CROSSOVER | A RESISTÊNCIA - À BEIRA DO CAOS

515 73 256





PARTE II

Ops! Esta imagem não segue as nossas directrizes de conteúdo. Para continuares a publicar, por favor, remova-a ou carrega uma imagem diferente.

PARTE II

Assim que entramos em um dos prédios em ruína, abro e rodo o tambor da pistola para ter certeza que está carregada. Vejo o Lucas fazer o mesmo.

— Ela não parecia totalmente humana — Emily fala se referindo à tributo da Cidadela como quem deve ter dividido a sala de espera. — Os olhos dela eram completamente negros e ela parecia muito confiante, como se nada a pudesse afetar.

— Os rapazes também não pareciam — digo lembrando-me principalmente do mais alto, e Lucas concorda comigo.

De repente, começo a tossir e vejo na minha mão alguns rastros de sangue o que me faz virar de costa para que eles não vejam. O vírus já está fazendo efeito.

— O que eles andam fazendo com as pessoas da Cidadela? — Lucas pergunta e me viro de novo para eles depois de limpar a mão na barra da camiseta preta.

— Não faço ideia, mas, pelo que vimos, eles vão fazer o impossível para salvar a garota deles.

— Imogen — Emily diz e só então percebo que não sei o nome dos outros dois tributos. Eles não pareciam muito amigáveis e nos deram uma amostra de fúria quando se confrontaram à nossa frente.

— Não podemos julgá-los — Lucas diz. — Vamos fazer de tudo para proteger a nossa.

— Parem vocês dois — Emily grita. — Deve haver uma forma de sairmos os três vivos.

Vejo o Lucas olhando para os olhos dela e me controlo para não demonstrar o medo que me invade. Eles estão ficando completamente vermelhos e a única coisa que penso é em salvá-la e acabar com os jogos de uma vez por todas.

Por que ela tinha que ser a escolhida?

Eu ainda tinha esperança de que a estirpe dela seria igual a minha, assim haveria uma chance a mais de salvá-la.

Olho para o Lucas na esperança de que tenha o mesmo vírus que a Em, mas os olhos dele continuam brancos. Continuo observando-o mas ele provavelmente está escondendo o que quer que esteja sentindo.

Respiro fundo.

O antídoto que pode salvar a Emily provavelmente é o mesmo que pode salvar um dos nossos rivais.

— Temos que ir — digo com certeza de que não podemos perder mais nem um segundo quando a sirene toca. Passaram-se os primeiros cinco minutos e precisamos ser mais rápidos que eles.

Saio na frente, Emily vem a seguir e Lucas está logo atrás dela. Corremos e entramos no primeiro beco que encontramos. Tenho mais uma crise de tosse que faz os dois perguntarem se estou bem. Apenas digo que sim e limpo mais uma vez o sangue na camiseta antes que eles possam ver. Não vai ajudar em nada se ficarem preocupados.

Filhos das RuínasWhere stories live. Discover now