Capítulo 1 - parte II

214 46 8

Cassie abriu os olhos devagar, sua cabeça girava assim como seu estômago no momento em que foi colocada sobre a cama dentro de uma tenda feita de couro. Estava tremendo. Não sabia quem era aquele homem, tampouco o que pretendia fazer com ela. A fama dos fora da lei os precedia, eram o grande terror do velho oeste.

Seu raptor ajoelhou à sua frente para fitá-la e estendeu-lhe um cantil cheio de água.

- Deve estar com sede.

Ela segurou o cantil entre os dedos trêmulos, porém ao invés de beber apenas encarou o homem. O rosto dele estava parcialmente coberto pela sombra do chapéu preto, porém Cassie podia ver os olhos cor de ônix e queixo quadrado e a pele morena bronzeada pelo sol. Não ver o rosto dele com clareza a arrepiava. Esperava que aquele dia fosse o pior de sua vida, mas não previra cair nas mãos de um fora da lei. Achava que nada poderia ser pior do que seu marido... Contudo, seria o destino capaz de mostrar-lhe o contrário?

- Onde estou e quem é você? O que quer comigo? – Ela começou a recuar até encontrar as costas nas peles que formavam a tenda. Olhou em volta e percebeu que o homem bloqueava sua única saída.

- Sou Drake Knight e você está no acampamento do meu bando.

- Foras da lei?

- Depende do ponto de vista. – Ele deu de ombros ao se sentar no chão. – Beba a água, não quero que fique com sede.

Cassie sentiu os lábios secos então atendeu à ordem. Seus dedos tremiam ao segurar o cantil. Tomou duas boas goladas da água e se sentiu confortável com isso, não podia negar que estava sedenta.

- Obrigada. – Devolveu o cantil a ele. - O que eu estou fazendo aqui? Não deveria ter feito isso comigo. Leve-me embora! – Ela o encarou com firmeza. Ainda que as feições do homem fossem amistosas, Cassie estava morrendo de medo.

- Não irá embora, senhorita! Não posso permitir que de case com Isaac Jones. – A voz de Drake assumiu um certo tom de frieza que fez um calafrio varrer o corpo de Cassie.

- Desculpe-me, mas não acho que tenha tido todo esse trabalho para me livrar de um casamento por ser um homem generoso. - Engoliu em seco quando pior lhe passou pela mente. Havia uma escassez de mulheres naquela região a não ser as prostitutas dos saloons e temeu ter sido almejada daquela forma.

- Não sou um homem generoso, senhorita.

- Imagino que não já que me tomou a força.

- A situação exigiu uma medida desesperada e peço desculpas por isso. – Ele se levantou. – Descanse, verei se encontro algo para que tire esse vestido.

Cassie o observou sair, reparando nos movimentos da calça justa que modelava as pernas bem tornadas e um pouco tortas por andar muito a cavalo sem usar celas.

Ajeitou-se na cama, olhando para a pequena e abafada tenda. O sol da tarde ainda incidia sobre o couro, fazendo-a assar lá dentro. Quis sair, porém achou mais adequado permanecer ali dentro, não sabia o que lhe custaria caso desobedecesse. Estava amedrontada, por mais que em seu ímpeto pensasse em fugir. Aqueles foras da lei poderiam ser cruéis com a rebeldia dela.

Cassandra desejara com todas as suas forças poder escapar daquele terrível casamento, porém nunca imaginara que seria naquelas circunstâncias. Fora raptada!

- Olá. – Uma mulher entrou na tenda com um vestido nos braços. – Drake me pediu para que pudesse se trocar.

Cassie pegou a peça e a segurou em suas mãos. Não possuía o tecido fino e a costura sofisticada das roupas importadas da Inglaterra que seu pai lhe presenteava, porém parecia mais confortável do que o volumoso vestido de noiva.

- Obrigada.

- Estarei lá fora caso precise de mim.

- Qual o seu nome? – Cassie abriu um meio sorriso.

- Anelise, mas pode me chamar de Anne como todos fazem.

- Obrigada pelo vestido, Anne. Tem alguma comida? Estou faminta.

- Troque de roupa e me encontre lá fora. Verei o que posso lhe oferecer.

- Eu posso sair? – Cassie sorriu como se essa trivialidade fosse uma dadiva.

- Sim. Não é uma prisioneira aqui, senhorita Evans. Não lhe desejamos mal algum, Drake queria apenas evitar o casamento.

- Por quê?

- Ele lhe dirá. Tem seus motivos. Agora troque-se, aguardo-lhe lá fora. – Sem se delongar, Anelise deixou a tenda.

Cassie tocou seu vestido de noiva. Estava livre daquele pavoroso casamento ao menos por hora e o espanto do rapto aos poucos foi sendo substituído por uma estranha sensação de gratidão. Independente dos motivos pelos quais aquele homem decidira raptá-la a instantes do altar havia sido benéfico para ela.

Trocou-se deixando de lado o volumoso vestido de noiva e as luvas e isso fez com que sentisse menos calor. Então saiu da tenda, encontrando Anne mexendo um caldeirão de ferro sobre uma fogueira e perto dos cavalos estava seu salvador e mais quatro homens.

- Que ótimo que meu vestido lhe serviu.

- Sim, muito obrigada. – Cassie passou as mãos pela saia florida num tom rosa claro.

- Aqui está. – Anne serviu a sopa em uma pequena tigela de metal e estendeu para Cassie. – É uma sopa de raposa. Foi o que os rapazes conseguiram caçar.

Cassandra olhou para a comida, o cheiro parecia delicioso. Entretanto ficou esperando.

- O que foi? – Anne arqueou as sobrancelhas.

- Não tem nenhum talher.

- Não, aqui comemos com as mãos.

Aquilo foi estranho diante de todos os costumes e a etiqueta que Elizabeth havia ensinado a Cassie desde que ela era uma menina. Porém, diante da fome não faria desfeita. Sentou-se em uma pedra próxima a fogueira e pecou um pedaço de carne com a ponta dos dedos delicados. Enquanto comia, Cassie observou Drake conversando com os outros homens de seu bando. Ele removeu o chapéu, revelando densos cabelos negros como a noite que caia sobre seus ombros. Drake era um homem truculento, tinha ombros largos assim como seus quadris, mas Cassie não via ameaça diante disso. O sentimento que lhe provocava era diferente.

- O que fará com ela, chefe?

- Iremos mantê-la aqui até que eu tenha um bom plano. - Drake olhou para a jovem que o encarava.

- Isaac Jones virá atrás dela com seus homens.

- Estou contando com isso.

Roubada do altar #1 Amores do oeste (Degustação)Leia esta história GRATUITAMENTE!