Capítulo 42

5.7K 683 265

Oi pessoal, ha dois capítulos, depois desse leia o outro, faltam apenas mais dois capítulos para o final dessa história. Peço a compreensão, vou tentar liberar o mais rápido possível

Sem revisão

Norah

A casa era impressionante, quando a vi de longe a primeira vez, não dava para saber a dimensão, mas é digna de um palacete. A viagem havia sido tranquila, apesar da ameaça do Enrico, estava tão cansada que peguei em um sono profundo, parecia que em estava em coma, talvez seja por causa da gravidez não sei, mas, era um sono quase incontrolável. Dormi a maior parte da viagem, acordei quando já estávamos quase chegando a Nova york.

Viajaram conosco, Nicko, Silvia e vários seguranças. Ao chegarmos a Nova York o clima estava frio, diferente da Itália. Fiquei impressionada como Entico tinha influência, Silvia, passou pela imigração  tranquilamente, como ela veio para trabalhar, o agente apenas avisou que era preciso regularizar a situação dela o mais rápido possível, Enrico apenas disse que os advogados dele fariam isso em breve. Fiquei aliviada, pelo menos Silvia não terá nenhum problema

Quando chegamos na casa, Enrico né instruiu a resolver qualquer assunto referente à administração, não havia empregados fixo, para manter a casa limpa, Enrico contratou uma empresa de limpeza que vinha de quinze e quinze dias fazer uma limpeza. Decidi deixar a mesma empresa por mais algum tempo até conseguir pessoas  para ajudar na casa. Uma mansão daquele tamanho requer muitos empregados.

Silvia muito gentilmente, ofereceu-se para preparar as refeições enquanto não havia um chef para fazê-lo. Enrico me deu carta branca para decidir tudo, a única coisa que ele exigiu foi que todas as pessoas contratadas teriam que ser pessoas ligadas à máfia, isto é, eu não posso contratar pessoas em uma agência de empregos, o questionei sobre isso

— Como saberei se uma pessoa está ligado a Máfia?
— Você contratará somente pessoas que já fazem parte da minha equipe, ou que está no esquema
— Como?
— Coloque anúncio interno meu amor, assim os soldados saberão e avisarão para as esposas ou parentes. O chef pode deixar que mando Nicko mandar o do restaurante, ele contrata outro

Só o fato dele ter mencionado o Nicko me fez lembrar tudo que havia acontecido e meu sangue gelou, rapidamente minha expressão mudou, Enrico percebeu e perguntou em tom irônico
— O que foi baby, está preocupada com alguma coisa?
— Enrico, eu sinto muito, não queria ter me metido nos seus negócios, mas não podia deixar de avisar ao Nicko
— E o que adiantou? Você apenas fez o Nicko enxergar com quem ele havia casado de fato, coisa que eu tentei protegê-lo desde que se casou com aquela cobra. Não teria sido melhor se ele apenas a perdesse em um acidente e nunca soubesse a verdade?
— Eu não sabia...
— Norah, aprenda uma coisa, as pessoas morrem porque merecem morrer, se querem viver, não cruzem o meu caminho
— Esse aviso serve para mim também?
— Não baby, em você aplicarei punições, acho mais interessante, não vou matar a fonte do meu prazer

Ele disse isso aproximando-se de mim e me abraçando por trás, estreitando-me em seus braços. Meu coração estava acelerado, não queria ser punida, não entendo porque ele faz essas coisas comigo, eu o amo e ele diz que me ama, mas tenho dúvidas realmente se ele me ama. Então o indaguei

— Enrico, você me ama?
— É claro que te amo baby, caso contrário você não estaria aqui me fazendo essa pergunta idiota
— Não consigo sentir seu amor
— Não consegue sentir? Consegue sentir isso?

Ele esfregou o quadril na minha bunda e eu pude sentir sua ereção. Sei que deixo ele excitado quase o tempo todo, mas me questiono se isso é suficiente para manter um relacionamento, se esse desejo sexual significa que ele me ama?

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!