CAPÍTULO SEIS

102 18 11

O que dizer sobre o chá? Uma bebida quente, mas que aos desjejum da família passou a ser gelado. Preciso afirmar que ao misturá-la com pêssego, torna seu gosto fascinante.”

-Diário pessoal de Autumn Charpentier

AUTUMN

A biblioteca resguardava vários sofás e poltronas confortáveis. Havia alguns próximos à varanda e portas de vidros enormes e abertas circulando o ar da sala.

Aut lia Orgulho e Preconceito pela décima quinta vez, rindo incontrolavelmente com Srta Elizabeth Bennet. Encontrava-se largada na divã com Chocolate em seu colo, suspirando feliz com o carinho que recebia da dona.

Virou algumas páginas e chegou o momento da declaração de Darcy, releu as palavras que tanto amava e sofreu com a rejeição que leva enquanto o beagle deitado nela se pôs de costas, levantou as patinhas para receber cócegas na barriga.

Podia ouvir passos indo e vindo no corredor em plena atividade. O café já havia sido posto à mesa e aguardava apenas os que tomariam o desjejum. O relógio do corredor badalou avisando o horário e, conforme os criados deixavam de passar, Aut percebeu ser tarde.

Com fome, fechou o livro e pegou nos braços o cachorro colocando-o no chão em suas patas. Sabendo que haveria comida para onde a dona fosse, a seguiu abanando o rabinho e língua de fora.

— Vou levá-lo a cozinha para se lambuzar com as sobras de galinha do jantar de ontem. A cozinheira ama lhe servir comida quando deveria receber ração em que compramos na feira, especial para fortalecer e mantê-lo cheio.

Autumn achava engraçado fazer vozes ao imaginar Choco a respondendo-a.

— Nunca colocarei na minha boca aquela comida com cheiro de morte.

Chocolate lhe responderia exatamente assim, pensou, já que torcia o focinho toda vez ao ver o alimento de cor suspeita no pote. Rindo e distraída, acidentalmente esbarrou no mordomo.

— Oh, sinto muito!

— Sem problema, senhorita. — Ele lhe sorriu fazendo aparecer rugas próximas aos olhos. — Estava à procura da senhorita pela residência, seu pai a chama para o desjejum.

Agradecendo seguiu para a escada dos criados, deixando o pequeno animal na cozinha e subiu para o pequeno cômodo onde serviam as refeições.

O pai estava a mesa com um jornal recém-passado, a mãe ao lado radiante e parecia que ouvia uma notícia inesperada. Héstia não havia descido e geralmente comia em seu quarto, longe da família extremamente comunicativa em um período tão cedo.

Eve dirigiu a sua filha um olhar deleitoso.

— Autumn Charles Charpentier, quando ia nos contar?

Confusa com a empolgação dela virou-se para Jonathan, que levantou as mãos em rendição e lhe dirigiu um sorriso de cumplicidade.

— Qual o problema, mama?

— O problema é você não me contar que dançou no baile com o coronel. Você está na coluna de fofoca matinal e apenas assim pude saber que minha filha está envolvida com um oficial. Querido, me dê o jornal. — Ele passou com extremo carinho para a mão da mulher a folha certa. — Cof, cof… “A Senhorita Charpentier mais nova valsou no baile com o duque e coronel oficial, Loghan MacGregor. Pude observar de perto o quando eles estavam próximos e íntimos. E a pergunta que fica é: Haverá matrimônio nesta temporada?” — Levantou os olhos da leitura com olhos extremamente marejados. — Está mesmo envolvida com ele?

QUANDO A LUA AQUECE O CORAÇÃOLeia esta história GRATUITAMENTE!