09. Os Três Mosqueteiros

958 183 17
                                    

HELENA

Alguns historiadores afirmam que Alexandre Dumas, o autor de "Os Três Mosqueteiros", pretendia fazer de d'Artaghan um mero personagem secundário, mas optou por fazê-lo crescer na narrativa e torná-lo um mosqueteiro no final.

Mas o que isso tem a ver com o plano de Helena?

Era quarta-feira de noite, quase uma semana havia se passado desde a conversa com Lívia. A família estava jantando e Helena encarava Benito hora ou outra.

Benito era essencial para que o plano desse certo e fosse justo, mas primeiro teriam que convencê-lo a fazer parte. E essa era a tarefa mais difícil de todas.

— E depois falaram uma grande merda sobre as aulas do Vitor, mas eu fiquei na minha — Benito contava durante o jantar.

— Acho imbecil ficar defendendo o Vitor — Lívia soltou rapidamente com a boca cheia. — Ele nem dá aula direito! Fica lá de pé olhando vocês jogarem bola e só.

Enquanto os irmãos começavam um debate sobre Vitor ser ou não um bom professor, Helena notou que a mãe a encarava com um sorriso leve no rosto. A menina sabia que nesses momentos de discussão escolar, Ana Carolina preferia fingir não ouvir nada do que era relatado.

Helena sorriu de volta para a mãe e deu de ombros apontando discretamente para Lívia e Benito que estavam quase gritando um com o outro.

— Você não sabe julgar o caráter das pessoas, Benito Bonito — Lívia comentou tranquila e Helena riu ao ver o irmão emburrado tentando chutar a perna da irmã por baixo da mesa.

— Crianças, mudando completamente de assunto — a mãe iniciou com um tom um pouco mais alto para chamar a atenção dos filhos. — Trago novidades... — falou misteriosa. — Eu fui aceita no mestrado!

Helena sorriu largamente e logo levantou-se para abraçar a mãe. Era uma notícia grandiosa. Estava radiante de tamanha felicidade. Não demorou muito até que sentisse que os irmãos estavam fazendo um sanduíche de Ana Carolina.

— Obrigada, minhas crianças!

Os três riram com a insistência dela em chamá-los de crianças e abraçaram a mãe ainda mais forte. As vitórias de Ana eram sua vitória.

Após tomarem sorvete como comemoração pelo mestrado da matriarca, os trigêmeos estavam se preparando para dormir. Era sempre o mesmo ritual: todos iam para o quarto, mas cada um ficava em sua própria bolha.

Helena sabia que Lívia ficava trocando mensagens com Tito e Benito ficava olhando o Instagram (muitas vezes da Mirella, mas ela fingia não perceber esse detalhe). E Helena sempre lia um pouco antes de dormir.

Entretanto, o plano daquele dia era bem diferente.

Benito estava deitado na cama e mexia no celular enquanto Lívia e Helena trocavam olhares significativos entre si. Precisavam da ajuda do irmão e era o momento de tentar.

— Bê... — Helena chamou baixo enquanto sentava na beirada da cama ficando de frente com a cama do irmão que era ao lado. A menina logo sentiu Lívia sentando-se ao seu lado.

— Fala — ele resmungou sem tirar os olhos do aparelho celular.

— Lívia e eu estávamos pensando... — ela começou incerta, mas logo sendo interrompida por Benito.

— A resposta é não.

— Você nem sabe o que a gente quer! — Lívia protestou passando as mãos pelo rosto em sinal de impaciência.

Operação Pinguim | ✓Onde as histórias ganham vida. Descobre agora