foi trocada mais nenhuma palavra entre eles.

Como casar um BarãoLeia esta história GRATUITAMENTE!