07. Odisseia

1K 198 57
                                    

HELENA

Um dos livros clássicos que Helena adorou ler foi Odisseia, de Homero. Acreditava, de certo modo, que poderia iniciar sua própria aventura.

Assim como a rainha Penélope tinha que escolher seus pretendentes na Grécia do século IX, Ana Carolina teria que escolher seus pretendentes no século XXI.

Claro que a ideia não era forçar a mãe a escolher alguém, mas os pretendentes teriam que surgir na vida dela e assim a mulher poderia fazer a escolha sem nem saber que eles estavam disputando o seu afeto.

Na verdade, eles nem iriam saber que se trataria de uma pequena competição. A ideia era simples, mas precisava da cooperação dos irmãos para ser algo justo para a mãe.

Helena caminhava pensativa pelo pátio do colégio quando foi retirada de seus devaneios ao sentir alguém passando o braço por seus ombros. Ela riu ao ver as tranças afro coloridas em seu campo de visão.

— Bom dia, Helena de Tróia! — Aurora disse animada, o que era uma raridade nas manhãs.

— Bom dia, Princesa Aurora — a menina respondeu sem tamanha empolgação. — Como foi o encontro ontem? — perguntou curiosa.

Aurora Lima era uma garota de encontros. Ela realmente tinha uma coleção deles. Se encontrava com garotos e garotas, Helena achava isso incrível. Costumava brincar sobre a amiga ter uma dupla chance de encontrar o amor verdadeiro.

— Foi um sete — Aurora disse sem tanto ânimo. — Você sabe que os encontros com os caras nunca passam de oito e meio, afinal, são homens — Helena não conseguiu enxergar, mas poderia jurar que a amiga revirou os olhos.

Aurora sempre preferia os encontros com as garotas, dizia que era muito mais natural e não se sentia tão avaliada.

— Ele era legal pelo menos? — Helena perguntou entrando na sala de aula.

— Ele foi um sete, Helena. Não tenho mais o que dizer — deu de ombros.

A menina riu espontânea. Adorava os encontros de Aurora.

— Você deveria usar o aplicativo para ver se perde logo essas teias de aranha na boca — Aurora resmungou sentando-se em uma das carteiras ao lado da janela. — Aliás que você nem precisa dessas coisas, qualquer garoto dessa escola iria querer ficar com você.

Helena revirou os olhos e sentou-se na carteira ao lado da amiga.

— Estou falando sério, você precisa beijar alguém, querida — a negra disse segurando a ponta de uma das tranças. — Pretendentes não te faltam, é só você escolher um.

— Escolher o quê? — Marcelo perguntou sentando-se na cadeira atrás de Helena.

— Um novo livro para ler — Helena respondeu rápida antes que Aurora decidisse contar para a sala inteira que ela nunca tinha beijado alguém na vida.

A adolescente não via problema algum nisso, mas sabia que os colegas ficariam zoando. Ela não precisava desse tipo de situação no ensino médio.

— Leia algum dos livros que vão cair na prova de literatura — Marcelo comentou rindo e deixando a pele do rosto avermelhada.

— Na verdade, eu estava falando para a Helena sair com alguém — Aurora comentou com um sorriso de lado.

A menina notou um brilho estranho passar pelos olhos da amiga e notou que Marcelo abaixou a cabeça rapidamente.

— E aí, Aurora? — Benito chegou quebrando a aura de confusão que começava a se instalar pelo ar.

— Benito, você não acha que sua irmã deveria sair com alguém? — a negra perguntou com um tom quase maldoso.

Operação Pinguim | ✓Onde as histórias ganham vida. Descobre agora