CAPÍTULO UM

163 22 11

"Somos seres desumanos ao comemorar o fim de uma guerra sem relembrar daqueles homens que deram suas vidas em troca dos nossos confortos."

-Diário pessoal de Autumn Charpentier

AUTUMN

Autumn Charles Charpentier tinha excentricidade em nome e na inteligência rápida e afiada.

Expunha as suas ideias formadas sobre acontecimentos políticos com a mesma facilidade que valsava. Vivia com o livro enfiado no rosto lendo inúmeras histórias ou um romance escandaloso impróprio para as mulheres.

Sorria com lábios fechados ou mostrava as covinhas em um sorriso radiante. Os cabelos eram enrolados e viviam meio soltos em uma massa rebelde de castanho escuro. Os olhos demonstravam gentileza e o gênio forte que não fazia questão de esconder.

Assustava aos homens com a mesma facilidade que domava um cavalo arisco dos estábulos da residência. E, logicamente, se recusava a casar com qualquer pretende que aparecia na sua casa para lhe fazer a corte meramente pela intenção de subjugá-la, mas o mesmo não podia ser dito sobre sua irmã.

— Autumn, arrume a postura e sente-se na ponta do sofá. — Foi quando Héstia se deu conta do vestido dela. — O que houve com o vestido diurno lilás? E, o que é essa mancha em seus dedos?

Percebendo que a mais velha estava a beira de um colapso nervoso e, apenas por esse fato, endireitou-se para receber o convidado indesejado e nefando que cortejava Héstia.

Após um instante, Hopkins entra na sala segurando a bandeja de prata onde um cartão de visita descansava solitário. O dia seria uma tortura amarga e, Autumn, tentou com todas as forças reprimir o suspiro de desânimo do parâmetro geral para recreação a qual foi submetida.

— Mande-o entrar, por favor.

Enquanto a dama loira se empolgava, a morena se aborrecia.

Lá vamos nós.

— Sir Adam, como está?

O lorde adentrou na sala com altivez e afetação de um almofadinha. A cor de suas roupas deveria ser descrito como cor de pepino em conserva cheio de adornos em dourados nas mangas, que na sua opinião, deixavam-no como um palhaço. Segurou a gargalhada que, por pouco, não rompeu pelos seus lábios. Héstia, muito encantada pelo homem, não percebeu o quase deslize.

Autumn a via sorrindo com uma boba. Viu quando ela prendeu a respiração enquanto o Sir Adam pegava na mão direita e o levava aos lábios para beijá-la. O rosado nas bochechas e os olhos brilhantes de alegria e expectativa, incomodava Aut referente a decisão dela para com ele.

Ela suportava a fala mansa e afetada do homem apenas em referência a sua irmã, pois se pudesse expulsaria ele a vassourada do cômodo. Perdida em pensamentos de como seria atirar no pé daquele "sabichão" arrogante, ouviu de longe o convite vindo dele.

— O que acha de passearmos pelo Hyde Park no meu novo cabriolé?

— Eu aceito, mas Autumn terá de ir conosco como minha acompanhante — disse com um bico insatisfeito indisfarçado. Já a outra, acenava em negativa de maneira desesperada, exigindo com os olhos que retirasse o convite feito com pretensão a ela — Ela poderá cavalgar ao nosso lado.

Ótimo, ela queria muito cavalgar em um parque cheio de leis. Bufou em desagrado, mas seguiu atrás do "belo" casal afetado.

Emburrada, pediu ao criado preparar Lua para a cavalgada matinal.

QUANDO A LUA AQUECE O CORAÇÃOLeia esta história GRATUITAMENTE!