12. Fiquei Com o Seu Número

1K 166 35
                                    

HELENA

Planos não são infalíveis. Na verdade, qualquer plano tem uma chance bem grande de simplesmente falhar, mas Helena estava confiante.

Precisava estar confiante. Confiança era metade do trabalho. O restante saía muito mais fácil se ela simplesmente estivesse plenamente confiante.

Por que a Helena pode sair e a gente não? — a caçula ouviu o irmão questionar enquanto eles caminhavam em direção ao carro no estacionamento do colégio.

— Porque Helena não está de castigo — a mãe respondeu dando de ombros.

Lívia e Benito estavam de castigo devido aos acontecimentos da semana passada. A mãe tinha ficado uma fera pela briga dos dois, mas a situação só piorou quando perguntou o motivo da briga e ambos ficaram se olhando sem saber o que responder.

Então o castigo estava bem chato para eles, mas Benito definitivamente sofria mais. Lívia ia para o CESM treinar o esporte que amava e ainda encontrava Tito, mas Benito estava restrito ao suposto kickboxing e algumas visitas de Marcelo (que não eram tão legais porque a mãe havia proibido o videogame também).

— Ainda não entendi o que você e Aurora vão fazer no centro da cidade — Benito comentou cruzando os braços e Helena sorriu parando ao lado do carro da mãe.

— Aurora precisa de ajuda pra escolher tinta para o cabelo.

"E eu preciso colocar a Operação Pinguim em ação" — completou mentalmente.

Os três haviam decidido, com os ânimos menos exaltados, que cada um ficaria responsável pelos encontros com o candidato escolhido.

De maneira não planejada, Lívia e Benito haviam entrado em uma competição a parte. De repente o foco não era exatamente a mãe, mas quem iria apresentar o melhor cara.

"Mamãe jamais ficará com Vitor!"

"Então vamos ver se o chef de cozinha é tudo isso mesmo".

— Helena, me mantenha informada durante o dia, por favor — Ana Carolina pediu séria antes de dar um abraço na filha. — Tem certeza que você e Aurora não querem uma carona?

— Certeza absoluta.

Helena se despediu da família e foi caminhando para o portão de entrada da escola. Aurora estava lá mexendo no celular distraída. As tranças eram a marca registrada da negra, mas ela estava afim de mudança. Iria tirar as tranças e pintar o cabelo crespo de alguma cor diferentona.

— Vamos? — Helena perguntou se aproximando da amiga.

— Vamos! — Aurora respondeu empolgada e começando a caminhar pela calçada irregular. — Me diga, nós vamos comprar tinta para o meu cabelo e depois vamos tomar um milk-shake, é isso?

Helena pensou por alguns segundos e encolheu os ombros enquanto mordia o lábio inferior.

— O que você está aprontando, Helena de Tróia? — a negra perguntou desconfiada e parando no meio da calçada para encarar a amiga. Os olhos castanhos dela pareciam em brasa de tanta curiosidade e as sobrancelhas unidas em sinal de desconfiança só deixavam Helena mais nervosa.

— Eu... eu esqueci um documento na última vez que fui ao médico e minha mãe nem desconfia — utilizou a primeira mentira que surgiu em sua cabeça — Ela vai me matar se eu tiver perdido e espero que eles tenham guardado.

Aurora continuou olhando desconfiada, mas ao menos parecia parcialmente convencida.

— Entendi.

Operação Pinguim | ✓Onde as histórias ganham vida. Descobre agora