Capítulo 41

7.3K 884 508

Sem revisão

Norah

Analisei todos os olhares, alguns emocionados, outros curiosos, outros maliciosos e apenas um par de olhos azuis me encaram com ódio, estremeci, ainda não havia percebido a intensidade da raiva que Débora tinha de mim. Não a compreendo, é uma mulher casada, tem um filho lindo, quando Enrico a rejeitou eu nem sonhava em me tornar a esposa dele, por tanto, a culpa não foi minha por ele não casar com ela.

A mãe do Enrico, como uma boa anfitriã, aproximou-se de nós e nos desejou as boas vindas

— Sejam bem vindos meus queridos, todos estávamos ansiosos esperando vocês.

Ela virou-se para mim e pegou nas minhas mãos dizendo
— Norah, você está encantadora, radiando felicidade. Venham, estávamos esperando vocês para o desjejum

— Pensei que só iria tomar o café da manhã à noite

O pai do Enrico falou daquele jeito irônico de sempre

— Temos que entender o Enrico Dom Gio, com uma beldade dessas como esposa, não sairia nem da cama

Guido falou também no tom de ironia

— Tem que arrumar uma esposa para o Guido papa, antes que eu o mate — Enrico falou
— Se Débora não fosse casada, os casaria — Giovanni falou
— Os dois serviriam muito bem, o panaca e a recalcada — Enrico falou dando um sorriso de deboche

Olhei em direção da Débora e essa parecia que iria explodir, o marido dela estava do seu lado, mas nada falou, achei estranho, tanto Enrico quanto o pai, falavam das pessoas como se elas não estivessem ali, sem nenhum tipo de cerimônia. A mãe do Enrico como uma excelente anfitriã, desafez o mal estar dizendo

— Vamos todos para o salon, acho que precisamos comer, principalmente você minha querida, precisa alimentar o meu neto, tenho certeza que o insensível do seu marido não te ofereceu nada para comer

— É claro que não mulher, ele come não oferece a comida — O pai do Enrico falou dando uma gargalhada alta
— Certíssimo papa — Enrico retrucou

Eu não sabia onde enfiar a cara, acho que nunca vou me acostumar com esse jeito deles de se expressarem, sem cordialidade.

Seguimos todos para o salon onde havia uma mesa digna de um a palácio, estava muito bem arrumada, haviam umas dez pessoas da família além do Sr e Sra Falcon e mais dois casais de amigos, um deles era o Nicko e Louren e o outro casal era Beatrice com o marido Gaspar.

Antes da refeição se iniciar, o pai do Enrico bateu em uma taça chamando a atenção de todos, os rostos se voltaram para ele e assim começou um pequeno discurso
— Bom, apesar de todos os nossos desencontros, a teimosia do Enrico de não assumir os negócios de vez aqui na Itália, estou muito feliz por vê-lo casado com uma bela mulher, uma moça linda que soube colocá-lo em seu lugar, um verdadeiro chefe da família Falcon. Então, como presente se casamento para a Norah, passo essa propriedade para seu nome, agora a Villa San Lucca pertence a você minha querida.

O pai do Enrico me estendeu uma escritura, eu olhava para aquele pedaço de papel com o coração na mão, não estava acreditando que ele havia feito aquilo, eu não posso aceitar, já estava preparada para uma negativa, porém senti que Enrico segurou minhas mãos, eu olhei para ele e o mesmo disse
— Não fui eu que pedi isso, é apenas um presente do meu pai, aceite-o

Olhei para aqueles olhos pretos brilhantes, não era um pedido, mas uma ordem. Então, fiz a única coisa que deveria fazer, levantei-me, fui até ele e peguei o papel
— Obrigada Sr. Falcon, não tenho nem palavras para agradecê-lo
— Não precisa me agradecer com palavras minha filha, mas em gestos, quero muitos bambinos correndo por essa casa hã! E do jeito que você e Enrico não se desgrudam, depois desse virá logo outro — Ele gargalhou daquela maneira alta que é característico dele

Sob o Jugo do Mafioso +18 concluído Leia esta história GRATUITAMENTE!